top
Pacientes

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Medicina e Fé – as Irmãs Incompreendidas

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/03/2016 - Data de atualização: 03/03/2016




A "briga” é antiga, mas ganhou força especialmente a partir da segunda metade do último século. De um lado, os cientistas, arrimados no conceito de que todos os fenômenos químicos, físicos e psíquicos observados no mundo se resolveriam a partir de fórmulas e experiências, notadamente no campo da medicina. De outro, os grandes profetizadores da fé, que sustentam ideologia diametralmente oposta, de que tudo se explica a partir dos desígnios de Deus, líderes ou energias superiores que se encaixem na nomenclatura extraterrena.

Ah, a medicina... A ela certamente devemos o aumento da nossa expectativa de vida e a esperança no enfrentamento de moléstias e doenças que a cada dia nos apavora mais. Sai pra lá, Zica!! E como não falar da fé, a nossa principal armadura para resistirmos à agressividade dos tratamentos e ao peso dos estigmas que acompanham os diagnósticos mais difíceis.

Mas, por mais esforço que faça, não consigo entender a fé como algo carimbado, necessariamente ligado ao campo extraterreno. A fé pode sim estar revelada no temor a Deus – é o meu caso, mas também se expressa de outras múltiplas formas, como em um líder, um orixá, uma energia, um pé de coelho ou mesmo um sentimento. E porque não na fé na própria medicina? Sim, é uma legítima representação de fé para aquele que crê que terá sua cura revelada pela própria ciência dos homens.

Sabe o que isso significa? Que até mesmo o ateu possui a sua fé, ainda que sua crença seja justamente a descrença no sobrenatural – confesso, já flertei com o ceticismo até entender que fé não é sinônimo de escuridão intelectual. Ou seja, o paciente ateu em dia com sua própria convicção professa sua fé a seu modo, e disso certamente se beneficiará em alguma medida.

Ficou confuso? Tento explicar, ou mais que isso, faço uma proposta. Seja qual for sua  predileção religiosa, e independentemente se você possui alguma, esteja em dia com a SUA fé, a SUA verdade. Se você não sente esse "fervor” brotando da boca do estômago, procure alternativas, não tenha medo de mudar. Não tenha medo de errar. ACREDITE!

O meu testemunho pessoal é de uma experiência muito rica com Deus, e foi alicerçado nesta fé que "atravessei o meu deserto”. Mas para outras pessoas, que professam outros tipos (legítimos) de fé (todos o são), os resultados seriam os mesmos? A resposta, acreditem, vem da ciência dos homens, da mais pura estatística.

Esta é a conclusão de pesquisa científica do psicólogo Harold Koenig recentemente divulgada em matéria intitulada "Medicina de mãos dadas com a fé” pelo Jornal O Globo, que indica que pessoas dotadas de saem com fantásticos 29% de chance maior de cura em relação às pessoas que não possuem essa palavrinha monossílaba tônica como força motriz interna para enfrentamento de um tratamento médico. Vejam que legal a perspectiva trazida pelo médico:


"Não vou deixar a situação definir quem eu sou. Eu vou definir a situação”. É essa força mental que, associada à fé — seja ela de qual religião for — dá, logo de cara, 29% mais chances de sucesso em qualquer tratamento médico, de acordo com pesquisa do psicólogo Harold Koenig, especialista nos efeitos da religiosidade na medicina (...)”

Então que me perdoem aqueles que veem a medicina e a fé em campos opostos. São irmãs, daquelas siamesas, que unidas são capazes de deixar embasbacados até mesmo os mais radicais que tentam impor um (inexistente) precipício entre os dois institutos. Como boas irmãs, muitas vezes brigam ou se veem em condições de aparente conflito, mas no encontro da dosimetria entre a medicina e a fé pode estar a trilha de sucesso para enfrentamento da sua luta, e para encontro da sua VERDADE.

Quando falamos em radicalismo, o mesmo é observado em ambos os lados. Desde as crenças que limitam (ou até proíbem) seus fiéis do acesso a tratamentos médicos, até autoridades médicas que consideram a espiritualidade como um entrave para suas céticas e cartesianas intervenções. Mais uma vez, a conciliação é a palavra chave.  

Essa tendência de se buscar uma maior simbiose entre a Medicina e a Fé já levam mais de 70% das universidades americanas a ter ao menos uma disciplina dedicada a conciliá-las na prática médica. Que nesse ponto a globalização funcione para que os nossos médicos também sejam formados com esses conceitos arraigados. Ganha o paciente, ganha o médico, ganham as famílias. A vida agradece...

Fiquei tergiversando sobre como terminar este artigo, mas encontrei na genialidade das palavras do maior dos cientistas o conforto para poder despedir-me de vocês com sentimento de dever minimamente cumprido, resumindo tudo que falamos em uma única frase: "Quanto mais acredito na Ciência mais acredito em Deus” (Albert Einstein). Boa FÉ a todos e até a próxima!

Até o próximo encontro! 

Gabriel Massote
#salvemaisum #oncoguia


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive