Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[MATÉRIA] 46% dos Pacientes não têm Acesso à Radioterapia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/08/2013 - Data de atualização: 13/08/2013


Todos os anos, quase 50% dos pacientes oncológicos de Goiás não conseguem realizar o tratamento radioterápico. Essa alarmante informação foi transmitida pela Dra. Nilceana Freitas, médica radioterapeuta e membro da Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT), durante a segunda mesa de debates do IV Fórum Regional de Discussão de Políticas de Saúde em Oncologia.

Baseando-se em dados do Relatório de Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) à Política Nacional de Atenção Oncológica, publicado em 2011, a médica aclarou que o déficit de aparelhos de radioterapia e o consequente desatendimento aos pacientes acontece em todo o Brasil.

"Há no país 200 serviços de radioterapia, 520 radioterapeutas e 230 aparelhos instalados. Para atender todos os pacientes que necessitam de tal tratamento, precisamos de 350 aparelhos. Isso significa que temos um déficit de 120”. Como consequência, pontua a radioterapeuta, 90 mil pacientes são impedidos de realizar o tratamento todos os anos.

Questionada por integrante da plateia sobre os indivíduos que não conseguem passar pela radioterapia, ela diz em tom de pesar:

"Estes pacientes ficam perdidos no Sistema. Não sabemos o desfecho”.

Tratamento de madrugada - Em Goiás, apenas os municípios de Goiânia e Anápolis oferecem o tratamento de radioterapia pelo Sistema Único de Saúde, e para conseguir atender ao máximo a demanda, conta Nilceana, hospitais são obrigados a atender de madrugada colocando os pacientes em situação de desconforto e de extremo desrespeito.

No Hospital Araújo Jorge – um Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON) - aparelhos de radioterapia mantêm-se em pleno funcionamento, diariamente, até às 2h. "Isso é extremamente alarmante. Além do desgaste sofrido pelos pacientes, há outro problema. Não é ideal que o aparelho fique em funcionamento por tantas horas”, afirma.

Entraves políticos

Enquanto pacientes sofrem sem atendimento, diz a médica, clínicas privadas que poderiam atender a demanda do Sistema Único de Saúde não conseguem o credenciamento junto ao Ministério da Saúde para oferecer o tratamento de radioterapia.

"Se contássemos com a capacidade instalada de equipamentos existentes no Estado provavelmente conseguiríamos atender todos os pacientes do Estado”, diz.

A médica acrescenta que já há alguns anos o Cebrom (Centro Brasileiro de Radioterapia, Oncologia e Mastologia) tenta credenciamento junto ao Ministério da Saúde para atender paciente do SUS. "Mas, em razão de entraves políticos, isso não acontece”.

Investimento em Atenção Básica e Unidade de Ações

Além de ampliação de acesso à radioterapia outros pontos foram sugeridos e debatidos enquanto medidas para evitar a judicialização em saúde. A gerente de Atenção à Saúde da Superintendência de Políticas de Atenção Integral à Saúde (órgão da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás), Marisa Aparecida de Souza, acredita que o principal desafio à gestão da saúde em Goiás é a promoção de melhorias nas unidades básicas de saúde. Ela diz que enquanto o governo tem seus investimentos mais focados na média e alta complexidades, a Atenção Básica está desatendida.

"O governo, infelizmente, não está olhando para a atenção primária, para a promoção e prevenção em saúde. Precisamos investir nas unidades básicas de Saúde, dar condições de trabalho aos nossos médicos”.

Para que haja melhorias, finaliza, é preciso acima de tudo diálogo e ações conjuntas.

"Precisamos estar juntos (governos, prestadores, entidades) para olhar essas pessoas que estão doentes. Se não tiver uma política de governo, não adianta ter a estrutura técnica”.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive