Categorias


Quer ficar em contato com o Oncoguia?

Cadastre-se aqui

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis MerckSerono Lilly Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Adium Knight


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Lei do rol da ANS não vem sendo aplicada, segundo a Agência

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 31/01/2023 - Data de atualização: 31/01/2023


Desde outubro de 2022, está sancionada a Lei n° 14.454, que mudou o entendimento sobre as coberturas obrigatórias dos planos de saúde, estabelecendo pré-requisitos para outros tratamentos que também deverão ser cobertos pelas operadoras, mesmo que não constem no rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) - como explicamos aqui. 

Com a nova legislação, os planos de saúde devem cobrir tratamentos que não estejam no rol caso eles cumpram pelo menos um dos seguintes critérios:

1- Seja comprovadamente eficaz, baseado em evidências científicas e plano terapêutico; ou
2- Exista recomendação positiva pela Conitec no SUS para o uso daquela tecnologia; ou
3- Exista recomendação de, no mínimo, um órgão de avaliação de tecnologias em saúde que tenha renome internacional.

Desde a sanção da Lei, a falta de regulamentação sobre o tema faz com que vários pacientes continuem sem conseguir acesso a tratamentos que possuem comprovação científica e reconhecimento por órgãos internacionais de ATS, tendo que recorrer à Justiça. 

Nesse sentido, questionamos via Lei de Acesso à Informação (LAI) a ANS a respeito da aplicação dessa Lei, para que nos ajudem a definir qual a melhor maneira de orientar os pacientes oncológicos a partir do novo cenário definido pela Lei 14.454/22. No pedido, informamos sobre casos concretos de procedimentos que cumprem os requisitos da Lei, com as devidas comprovações, e fizemos dois questionamentos: 

1) Se o paciente se deparar com obstáculos para obter a autorização de cobertura das operadoras para procedimentos supracitados, ele deve procurar a ANS para abrir uma NIP, a fim de ter o suporte da agência para a garantia de acesso a uma tecnologia cuja cobertura é garantida por lei? 

2) Caso a NIP não seja o canal adequado para o contexto, como a ANS irá intervir para garantir o cumprimento da Lei n. 14.454/2022, já que ela detém o papel regulatório do setor?

Nos últimos dias, recebemos a resposta da Agência afirmando, em resumo, que para o caso específico da Lei nº 14.454/2022, ela foi orientada “pela Procuradoria Federal junto a ANS, responsável pela análise jurídica das questões atreladas à Agência, que a ANS não teria competência para fiscalizar/aplicar penalidades a partir dessas situações.

Entendemos que a falta de regulamentação e posicionamento da ANS sobre esse tema faz com que os pacientes não estejam conseguindo efetivar seu direito de acesso ao tratamento, conforme o previsto na Lei em questão. Sem clareza em como seguir, e sem fiscalização quanto à cobertura por parte dos planos de saúde, o que irá e já vem acontecendo é o aumento da judicialização na Saúde Suplementar. 

Nós recorremos no pedido via LAI para que seja enviado o parecer completo da Procuradoria, mencionado na resposta. O prazo para este envio é dia 06/02/23. Para ter acesso ao pedido e sua resposta na íntegra, acesse aqui.

Conteúdo produzido pela equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2023 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive