Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Informação que faz a diferença

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 05/07/2019 - Data de atualização: 05/07/2019


Katia Regina Galvão Lima, filha de Lourdes Casagrande Galvão, de 77 anos, entrou em contato com a gente no final de maio pelo canal Ligue Câncer (0800 773 1666), pois estava preocupada com a demora no agendamento do tratamento para sua mãe. Lourdes foi diagnosticada com câncer colorretal em dezembro, mas até o momento estava sem perspectiva de iniciar a quimioterapia.

Em dezembro de 2018, Lourdes estava na casa da outra filha, Sueli, em Perus, quando foi à UBS para fazer alguns exames de sangue e foi orientada a procurar um hospital, pois seus resultados estavam muito alterados.

De volta à casa de Kátia, Lourdes foi ao Hospital Pedreira, onde foram solicitados novos exames de sangue, mais completos, quando o clínico geral suspeitou de câncer no reto. Ainda em dezembro, Lourdes foi orientada a procurar um cirurgião para realizar colonoscopia.

Após confirmação do tumor, a cirurgiã achou melhor não fazer cirurgia, pois o reto "estava muito inchado". Então, ela orientou que fosse iniciada quimioterapia no Hospital Mário Covas e depois radioterapia.

Mas e a lei dos 60 dias? 

Enquanto aguardava o agendamento da quimio, Lourdes estava sentindo muitas dores. Então, Kátia comentou com o patrão sobre as dores e sua preocupação com a mãe. Foi quando ele indicou o Oncoguia para ela.

Em sua primeira ligação, Kátia conversou com a nossa especialista de atendimento, Shirlei Guerini, que a explicou sobre a Lei dos 60 dias e orientou sobre os passos que devia tomar para conseguir fazer valer os direitos de sua mãe, como procurar a Ouvidoria do Hospital Mário Covas. Auxiliada pelo seu chefe, que também falou com nossa equipe, foi enviado um e-mail à ouvidoria em 25 de maio.

O Hospital Mário Covas retornou dizendo que a paciente tinha um agendamento no dia 17 de junho e que não conseguiam adiantar. Novamente em contato com o Oncoguia, Shirlei orientou que dessa vez Kátia procurasse a Defensoria Pública, onde foi e levou todos os documentos referentes aos atendimentos da mãe.

No dia 17 de junho, acompanhada das filhas, Lourdes compareceu à consulta com a oncologista que disse que precisaria solicitar novos exames antes de dar seguimento. Kátia argumentou com a médica sobre a Lei dos 60 dias. “Perguntei se ela conhecia a lei, ela disse que sim, mas que não podia falar muito sobre, que eu deveria procurar a assistente social. Eu então disse que já tinha falado até com a diretoria do Hospital e argumentei que o diagnóstico da minha mãe tinha sido em janeiro e já estávamos em junho e ela ainda não tinha iniciado o tratamento, portanto já estava desrespeitando a lei”, conta Kátia. “Nessa hora, a médica saiu da sala dizendo que precisava falar com sua superiora e voltou depois com todos os papéis prontos para que minha mãe começasse a quimioterapia na semana seguinte, indicação para radioterapia e receituário médico. Quando perguntei se não teria mais que fazer os exames, ela disse que não.”

Lourdes começou a quimioterapia no dia 27 de junho. Segundo sua filha, ela passou bem e não teve nenhuma reação ao tratamento. Ela também já foi encaminhada a realizar radioterapia no Hospital das Clínicas.

O poder da informação

“Tem muita gente morrendo porque os médicos não estão com disposição, ou não sei o que está acontecendo com eles. Porque eles sabem o que é certo, mas não fazem. Se eu não tivesse a ajuda do meu patrão, do Oncoguia e da Shirlei para me orientar, eu estaria na mesma até agora, sem tratamento para minha mãe, porque nada que eu fazia estava adiantando”, conclui Kátia.

A filha de Lourdes ainda deixa um recado para quem se encontra na mesma situação. “A gente tem que procurar informação correta com quem sabe sobre o assunto, porque não adianta só querer brigar e falar besteira que não vai resolver”.

E se você está passando por uma situação parecida ou conhece alguém que está enfrentando dificuldades para ter acesso ao tratamento, entre em contato com a gente pelo nosso Ligue Câncer!



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive