Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Instituto luta por inclusão de quimio oral no rol de procedimentos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/05/2013 - Data de atualização: 15/05/2013


Em 2021, mais de 80% dos tratamentos oncológicos no Brasil serão ministrados por meio da quimioterapia oral. Atualmente, esse tipo de procedimento é feito em 30% dos casos de câncer. Os dados foram apresentados pelo Instituto Oncoguia, nesta terça-feira (23), durante II Fórum de Discussão de Políticas de Saúde em Oncologia.

A associação sem fins lucrativos Oncoguia, criada e idealizada com o objetivo de ajudar o paciente com câncer, luta para incluir alguns procedimentos terápicos no rol obrigatório dos planos de saúde. São eles: antineoplásticos de uso oral – medicamentos que evitam ou inibem o crescimento e a disseminação de tumores – e a radioterapia de intensidade modulada (IMRT), cuja radiação aos tecidos cancerígenos é mais precisa.

No entanto, a reivindicação tem esbarrado na lei Lei 9656/98 que regulamentou o setor, mas não prevê a cobertura por parte das operadoras de antineoplásicos de uso oral. "O problema da não inclusão da quimio oral não está no impacto financeiro e, sim, na lei”, afirma o diretor da ANS, de Normas e Habilitação das Operadoras, Leandro Tavares.

Segundo o representante da Agência, a questão não vai avançar enquanto houver o impedimento da procuradoria federal.

Já está em trâmite no senado o projeto de lei 352/11, de autoria da senadora Ana Amélia, que objetiva alterar a lei dos planos e seguros de saúde, incluindo, justamente, os antineoplásicos orais entre as coberturas obrigatórias.

Caso o projeto venha a ser aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pela Presidente da República, segundo o Oncoguia, os pacientes com câncer terão assegurado todo o tratamento oncológico, incluindo quimioterapia oral e hormonioterapia realizados em domicílio, procedimentos que hoje costumam ser negados pelos planos de saúde.

Obstáculos

Para que um procedimento seja incorporado ao rol da ANS é preciso passar por uma série de análises como, por exemplo, eficácia, efetividade, infraestrutura nacional, incorporação tecnológica, entre outros.

A capacidade de infraestrutura necessária para um IMRT, por exemplo, foi algo amplamente debatido pelos representantes do setor presentes ao evento. Uma flexibilização das resoluções da ANS por região foi considerada por Tavares. No entanto, questionada pela coordenadora geral de atenção hospitalar do Ministério da Saúde, Ana Paula Cavalcante. "Mas temos que pensar que um paciente que paga caro para ter um plano de saúde em Belém também vai querer a cobertura de um IMRT concedida para os beneficiários de São Paulo por exemplo”, enfatiza.

Para Ana Paula, a inclusão de quimioterapia oral faz parte de uma discussão maior que deve ser feita: o caso da assistência farmacêutica na saúde suplementar.

A judicialização e a sobrecarga do Sistema Único de Saúde foram outros dois aspectos levantados pelo Oncoguia como conseqüência das negativas de planos de saúde. De acordo com a coordenadora Ana Paula, o SUS é universal e deve ter a capacidade de atender a todos, tendo plano ou não. Já a judicialização deve ser vista como um indicador de que as coisas não estão funcionando como deveriam.

Apesar dos inúmeros pontos de vista expostos durante o evento, ficou evidente de que o primeiro passo a ser dado em prol dos pacientes com câncer acontecerá quando a PL 352 for aprovada e, posteriormente, a incorporação pelos planos deve ser feita de forma paulatina e com critérios bem definidos.

Fonte: Saúde Web


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive