Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Melanoma é o câncer de pele mais agressivo

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 23/09/2019 - Data de atualização: 23/09/2019


A doença que matou o cantor Roberto Leal, na semana passada, é considerado o tipo de câncer de pele mais agressivo: o melanoma. Ele se espalha com grande rapidez atingido outros órgãos, como aconteceu com o astro português.

"Melanoma é câncer de pele originário dos melanóticos, as células que produzem melanina e dão cor a nossa pele. Esse não é o tipo mais frequente de cânceres da pele, mas pode ter um prognóstico ruim e alto índice de mortalidade", diz o médico dermatologista Elimar Gomes, coordenador da campanha do câncer de pele da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia).

São três os tipos mais comuns de câncer de pele: carcinomas, sarcomas e melanoma. "Diferentemente de outros tipos de câncer que ocorrem em regiões internas, o de pele tem a vantagem de ser descoberto mais rapidamente por ser visível, porém quando ele parece uma pinta, uma verruga, um cisto ou um calo, pode atrasar o diagnóstico e gerar complicações", diz Caio Lamunier, dermatologista do Hospital das Clínicas e membro da SBD.

A pessoa que verificar uma mudança de tamanho, formato ou de cor nessa pinta, deve procurar um médico o quanto antes. Segundo Gomes, "uma lesão considerada "normal" para um leigo, pode ser suspeita para um médico". 

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que 55 mil pessoas morram por melanoma todos os anos, o que representa seis mortes por hora. Segundo o Ministério da Saúde, ele representa 30% de todos os tumores malignos registrados no país.

Um dos principais fatores que pode causar o câncer de pele é a exposição excessiva aos raios ultravioletas. "A radiação pode danificar o DNA das células da pele, e cerca de 50% dos casos de melanoma tem a mutação no gene", diz o médico Rodrigo Munhoz, oncologista especialista em melanoma do Hospital Sírio Libanês e do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. "Outros fatores de risco incluem pele clara, imunossupressão, histórico familiar, olhos claros e excesso de pintas pelo corpo."

Diagnóstico rápido ajuda no tratamento
O câncer de pele tem chance de cura de 90%, mas para que isso aconteça é necessário procurar um médico logo ao notar algum tipo de sinal diferente na pele.

"Quanto mais precoce for sua descoberta e tratamento, melhores são as chances de cura. Um especialista pode te informar melhor se trata-se de uma pinta que não apresenta nenhum risco, uma pinta que merece acompanhamento ou uma pinta suspeita que deve ser retirada", diz o dermatologista Caio Lamunier.

Uma das preocupações também é o aumento da exposição a telas de computador e celular. Segundo os médicos, manter uma distância significativa ajuda a prevenir.

"A grande preocupação com o aumento da exposição a essas luzes é a luz não visível e os raios infravermelhos. Sabe-se que eles também aumentam a incidência de câncer de pele. Não existe um consenso sobre distância mínima segura. Quanto mais próximo, maior é a exposição", diz Caio Lamunier.

Como identificar o câncer - Arte Agora

Fonte: Agora São Paulo

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive