top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[MATÉRIA] Câncer Colorretal: Quando sou candidato ao rastreamento?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


Março é o Mês de Prevenção do Câncer Colorretal, uma das neoplasias mais incidentes no Brasil.

Para este ano, a estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA) é de 15.070 novos casos em homens e 17.530 em mulheres. Os valores correspondem a 15,44 casos novos a cada 100 mil homens e a 17,24 a cada 100 mil mulheres (Estimativa 2014 - Incidência de Câncer no Brasil).

A alta incidência do câncer colorretal é alarmante. Principalmente se considerarmos que esta é uma das únicas neoplasias possíveis de se fazer prevenção primária, ou seja, de se adotar medidas que visam evitar a doença, removendo seus fatores causais.

O câncer colorretal, como explicou no último Fórum Oncoguia a oncologista, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP), Dra. Rachel Riechelmann, é também um dos tumores em que o diagnóstico precoce tem maior impacto em redução da mortalidade. "Isso porque, o potencial curativo com o rastreamento é de 30% a 80%”, apontou na ocasião.

O Rastreamento


O rastreamento do câncer colorretal se faz a partir da realização de exames.

Os mais comuns são o de sangue oculto nas fezes, a sigmoidoscopia flexível e a colonoscopia.

O mais simples deles é o de sangue oculto nas fezes, porém este apresenta muitos resultados falsos positivos, por exemplo, no caso do paciente ter ingerido carne anteriormente à sua realização. A sigmoidoscopia é um exame minimamente invasivo, que apresenta resultados importantes, mas possibilita a visualização de apenas uma ‘parte’ do intestino (1/3 do órgão).

O exame padrão - O exame padrão, e que você certamente já ouviu falar, é a colonoscopia - que muitos chamam de ‘colono’. A partir deste método pode-se visualizar todo o intestino e, ainda, se retirar pólipos (lesões pré-cancerosas) que por ventura existam no órgão. Dra. Rachel apontou que a colonoscopia reduz em 77% o risco de um câncer colorretal e em 53% a mortalidade pela neoplasia. "Muito poucos exames em oncologia causam essa redução”, exclamou no evento.

Leia mais sobre os exames de rastreamento do câncer colorretal, seus prós e contras.

Mas você sabe em que fase da vida e por quais razões torna-se candidato ao rastreamento do câncer colorretal com a colonoscopia e/ou outros exames indicados pelo médico?

  • Para quem não tem casos deste câncer na família - A oncologista explica que as pessoas que não têm casos de câncer colorretal na família devem iniciar o rastreamento com a colonoscopia e/ou outros exames à partir dos 50 anos. A colonoscopia, neste grupo populacional, deve ser repetida a cada 5 anos.

  • Para quem tem casos na família - Aos indivíduos com casos na família, o rastreamento com a colonoscopia (e/ou outros exames) deve ser iniciado 10 anos antes em que o caso foi diagnosticado. Ou seja, se o tumor no parente foi diagnosticado aos 45 anos, deve-se iniciar o rastreamento aos 35. Tais pacientes devem repetir a colonoscopia a cada um ou dois anos (dependendo do caso).

  • Para quem já teve câncer colorretal - Pessoas já acometidas pela neoplasia, explica Dra. Riechelmann, devem começar a repetir a colonoscopia um ano após o tratamento. A isso se dá o nome de Prevenção Secundária. Se forem encontrados novos pólipos, outras estratégias podem ser consideradas pelo médico.

  • Portadores de Síndrome de Lynch - Portadores desta síndrome (de predisposição genética associada a risco aumentado de câncer de intestino e outros tumores) devem começar o rastreamento muito prematuramente e juntamente à busca por outros tipos de câncer provocados por ela. O rastreamento, neste caso, é bastante específico.

Determinados grupos populacionais, tais como portadores da Doença de Crohn e colite ulcerativa, devem seguir outras estratégias de rastreamento. Saiba mais aqui e converse com seu médico à respeito.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive