top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[MATÉRIA] Modelo ideal de tratamento: Existe?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


O que se discute nos Fóruns do Instituto Oncoguia são os mais diversos determinantes para se enfrentar a epidemia do câncer no contexto brasileiro.

Trata-se de um cenário extremamente complexo, permeado por fatores epidemiológicos, de gestão, de educação, de (sub) investimentos e legais, entre tantos outros.  

Neste ano o Fórum contou com uma importante participação para a discussão sobre infraestrutura. A de um profissional brasileiro que atuou no 'universo do câncer' em um dos países do mundo que trata a oncologia e os pacientes com mais primazia, os Estados Unidos.

Dr. Gilberto Lopes, coordenador do HCor- ONCO e Diretor Científico do Oncoclínicas Brasil, é professor de Oncologia da Universidade John Hopkins (EUA).

Ele apresentou ao público dados que fundamentam as razões pelas quais os Estados Unidos vem reduzindo crescentemente a mortalidade por câncer.

Para ele, a pedra fundamental foi a assinatura, pelo Presidente Nixon, em 1971, da Lei Contra o Câncer (Cancer Act), "que abriu as portas dos investimentos em câncer e permitiu parcerias entre agências do governo, universidades e empresas privadas, para o desenvolvimento de pesquisas".

Embora o câncer seja a segunda causa de mortes naquele país, o oncologista mostrou dados apontando que a mortalidade vem caindo nos últimos anos. Em homens a queda foi de 21% e em mulheres, de 12%.

"Também, hoje 2/3 dos pacientes com câncer vivem mais de 5 anos, enquanto há algumas décadas atrás, apenas 1/2 viviam. Isso diz respeito a investimentos que foram e são feitos".

Por aqui

Sobre o Brasil, o oncologista apontou problemas que conhecemos. Subfinanciamento, disparidades regionais, infraestrutura frágil, dificuldades para a promoção do diagnóstico precoce.

"A medicina brasileira precisa deixar de ser simplista. Veja, nos Estados Unidos, quando um paciente chega ao consultório com tosse, o médico pensa já no pior diagnóstico e parte a investigação de lá. Aqui, o paciente é diagnosticado com gripe! Precisamos ficar no meio termo (...) se a tosse não cessa, tem que ser investigada", aponta.

Sobre o modelo ideal de tratamento do câncer, Dr. Giberto é irrefutável: "Mesmo nos Estados Unidos não existe esse modelo, porque esse modelo não existe!".

O médico explica que neste ideal, o paciente estaria no 'centro', com toda a equipe multidisciplinar em seu entorno, treinada em medicina baseada em evidências, amparada por tecnologia - de forma que tudo isso possa ser financiado. Neste cenário, ainda, estariam os centros de saúde (para a prevenção e controle de doenças) e os centros de tratamento em funcionamento total.

De fato o Brasil precisa concentrar e muito seus esforços na saúde em oncologia para chegar, minimamente, no modelo ideal.  



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive