Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Medicamento criado na Unicamp tem eficácia no combate ao câncer de bexiga em casos graves

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/12/2021 - Data de atualização: 03/12/2021


Um medicamento desenvolvido na Unicamp apresentou resultados positivos no combate ao câncer de bexiga em pacientes graves, que já tinham realizado tratamentos convencionais e possuíam indicação para retirada do órgão. Após dois anos de ensaio clínico, em 77,3% dos casos o tumor foi eliminado, enquanto nos demais, o câncer voltou com menor intensidade. Os resultados foram apresentados no Congresso Brasileiro de Oncologia Clínica.

O remédio obteve resultados melhores que o das técnicas atuais, como a raspagem do tumor e aplicação da vacina BCG. A terapia existe desde 1976, mas em pelo menos 50% dos casos há reincidência da doença e muitos pacientes não conseguem completar o tratamento por conta dos efeitos colaterais.

"Muitos desses pacientes não tinham condições clínicas para retirar a bexiga, muitos têm comorbidades que impedem de fazer esse procedimento, além de pacientes que não querem se submeter ao tratamento. Foi nessa perspectiva, nesses critério, que aplicamos o medicamento", explica Wagner José Fávaro, professor do Instituto de Biologia da Unicamp e um dos inventores do OncoTherad.

O câncer de bexiga é mais comum em pacientes com mais de 50 anos (90% dos casos), e em 70% das ocorrências a causa está ligada ao tabagismo.

No ensaio clínico realizado no Hospital Municipal de Paulínia, sob o comando do médico urologista João Carlos Cardoso Alonso, nenhum dos 44 participantes (30 homens e 14 mulheres) morreu ou precisou retirar a bexiga após quase três anos do início das aplicações.

Segundo o médico, os resultados do ensaio clínico abrem caminho para um melhor tratamento e qualidade de vida desses pacientes. Isso porque, ele explica, quando há indicação para retirada da bexiga, o procedimento costuma ter alto índice de mortalidade, e a instalação de uma bolsa coletora, assim como ocorre em casos de colostomia, também mexe com a saúde mental dos pacientes.

Como funciona

O medicamento desenvolvido na Unicamp é um nanofármaco semissintético que funciona como uma imunoterapia, estimula a produção de proteínas de células de defesa do organismo e destrói os tumores.

A administração do OncoTherad nos pacientes ocorreu em diferentes etapas, sendo que nos primeiros três meses ocorrem em intervalos menores, com aplicações semanais dentro da bexiga e também por via intramuscular - o que não é possível no tratamento em vigor.

Nos seis meses seguintes, após o sistema imune ser estimulado, as aplicações passam a ocorrer de 15 em 15 dias. Na reta final, a administração foi mensal, sendo que todos realizam exames a cada três meses para monitorar a evolução da doença.

Durante o teste foram observados alguns efeitos colaterais, como cistite (inflamação na bexiga), ardência ao urinar e dores nas articulações, entre outros, mas em nenhum caso o tratamento precisou ser interrompido. "Foi uma grande diferença para o tratamento padrão", pontua Alonso.

"Os pacientes continuam sendo assistidos. Alguns chegaram ao terceiro ano sem retorno do tumor e estão recebendo alta, mas iremos acompanhá-los", completa o urologista.

Patente nos EUA

O medicamento 100% nacional, desenvolvido pelos professores Wagner José Fávaro e Nelson Duran, do Instituto de Biologia da Unicamp, obteve patente nos Estados Unidos e os inventores já fizeram o depósito na agência europeia.

O OncoTherad é fruto de um trabalho de mais de 13 anos, mas ainda depende de interesse da indústria farmacêutica e pesquisas mais avançadas, em diferentes centros e que atendam critérios das agências regulatórias para chegar ao mercado.

"Um dos gargalos são os testes clínicos em diversos centros, não só no Brasil. Esse é um processo custoso, e a universidade, além de não ter esse investimento, não tem expertise em fazer. Por isso precisamos de interlocutores, de grandes companhias que tenham o know how, e ter a patente depositada mostra a importância do projeto. Porque uma coisa é fazer pesquisa clínica, outra que atenda as exigências do regulador", destaca Fávaro.

Segundo o pesquisador, tais etapas são fundamentais para garantir a segurança da aplicação de qualquer fármaco na população. "A Anvisa é altamente criteriosa e está correta em seguir todos os passos. É uma das mais criteriosas do mundo", pontua o professor da Unicamp.

Fonte: G1



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive