Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Melanoma e o mapeamento das pintas

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/05/2021 - Data de atualização: 20/05/2021


Não é a primeira, a segunda, nem a última vez que vamos falar sobre câncer de pele na coluna. Quando se trata desta doença, a prevenção e o diagnóstico precoce são fundamentais. Por isso é tão importante sermos todos comprometidos em falar sobre o tema não apenas dentro dos consultórios médicos, mas especialmente em veículos que atingem um grande número de pessoas, como a Veja Rio (leia mais: Mês mundial da prevenção ao câncer de pele e Marília Gabriela e a importância de falarmos de câncer de pele). Nesta sexta-feira, participei de uma live com a Dra Gabriella Campos, dermatologista especialista pela SBD e PhD em Oncologia pelo INCA, onde pudemos falar bastante sobre um exame muito eficiente para prevenção e diagnóstico: a dermatoscopia digital. 

Por incrível que pareça, a maioria das pessoas nunca ouviu falar deste exame, que faz um mapeamento preciso dos sinais na pele e permite um acompanhamento do padrão de comportamento e surgimento destas pintas no paciente ao longo dos anos, comparando os laudos anuais. Como todo exame diagnóstico ele auxilia no acompanhamento e análise, mas o que faz diferença é o laudo feito por médico especializado em oncologia. Trata-se de um exame não invasivo realizado em consultório com um aparelho que permite a ampliação da imagem para observação da estrutura interna e das camadas mais profundas da pele, proporcionando uma avaliação mais detalhada de possíveis alterações. 

Como meu conceito de medicina é o da prevenção, costumo recomendar a dermatoscopia como exame complementar de rotina, especialmente em casos de histórico familiar positivo, de pacientes de peles muito claras ou com muito fotossíntese. Existem duas modalidades de dermatoscopia. A Manual amplia em até 10 vezes e permite ver algumas estruturas pela alteração da luz na pele. Já a Digital permite a ampliação da pele em até 140 vezes e um mapeamento do corpo inteiro do paciente por meio da fotografia, em que são apontados os sinais mais relevantes. “Assim, podemos comparar ao longo do tempo o padrão do paciente e apontar as pintas que podem ser um ‘patinho feio’. Pela dermatoscopia podemos identificar que determinada lesão é diferente das demais com alguns aspectos que nos indicam a retirada para biópsia para termos certeza de que a pinta não seja um melanoma ou um carcinoma”, diz dra Gabriella.

Há duas décadas, quando comecei a me especializar em Dermatologia, me incomodava muito o protocolo de excesso de retirada de pintas para biópsia. Para proteger os pacientes, na dúvida, indicávamos a exérese. Hoje, com a tecnologia mais avançada possibilitando uma melhor identificação de estruturas suspeitas, muitas vezes, podemos acompanhar a lesão antes da retirada. No entanto, se a lesão tiver características de malignidade, sempre deve-se retirar o sinal e mandar fazer histopatológico para confirmação. 

Não é todo paciente que vai precisar de um dermatologista oncológico. Porém, recomendo que o paciente faça o mapeamento. Nunca é demais lembrar que, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de pele corresponde a 27% de todos os tumores malignos no país. Os dados são tão alarmantes que, segundo a The Skin Cancer Foundation, 1 em cada 5 americanos vão desenvolver câncer de pele até os 70 anos e a doença mata duas pessoas por hora no mundo.

O mapeamento dos sinais por meio da tecnologia avançada nos permite indicar a cirurgia e o acompanhamento de um dermatologista oncológico quando estritamente necessário. E se o paciente fez o mapeamento e estiver tudo bem, melhor ainda! Basta ele continuar se prevenindo com muito filtro solar (leia mais: Dezembro laranja) e voltar a fazer o exame com certa periodicidade para acompanhar e preservar a sua saúde.

Fonte: Veja Rio

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive