Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Linfoma de Hodgkin: entenda o câncer de Caio Ribeiro

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/09/2021 - Data de atualização: 16/09/2021


No início deste mês, o ex-jogador de futebol e comentarista esportivo Caio Ribeiro anunciou nas redes sociais que está com câncer. As plataformas digitais foram tomadas por comoção com a notícia, e o profissional recebeu carinho e mensagens de apoio de colegas de imprensa e dos internautas em geral.

Caio foi diagnosticado com um linfoma de Hodgkin após descobrir um pequeno caroço na região do pescoço. "A boa notícia é que ele tem 95% de (chance de) cura e meu corpo está respondendo muito bem ao tratamento. Já estou na penúltima sessão de quimioterapia, estou forte, com a cabeça boa", disse o comentarista, que tem 46 anos.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o linfoma ou doença de Hodgkin é um tipo de câncer que tem origem no sistema linfático, conjunto de órgãos e tecidos espalhados pelo corpo responsáveis por produzir e amadurecer as células de defesa do organismo. Formado por vasos e gânglios, ele também drena e filtra o excesso de líquido do corpo.

“Os sintomas se manifestam com a presença de linfonodos, que se apresentam como caroços ou ínguas nas regiões do pescoço, axilas e virilha. A alteração costuma ser lenta e indolor. Dependendo de onde o câncer está localizado, o paciente pode ainda ter febre, perda de peso, fraqueza e aumento do volume do abdômen”, explica Lorraine Juri, médica do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV).

De acordo com a especialista, o diagnóstico do linfoma de Hodgkin é feito através de biópsia. A médica explica ainda que a doença surge quando um linfócito (célula de defesa do corpo), mais frequentemente um do tipo B, se transforma em uma célula maligna e se multiplica de maneira descontrolada.

"Essas células malignas começam a produzir clones nos linfonodos e, com o passar do tempo, podem se disseminar para tecidos próximos. Se essas células não forem tratadas, podem atingir outras partes do corpo", completa a especialista.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica o linfoma de Hodgkin em dois grupos: linfoma de Hodgkin clássico e linfoma de Hodgkin de predomínio linfocitário nodular (5% dos casos).

Existe ainda o linfoma não-Hodgkin, mas segundo Lorraine Juri, embora os sintomas sejam semelhantes, eles são diferentes. “A diferença entre eles está na característica das células encontradas no tumor. Somente após a biópsia é possível fazer a diferenciação”, explica.

O Dia Mundial de Conscientização Sobre Linfomas é lembrado todo dia 15 de setembro, e Lorraine Juri reforça a importância do diagnóstico precoce. "Quanto mais cedo a doença for descoberta, maiores as chances de cura. Ao perceber um caroço ou íngua no pescoço, na axila ou na virilha, desconfie. Procure um médico, investigue", disse a médica.

Caio Ribeiro contou que descobriu o câncer bem no início, durante uma sessão de fisioterapia preventiva para o joelho. Segundo ele, a profissional que o acompanha observou que havia um caroço no pescoço dele durante um alongamento. "Fui até o hospital, fiz exames, punções e saiu o diagnóstico: linfoma de Hodgkin".

Segundo Lorraine Juri, a quimioterapia e a radioterapia são as duas principais formas de tratar o linfoma de Hodgkin. O tratamento leva em conta fatores como idade da pessoa, estado clínico geral, tipo e localização do linfoma.

"Os tratamentos mais comuns para os linfomas são as quimioterapias, radioterapias e transplantes de medula, mas o paciente que faz acompanhamento médico rotineiro e tem a detecção rápida, passa por esses processos de forma mais leve e com um percentual elevado de cura", completa o hematologista da Medquimheo, Wesley Lemgruber.

Este tipo de câncer pode ocorrer em qualquer faixa etária, sendo mais comum entre adolescentes e adultos jovens (15 a 29 anos), adultos (30 a 39 anos) e idosos (75 anos ou mais), de acordo com o Inca. Os homens têm maior propensão à doença do que as mulheres. No país, 2.640 novos casos são diagnosticados por ano.

Wesley Lemgruber alerta que fumantes têm 50% a mais de chance de desenvolver um linfoma e destaca importância de deixar esse hábito. Visitar o médico regularmente, realizar exercícios e manter uma alimentação saudável, são atitudes essenciais e que ajudam na prevenção.

"Não há uma forma específica de prevenir um linfoma, mas ter uma rotina saudável pode ajudar a evitar a doença. Além da importância de se atentar aos sintomas, principalmente os que vierem acompanhados de pequenas glândulas, como fortes dores de cabeça, suor excessivo durante a noite, náuseas, vômitos, perda de peso sem motivo aparente, tosse ou dificuldade para respirar", ressalta o hematologista.

Fonte: A Gazeta



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive