Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Palestrantes falam sobre a experiência da participação no IV Fórum Regional

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015




Dra. Manoela Vasconcelos Valadares
Advogada - Defensoria Pública do Estado de Goiás

O Fórum

A importância é que quando você aglutina pessoas que estão envolvidas direta ou indiretamente com o tema oferece a elas conhecimento maior sobre o que significa e qual a extensão do problema que os pacientes oncológicos estão passando. Para a Defensoria Pública, que está indiretamente ligada, o benefício é que nos coloca a par dos desafios que vão além dos jurídicos. É um conhecimento mais profundo, mais humano e nos convida a entender o tanto que esse grupo de pessoas precisa de ajuda.

A Defensoria Pública
As pessoas estão se utilizando, cada vez mais desse canal. Antes de haver a Defensoria Pública aqui, elas recorriam ao Ministério Público – que hoje vem encaminhando as pessoas até nós. Hoje somos nós que estamos propondo ações para assegurar os direitos das pessoas portadoras de neoplasias malignas.






Dr. Alexandre Meneghini
Médico - Presidente do Hospital Araújo Jorge

Eventos como esse são muito importantes. O diálogo sobre toda a sorte de problemas que enfrentamos na saúde deve acontecer, e o Fórum é um ponto de partida para isso. Para o diálogo. A Secretaria de Estado da Saúde, por exemplo, nos ouviu hoje.

Falta de comunicação entre gestores
A Lei dos 60 dias é muito importante, mas creio que ajudará mais os pacientes de grandes centros que de locais ermos, onde não há acesso a médicos e, com isso, não se consegue diagnósticos com prontidão. Quando o paciente chega até nós, fazemos o possível e impossível para agilizar o início do tratamento; mas o que nos preocupa são justamente aqueles que não chegam. Acho que a questão, e que quis provocar aqui, é que a comunicação entre gestores federal, estadual, municipal e as unidades de alta complexidade não acontece. A gente tem apenas indícios da razão pela qual pacientes entram no hospital com tumores avançados, mas não são os gestores que nos informam. Por isso, o que cobrei do governo dessa vez não foi dinheiro, foi um pouco mais de atitude, de comunicação!
 





Dra. Nilceana Freitas
Radioterapeuta - Sociedade Brasileira de Radioterapia

Sobre o Fórum
Eu acho que o Instituto Oncoguia está de parabéns pela iniciativa, porque os problemas, já sabemos que existem. O que falta é a divulgação, inclusive de ordem pública, daquilo que realmente acontece.

A situação da Radioterapia em Goiás
Então, essa questão da superlotação dos serviços de radioterapia pelo SUS é uma realidade. É difícil pensar em uma realidade em que, para receber o tratamento de radioterapia o paciente muitas vezes tem que se sujeitar a esperar quase dois meses e ir ao hospital de madrugada para ser atendido, pois o mesmo não consegue ter a capacidade para atender em horário comercial por falta de aparelhos. Quando você conta para a sociedade que essa é uma realidade e que, enquanto isso, há entidades privadas que poderiam absorver esses pacientes, mas que isso não acontece simplesmente por entraves políticos, você está chamando-a para ação, está transferindo um conhecimento. Faz as pessoas entenderem, que as sociedades médicas querem agir, mas não podem, pois esbarram em burocracia. Se contássemos com a capacidade instalada de equipamentos que existem, provavelmente esse paciente não precisaria ser atendido de madrugada e entrar em filas de espera para tratar-se. Os pacientes que vêm de fora da cidade ficam totalmente à mercê.

Ampliação dos serviços de Radioterapia






Dr. Eduardo Perez Oliveira
Juiz Estadual - Comitê Executivo de Goiás do Fórum Nacional de Saúde

O Fórum

Câncer é uma doença que não escolhe nível social. Essa democratização desse conhecimento que o Instituto Oncoguia está trazendo para cá, ao meu ver, é muito bem quista. Muito bem recebida aqui em Goiás. A forma de popularizar conhecimento, de popularizar a informação, de ampliar o conhecimento das pessoas sobre os seus direitos é essencial (...). O paciente com câncer está desamparado e precisa de um espaço que concentre os dados, os esforços na busca de garantia de bem estar, seja para a sua sobrevida ou para a manutenção da sua dignidade.

Acesso à justiça
O judiciário muitas vezes é um pouco lento, pelo excesso de ações. Os processos de saúde costumam ter prioridade, ou seja, tão logo chegam são analisados - as vezes não para a sentença, mas para um pedido cautelar, pedido liminar de urgência. O mais importante ao paciente é que esteja bem assessorado. Mesmo que não haja recursos para a contratação de um advogado, há outras formas de acionar a justiça (...) como a defensoria pública e até a OAB que muitas vezes disponibiliza o serviço gratuitamente. Também, muitas ONGs fornecem orientação jurídica. Assim, o paciente será orientado sobre o melhor caminho a seguir para garantir o direito garantido. Enfim, o judiciário, está pronto para ouvir e atender qualquer um que traga a sua reclamação para ser discutida tecnicamente com o Juiz. Além do caminho do Judiciário há o caminho administrativo, que pode ser buscado para diversas questões como a isenção do imposto de renda, isenção tributária diversa, aquisição de produtos sem despesas tributárias e outros.

Químio oral nos planos de saúde
Diria que, em praticamente 100% dos casos, o judiciário tem atendido à questão da quimioterapia oral em ambiente domiciliar por diversas questões, como o bem estar do paciente, diminuição de custo efetivo e de risco ao paciente etc. O judiciário tem entendido como abusivas as causas que impedem o tratamento domiciliar, justamente por considerar que os planos de saúde prevê o tratamento quimioterápico e o medicamento como parte do tratamento. Onde esse medicamento será fornecido, se no hospital ou domicílio, é irrelevante. Mas há uma série de análises a ser feita (se a inclusão vai onerar excessivamente os planos de saúde de forma a afetar outros segurados) com bastante cuidado pelo judiciário.




Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive