Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Maioria dos doentes oncológicos nunca ouviu falar de mutações genéticas BRCA

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 19/11/2020 - Data de atualização: 19/11/2020


A maioria (70%) dos doentes oncológicos e seus familiares nunca ouviram falar de mutações genéticas BRCA e os que as conhecem não sabem que aumentam o risco de desenvolver cancros como o do pâncreas ou da próstata.

Segundo um estudo desenvolvido no âmbito da campanha “saBeR mais Conta”, que pretende esclarecer a população, sobretudo os doentes oncológicos e familiares, sobre a relação entre estas mutações genéticas e alguns tipos de cancro, apenas 9,8% dos doentes que já ouviram falar nestas alterações as relacionam com o cancro do pâncreas.

"O gene BCRA vem do nome inglês Brest Cancer Gene (gene do cancro da mama), o que leva a muitas interpretações erradas. Este gene não está só ligado ao cancro da mama. A síndrome do cancro da mama e ovário também envolve outros órgãos, nomeadamente próstata e pâncreas, ou melanomas e cancro da mama no homem”, explicou à Lusa Tâmara Milagre, da associação Evita.

A presidente da Evita — Associação de Apoio a Portadores de Alterações dos Genes Relacionados com Cancro Hereditário — sublinhou a importância de se saber que “não é só uma coisa das mulheres”, pois pode afetar também os homens e outros órgãos, além da mama e do ovário. “Estamos a discutir a nível europeu alterar o nome da síndrome, pois o próprio nome desvia da realidade”, disse.

O estudo indica ainda que, dos 30% de doentes que já ouviram falar de mutações genéticas nos genes BRCA, mais de metade (57,4%) não sabem que aumentam o risco de desenvolver alguns tipos de cancro, apenas 9,8% as associa ao cancro do pâncreas e 76% desconhece que estas mutações aumentam o risco de cancro da próstata.

Dos doentes que já ouviram falar das mutações genéticas BRCA, 63,9% não sabe que os familiares do doente com um cancro associado a uma delas podem ter um risco acrescido de desenvolver cancro e 41,8% desconhece que uma vigilância apertada, através de consultas médicas regulares, é também uma medida preventiva.

O estudo foi elaborado no âmbito da campanha “saBeR mais Conta”, que pretende esclarecer a população, sobretudo os doentes oncológicos e os seus familiares, sobre a relação entre as mutações BRCA e alguns tipos de cancro.

Questionada pela Lusa, Tâmara Milagre disse que não ficou surpreendida com o desconhecimento à volta da doença oncológica: “[o conhecimento da população] não é muito elevado e, quando começamos mergulhar na medicina personalizada e de precisão, como é o caso das mutações genéticas germinativas nos genes que supostamente nos devem proteger do cancro, o conhecimento é muito reduzido”. “As pessoas tendem a só querer saber de coisas quando toca a elas próprias”, acrescentou.

Sublinhando a importância de as pessoas conhecerem bem a sua história familiar, a responsável alerta que a idade em que o cancro é diagnosticado pode servir de alerta: “Se uma mulher tem cancro da mama aos 28 anos, por exemplo, isso pode ser uma indicação para aconselhamento genético e para um futuro teste”.

Tâmara aconselha as pessoas a levarem em conta, nesta análise à história familiar, diversos tipos de cancro: “Não é só esta síndrome que está em causa. Há outras alterações genéticas, que dizem respeito ao cancro colon retal e ao do estômago, por exemplo. Há genes já conhecidos de alto risco”.

"E também é preciso dizer que as pessoas precisam de ver o lado materno e o lado paterno. Estas mutações não passam só pelo lado materno”, acrescentou.

Reconhecendo que nem todos os médicos de família têm informação suficiente para fazer esta avaliação e enviar a pessoa para aconselhamento genético, a responsável da Evita adiantou que a associação pode ajudar a encaminhar estas pessoas para os sítios certos e até tem especialistas nesta matéria que com ela colaboram. “É importante as pessoas estarem informadas. Até para saberem que a pessoa pode ter cancro aos 28 e sobreviver até aos 80 ou mais”, frisou.

A campanha “saBeR mais Conta” é uma iniciativa da Careca Power, Evita, Sociedade Portuguesa de Genética Humana, Sociedade Portuguesa de Ginecologia — Secção de ginecologia oncológica, da Sociedade Portuguesa de Oncologia e da Sociedade Portuguesa de Senologia.

Fonte: Observador

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive