Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Médicos se dividem sobre segurança de vacina da Covid em pacientes de câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/02/2021 - Data de atualização: 08/02/2021


As vacinas contra a Covid-19 são seguras para pacientes com câncer? Essa pergunta estava na cabeça de pesquisadores e oncologistas muito antes do lançamento dos imuninzantes da Pfizer e da Moderna.

Embora haja um consenso de que as vacinas são seguras para a maioria dos pacientes com câncer, de acordo com a Sociedade Americana de Câncer e outras entidades médicas, a investigação sobre se elas serão eficazes para pacientes com a doença ainda não gerou dados suficientes.

A Sociedade Americana de Câncer recomenda que os pacientes com a doença conversem com seus médicos antes de receber qualquer vacina, porque cada paciente, tipo de câncer e tratamento têm suas particularidades.

Há vários fatores que podem exigir que um paciente com câncer retarde a vacinação, incluindo transplantes recentes de células-tronco ou uso recente de agentes terapêuticos conhecidos por reduzir a eficácia da vacina. O alerta é da doutora Laura Makaroff, vice-presidente sênior de Prevenção e Detecção Precoce na Sociedade Americana de Câncer.

"Cada situação e cada paciente com câncer têm particularidade no que diz respeito à segurança da vacina. E há ainda questões relacionadas à fase em que o paciente está em sua jornada de câncer", disse Makaroff à CNN.

"A vacina da Covid-19 é definitivamente segura para pessoas com câncer, mas é importante que os pacientes conversem com seu médico e sua equipe de atendimento para determinar quando é o momento certo para recebê-la."

"Todas as orientações que estamos vendo - da Sociedade Americana de Câncer e de outros grupos de referência em oncologia - é no sentido de que a imunização é recomendada para pacientes em terapia ativa, mas entendemos que há dados limitados de segurança e eficácia sobre esses pacientes", disse Makaroff.

Mesmo com dados limitados, muitos especialistas em câncer estão fazendo um grande esforço para vacinar a maioria dos pacientes com a doença - especialmente aqueles com quadros mais avançados.

"Os benefícios potenciais superam em muito os riscos", disse o doutor Brian Koffman, diretor médico da Sociedade de Leucemia Linfoide Crônica, um grupo que representa pacientes com a forma adulta mais comum de leucemia no mundo ocidental.

“Apesar da falta de dados especificamente em pacientes com LLC (leucemia linfocítica crônica), a vacinação contra SARS-Cov-2 é considerada segura”.

Pacientes com esse tipo de leucemia e que desenvolvem a versão sintomática da Covid-19 têm um risco de 89% de hospitalização, disse Koffman à CNN com base em um estudo publicado na revista Nature.

A LLC é caracterizada por enfraquecer o sistema imunológico do seu portador. A imunossupressão é tão grave que os pacientes com LLC são aconselhados a evitar vacinas com vírus vivo e atenuado, como as contra o sarampo e a febre amarela.

E um sistema imunológico enfraquecido também significa um risco maior de morte no caso de contraírem a Covid-19, de acordo com a doutora Chaitra Ujjani, médica da Seattle Cancer Care Alliance e professora de oncologia da Escola de Medicina da Universidade de Washington.

O estudo da Nature, conduzido pela European Research Initiative on LLC, descobriu que a taxa de mortalidade para pacientes com essa doença e que contraem o coronavírus sintomático é de 31%. "O que as pessoas não percebem é que o sistema imunológico debilitado em pacientes com LLC devido à doença ou a alguns de seus tratamentos pode, realmente, afetar sua resposta à vacinação", disse Ujjani à CNN.

"Recomendamos as vacinas Covid-19 para nossos pacientes, mas não temos certeza de quão eficaz serão". E acrescenta: "pacientes com câncer no sangue são normalmente excluídos dos ensaios clínicos que avaliam a eficácia da vacina".

Testes em andamento
Para remediar a falta de dados, Ujjani está iniciando um estudo envolvendo 500 pacientes com LLC nos Estados Unidos. A programação é vacinar todo o grupo para determinar o tipo de resposta imunológica que terão diante das vacinas que já estão comercialmente disponíveis.

O estudo, que é uma colaboração entre mais de dez instituições médicas, será o primeiro do tipo e pode trazer mais clareza com relação aos efeitos da imunização em pacientes com câncer.

O Seattle Cancer Care Alliance está conduzindo testes semelhantes para outros tipos da doença, incluindo cânceres do sistema imunológico e do sangue, disse Ujjani.

Grupos de pesquisa de outros tipos de câncer mais comuns também estão incentivando os pacientes com a doença a se vacinarem o mais rapidamente possível. A Lung Cancer Action Network, grupo de organizações que combatem e estudam o câncer de pulmão, pediu ao Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização dos Estados Unidos para dar aos pacientes com câncer de pulmão rápido acesso às vacinas.

"Como a Covid-19 é, principalmente, uma condição respiratória, a doença apresenta um desafio singular para os pacientes com câncer de pulmão, que correm um risco extremamente alto de hospitalização e morte", disse o grupo em uma carta.

Necessidade urgente de mais pesquisas
A comunidade científica concorda que mais pesquisas são fundamentais para determinar a eficácia das vacinas contra Covid-19 em pacientes com câncer, e muitos médicos estão trabalhando 24 horas por dia para fazer com que mais testes decolem.

"Precisamos desses dados para que possamos informar melhor os pacientes e distribuir melhor as vacinas. Se esse grupo vulnerável ??dar uma resposta imunológica adequada, certamente devemos vaciná-los o mais cedo possível", afirmou à CNN por e-mail o doutor Elad Sharon, pesquisador sênior do Instituto Nacional do Câncer.

"Mas, se os esforços de pesquisa mostrarem que esses pacientes não dão uma resposta eficiente a essas vacinas, então, o que precisaremos fazer é vacinar todos ao redor desses pacientes primeiro, para que os vulneráveis ??sejam mais protegidos pelas pessoas que convivem e que cuidam deles."

Ujjani acrescentou: "Estamos todos trabalhando muito para responder a essa pergunta, mas é difícil porque temos trabalhado contra o relógio e as vacinas acabaram de ficar disponíveis".

"Muitos de nossos pacientes sofreram isolados e com medo, e não têm certeza se vão voltar a uma vida normal", disse Ujjani à CNN. “Portanto, todo oncologista está interessado em ver como seus pacientes responderão à vacina”.

Fonte: CNN Brasil

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive