top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[MATÉRIA] Diálogos sobre os direitos dos pacientes

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


Em todos os Fóruns regionais realizados pelo Instituto Oncoguia a mesa de direitos esteve presente. Devido à sua ótima repercussão, foi trazida para o Fórum Nacional. Reservada para o final, fechou a programação com chave de ouro!

Isso porque, é quando profissionais da área e participantes, geralmente pacientes, compartilham informações de seu dia a dia. Os pacientes enquanto requisitores e os profissionais enquanto aqueles que trabalham para salvaguardar os direitos em saúde dos cidadãos brasileiros.

Para o Instituto Oncoguia a mesa é mais que especial, já que o tema representa a 'espinha dorsal', a ânimo do trabalho da entidade: lutar por e garantir que aos brasileiros acometidos pelo câncer tenham seus direitos atendidos.

Como disse o diretor jurídico da ONG, Tiago Farina Matos:

"O Instituto Oncoguia está sempre olhando para o cenário e instrumentando-se para apontar o que o paciente brasileiro está enfrentando. Nossa função é abrir discussão com grupos de interesse, se articular e criar estratégias para causar transformações".

Nesta edição participaram dos debates a Procuradora do Ministério Público Federal, Dra. Adriana Scordamaglia, o Deputado Federal Ruy Carneiro (PSDB-PB), a advogada do IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor) Joana Indjalan, o Defensor Público da União, Ricardo Emilio Pereira Salviano e o diretor científico do Instituto Oncoguia, Tiago Farina Matos.

Cada um dos profissionais relatou como atua a instituição que representa e o que pode fazer aos pacientes oncológico.

Joana explicou que, no IDEC, o setor de planos de saúde é o mais demandado já há 12 anos.

"Os consumidores encontram muitos problemas como o descredenciamento, cobertura, carência etc. O IDEC, além de orientá-los, participa ativamente das discussões da ANS, participa de consultas públicas e ajuíza ações coletivas, entre outras ações", relatou.

Após as apresentações diversos pacientes sentaram-se à mesa para relatar seus casos e sugerir medidas de intervenção aos debatedores.

Uma paciente, reclamando o fato de não ser obrigatória hoje nas faculdades de medicina a matéria oncologia, sugeriu ao deputado que criasse um projeto de lei instituindo a medida.

Ruy agradeceu a sugestão e disse que levaria o tema à discussão na Frente Parlamentar de combate ao câncer.

Em seguida, Matos reiterou:

"Mas, pessoal, não vamos colocar tudo nas mãos do legislativo! Essa mudança tem que ser gerada por cada um de nós, inclusive o Instituto Oncoguia".

Drama pessoal

Rogério Sousa Oliveira é advogado e paciente de mieloma múltiplo.

Parceiro do Instituto Oncoguia e militante incansável da causa do câncer, utiliza-se dos conhecimentos técnicos de sua profissão para buscar seus direitos e os de seus 'amigos de jornada'.

Sousa sensibilizou os debatedores e a plateia ao relatar o problema que ele e muito outros portadores de mieloma estão enfrentando para conseguir o medicamento  lenalidomida, que não é aprovado pela ANVISA e, portanto, apenas pode ser conseguido através de ação judicial.

Rogério contou que conseguiu o medicamento seis meses após entrar com a ação, mas a Secretaria de Estado da Saúde descumpriu a ordem judicial.

"O Juiz aplicou multa, que não adiantou. A multa é de R$1.000,00. Um valor irrisório perto do que o Estado de SP tem e muito, muito pouco se comparado com o medicamento, que custa R$24.000,00", lastimou.

O defensor Salviano mostrou-se inconformado.

"O acesso a justiça não é somente o direito de acionar a justiça, mas sim de ter efetividade com aquilo. De nada adianta uma canetada, uma decisão, se você não vai garantir que ela será cumprida".

O defensor público sugeriu a Rogério que pedisse o sequestro de verbas públicas, medida já tomada pelo paciente. Sousa lembrou que, na ocasião, o juiz determinou que o Secretário de Saúde depositasse o valor de R$100.000,00, referentes a seis meses de tratamento, e a Secretaria negou.

Os debatedores foram unânimes. "Neste caso resta o pedido de prisão ao Secretário de Saúde!".

E Dra. Adriana finalizou:

"Sim. Porém os juízes são inertes enquanto lhes interessa. O que o juiz deveria fazer neste caso? Ser mais proativo".



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive