Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Lei dos 60 dias entra em vigor: Instituto Oncoguia denuncia ilegalidade da sua regulamentação

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/09/2015 - Data de atualização: 19/11/2015


Hoje, dia 23 de maio de 2013, entra e vigor a tão esperada Lei dos 60 dias (Lei 12.732/12). Focada num gargalo central do câncer no Brasil - o atraso para o início do tratamento, que em alguns lugares do Brasil chega a seis meses - a lei obriga que o tratamento seja iniciado em até 60 dias apos o diagnóstico do câncer obtido via resultado do laudo patológico.

 

Desde o início da semana estão ocorrendo audiências públicas por todo o Brasil, convocadas pelo Ministério Público e pelo Senado Federal, para discutir a importância da Lei e sua aplicabilidade. Sim, um dos grandes desafios é fazê-la sair do papel. Lei não é sinônimo de mágica nem de alquimia, e, infelizmente, a Portaria criada pelo governo para regulamentar a lei traz pontos que a violam.

Segundo a lei, o prazo para início do tratamento começa a fluir a partir do dia em que for assinado o diagnóstico em laudo patológico (ou em prazo menor, de acordo com indicação médica).

Já segundo a Portaria MS/GM 876/13, o prazo para início do tratamento começa a contar da data do registro do diagnóstico no prontuário do paciente.

 

A diferença pode ser significativa, já que, não raras vezes, o laudo patológico demora semanas (ou até meses) para retornar ao serviço de saúde que fará o registro do diagnóstico no prontuário do paciente.

 

Por conta disso, o Instituto Oncoguia apresentou representação ao Ministério Público denunciando a ilegalidade da portaria.

 

Também fizemos os seguintes questionamentos via lei de acesso à informação para o Ministério da Saúde.

 

Sobre a Lei nº 12.732/12, regulamentada pela Portaria MS/GM nº 876, de 16/05/2013, questionamos o seguinte:

 

  • De acordo com a lei (art. 2º), o prazo para início do tratamento começa a fluir a partir do dia em que for assinado o diagnóstico em laudo patológico (ou em prazo menor, de acordo com indicação médica). Já a portaria (art. 3º) diz que o prazo para início do tratamento começa a contar a partir da data do registro do diagnóstico no prontuário do paciente. É de conhecimento público que registro do diagnóstico no prontuário poderá se dar muitos dias a semanas depois da data em que o laudo for assinado pelo patologista. Nesse aspecto, a portaria contraria a lei. Assim, questionamos: Para fins de contagem do início do prazo de 60 dias para realização do primeiro tratamento, o Ministério da Saúde irá considerar a data em que for assinado o laudo patológico (conforme estabelece a lei) ou a data em que o diagnóstico for registrado no prontuário do paciente (conforme diz a portaria, de forma contrária à lei)? Consideramos que se o foco for em prestar o melhor atendimento possível colocando o paciente no centro das ações, a data do laudo (e, portanto do estabelecimento do diagnóstico) é que deveria dar início aos 60 dias.

  • O paciente terá acesso ao seu prontuário no SISCAN a fim de acompanhar e fiscalizar o cumprimento do prazo estabelecido pela lei, bem como ter conhecimento o fluxo (referência e contra referencia) que deverá seguir? Se positivo, favor explicar, passo-a-passo, como o paciente poderá acessar o sistema?

  • Quais serão as penalidades impostas a quem descumprir o prazo de 60 dias para início do tratamento?

  • Quem será punido caso o prazo de 60 dias não venha a ser cumprido? O Gestor (Secretário Municipal ou Estadual de Saúde), o diretor do serviço de saúde (ainda que seja filantrópico conveniado), o médico, o funcionário responsável pela central de regulação, outros?

  • A central de regulação (referência e contrareferencia) irá observar a capacidade de atendimento dos hospitais habilitados para prestar serviços em oncologia (considerando o prazo estabelecido pela Lei), ou simplesmente imputará ao prestador a responsabilidade e o ônus de cumprir (ou não) o prazo?

 

Estamos acompanhando todo esse processo e manteremos vocês informados.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive