Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Menina que venceu câncer comemora 10 anos com doação de brinquedos para crianças hospitalizadas

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 07/05/2018 - Data de atualização: 07/05/2018


Beatriz Trivelato Simionato comemorou seus 10 anos de vida nesta sexta-feira (4) de um jeito diferente das crianças de sua idade. O bolo, a festa com guloseimas e os presentes ficaram em segundo plano para a menina, que organizou uma campanha de doação de brinquedos para crianças hospitalizadas que lutam contra o câncer em Barretos (SP).

Ela sabe bem o que é ter de enfrentar a doença tão cedo. Diagnosticada com um câncer raro no abdômen quando tinha 4 anos, ela conseguiu se curar da doença em 2012. Para retribuir, há pouco mais de um ano realizou uma primeira ação solidária parecida para comemorar seus 9 anos, arrecadando 5,2 mil litros de leite.

Agora, tudo que ela quer é ver o sorriso das crianças atendidas pelo Hospital do Amor, o Hospital de Câncer de Barretos.

'Porque se a gente fica feliz quando a gente ganha um brinquedo, imagina as outras crianças no Hospital do Câncer abrindo os brinquedos bem felizes, né?', diz.

Mãe de Beatriz, a educadora infantil Cintia Trivelato conta que desde a primeira campanha, tudo começou por iniciativa da filha, que não hesita em gravar vídeos para as redes sociais, além de chamar amigos e familiares para conseguir apoio.

"O pessoal é muito participativo em tudo que ela se propõe a fazer. Creio que esses brinquedos ainda vão se multiplicar", afirma.

Em casa, Bia mobilizou até a irmã mais nova, Isadora Simionato, de 8 anos, que também fez questão de engajar seus amigos da escola no projeto. "Tem boneca, tem carrinho. (...) Acho legal", diz.

A campanha também chamou a atenção de pessoas como a jornalista Camila Tavares, que, além da doação, ajudou replicando a ideia nas redes sociais. "A Bia tem um coração muito bom e, hoje em dia, acredito que as pessoas precisam mais desse lado solidário que faz toda diferença", afirma.

De doação em doação, Beatriz já conseguiu em torno de 80 brinquedos, de bonecas a kit de médico, itens capazes de mudar o dia de uma criança em um hospital, segundo a menina.

Terapeuta ocupacional no Hospital do Amor, Maria Oliveira Leite Silva concorda com Beatriz sobre o efeito que um brinquedo desperta.

"Quando a gente pensa na criança, a gente já entende que essa é uma atividade inerente a ela, natural a toda criança a questão do brincar, da brincadeira, e no contexto do hospital não poderia ser diferente. Às vezes, tem um peso até muito maior de contribuir para toda parte da humanização do tratamento, para a criança ter acesso a algo que é mais positivo, que traz aspectos mais saudáveis da rotina dela", afirma.

Para o dentista Luís Antônio Paulino, o fato de seu filho João Luís poder brincar dentro do hospital é a garantia de que ele vai ter um dia melhor que os outros em meio aos tratamentos contra o câncer.

"Ele fica meio para baixo [quando faz tratamento], mas um brinquedo sempre ajuda a estimular ele a animar mais, a recuperar mais rápido", conta.

Luta contra o câncer

Em 2012, ao completar 4 anos, Bia foi diagnosticada com três linfomas do tipo Burkitt no abdômen, uma forma rara e agressiva de câncer.

Durante três meses, Bia passou por diversas sessões de quimioterapia no Hospital de Câncer de Barretos e raspou os cabelos por causa da queda acentuada dos fios. Todas as etapas da luta da filha foram registradas pela mãe, que jamais perdeu a esperança de ver a filha curada.

Em agosto de 2012, a família recebeu a notícia mais aguardada – a cura menina. A mãe afirma que o diagnóstico precoce do câncer foi fundamental para que Bia tivesse mais chances de vencer a doença.

"É um momento muito difícil. Agora que já passou acho que o cérebro até oculta os momentos difíceis e se apega só ao lado bom mesmo que é o amor que ela tem, a fé em Deus que ela tem, a gratidão. É isso que fica", afirma Cintia.

Fonte: G1 Ribeirão e Franca

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive