Tipo de Tratamento

Medicina Personalizada


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Localização do tumor vs características moleculares do câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/02/2015 - Data de atualização: 26/02/2020


Independente da localização do câncer, a composição molecular fornece mais informações sobre como o tumor pode se comportar e quais tratamentos serão mais eficazes. Em um futuro não muito distante, não vamos mais nos referir ao câncer por sua localização no corpo (como, por exemplo, câncer de mama, câncer colorretal ou câncer de pulmão), mas pela composição molecular distinta do tumor. Muitos médicos já se referem a certos tipos de câncer por suas mutações genéticas, proteínas ou outros biomarcadores presentes na amostra do tumor e não mais pelo órgão do corpo onde a doença se originou. A ciência por trás do perfil molecular ainda está em desenvolvimento, mas sempre que um médico pode associar os biomarcadores de um determinado tumor a um tratamento específico, maior a chance do paciente ter um resultado positivo.

Atenção. Seus genes e seus biomarcadores não são exatamente a mesma coisa

Existem genes que podem ser identificados no DNA de alguns pacientes, podendo mostrar um risco aumentado de desenvolver certos tipos de câncer. Por exemplo, um paciente que herda determinadas mutações no BRCA1 e BRCA2, tem um risco maior de desenvolver câncer de mama, ovário, próstata e outros tipos de câncer.

No entanto, a maioria dos cânceres não é herdado, por isso a maioria das pessoas que são diagnosticadas com câncer não tem nenhum dos genes predisponentes ao câncer.

Seu câncer tem uma versão única do seu DNA que é diferente do DNA de suas células saudáveis. A maioria dos biomarcadores de câncer associados aos tratamentos tem a ver com os genes e a estrutura molecular do seu tumor, e não com seus próprios genes que estão presentes em todas as suas células do corpo.

Saiba mais sobre as dezenas de biomarcadores usados para orientar o tratamento de câncer na tabela abaixo. É importante notar que existem milhares de biomarcadores sem eficácia conhecida ou relevância para o tratamento do câncer. Nessa tabela são apresentados apenas os biomarcadores conhecidos e com significância para o tratamento do câncer.

Biomarcador

Definição

Cânceres associados

Tratamentos associados

TOPO2A

Topoisomerasa IIA, enzima ativa na síntese do DNA e seu reparo

Mama, colorretal, pulmão, ovário

Doxorubicina, epirubicina, doxorubicina liposomal

RE e PR

Receptor de estrógeno e de progesterona,

Mama

Alvo para letrozole, tamoxifeno, fulvestranto, toremifeno, exemestano, anastrozol, goserelina, gonadorelina, leuprolida

PIK3CA

Mutação específica dentro da PI3 (fosfoinositida quinase 3)  estão associados com muitos tipos de câncer

Cérebro, mama,

colorretal, estômago, pulmão, ovário

Resistência ao lapatinib, cetuximabe e panitumumabe; diminuição da resposta ao trastuzumabe, sensibilidade a alpelisibe

MGMT

O-6-metilguanina DNA metiltransferase é um gene que codifica uma enzima de reparo do DNA. A a perda de função da MGMT pode interferir com tratamentos

Cérebro

Falta de resposta a temozolomida

KRAS

Proto-oncogene viral sarcoma 2 rat Kirsten ativo na  sinalização celular na via EGFR, promove a multiplicação e crescimento celular

Colorretal, pulmão, pâncreas

Cetuximabe, erlotinibe, gefitinibe, panitumumab

HER2

Receptor do fator de crescimento epidérmico humano 2, também conhecido como HER2/neu ou ErbB-2, , promove a multiplicação e crescimento celular

Mama, colorretal, estômago, ovário

Lapatinib, trastuzumabe, pertuzumabe, TDM1, antraciclinas

EGFR mutação secundária (T790 M)

Mutação do gene EGFR associado com resistência adquirida para certos tratamentos

Colorretal, cabeça e pescoço, pulmão

Resistência a erlotinibe, gefitinibe

EGFR

Receptor do fator de crescimento epidérmico, também conhecido como ErbB-1 ou HER1, um receptor tirosina quinase ativo na sinalização celular, promove a multiplicação e crescimento celular

Pulmão

Cetuximabe, erlotinibe, gefitinibe, panitumumabe

c-Kit

Receptor de citocina também conhecido como CD117, um proto-oncogene que interage com fatores de crescimento celular, e desempenha um papel na sobrevivência celular, multiplicação e diferenciação celular

Sangue, estômago, pele

Imatinibe, sorafenibe, sunitinib

BRCA1

Câncer de mama 1, um gene supressor de tumor, o BRCA1 ajuda a reparar o DNA ou destrói as células se não puder ser reparado. Sua expressão em muitos tipos de câncer pode indicar uma resposta potencial para certos tipos de terapias

Mama, pulmão, ovário

Cisplatina, Olaparibe, Talazoparibe

ALK

Quinase do linfoma anaplásico, uma enzima que pode formar um gene de fusão oncogênica com EML4

Pulmão, linfoma, sistema nervoso

Crizotinib, alectinibe, pemetrexed

 

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive