top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[MATÉRIA] Modelo ideal de tratamento: Existe?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


O que se discute nos Fóruns do Instituto Oncoguia são os mais diversos determinantes para se enfrentar a epidemia do câncer no contexto brasileiro.

Trata-se de um cenário extremamente complexo, permeado por fatores epidemiológicos, de gestão, de educação, de (sub) investimentos e legais, entre tantos outros.  

Neste ano o Fórum contou com uma importante participação para a discussão sobre infraestrutura. A de um profissional brasileiro que atuou no 'universo do câncer' em um dos países do mundo que trata a oncologia e os pacientes com mais primazia, os Estados Unidos.

Dr. Gilberto Lopes, coordenador do HCor- ONCO e Diretor Científico do Oncoclínicas Brasil, é professor de Oncologia da Universidade John Hopkins (EUA).

Ele apresentou ao público dados que fundamentam as razões pelas quais os Estados Unidos vem reduzindo crescentemente a mortalidade por câncer.

Para ele, a pedra fundamental foi a assinatura, pelo Presidente Nixon, em 1971, da Lei Contra o Câncer (Cancer Act), "que abriu as portas dos investimentos em câncer e permitiu parcerias entre agências do governo, universidades e empresas privadas, para o desenvolvimento de pesquisas".

Embora o câncer seja a segunda causa de mortes naquele país, o oncologista mostrou dados apontando que a mortalidade vem caindo nos últimos anos. Em homens a queda foi de 21% e em mulheres, de 12%.

"Também, hoje 2/3 dos pacientes com câncer vivem mais de 5 anos, enquanto há algumas décadas atrás, apenas 1/2 viviam. Isso diz respeito a investimentos que foram e são feitos".

Por aqui

Sobre o Brasil, o oncologista apontou problemas que conhecemos. Subfinanciamento, disparidades regionais, infraestrutura frágil, dificuldades para a promoção do diagnóstico precoce.

"A medicina brasileira precisa deixar de ser simplista. Veja, nos Estados Unidos, quando um paciente chega ao consultório com tosse, o médico pensa já no pior diagnóstico e parte a investigação de lá. Aqui, o paciente é diagnosticado com gripe! Precisamos ficar no meio termo (...) se a tosse não cessa, tem que ser investigada", aponta.

Sobre o modelo ideal de tratamento do câncer, Dr. Giberto é irrefutável: "Mesmo nos Estados Unidos não existe esse modelo, porque esse modelo não existe!".

O médico explica que neste ideal, o paciente estaria no 'centro', com toda a equipe multidisciplinar em seu entorno, treinada em medicina baseada em evidências, amparada por tecnologia - de forma que tudo isso possa ser financiado. Neste cenário, ainda, estariam os centros de saúde (para a prevenção e controle de doenças) e os centros de tratamento em funcionamento total.

De fato o Brasil precisa concentrar e muito seus esforços na saúde em oncologia para chegar, minimamente, no modelo ideal.  



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive