Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Informação de qualidade garante mais confiança na busca por direitos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/09/2019 - Data de atualização: 30/09/2019


Sueli Alves dos Santos procurou o Oncoguia em abril de 2019 para pedir uma orientação sobre como conseguir agilizar o agendamento de radioterapia e de quimioterapia para sua mãe, dona Zenaide, de 64 anos, que foi diagnosticada em fevereiro com câncer de vulva pelo hospital da Unicamp, em Campinas.

Com a Lei dos 60 dias há poucos dias de ser descumprida e sem agendamento previsto, a filha da paciente conversou com nossa atendente do canal Ligue Câncer, Vilmena Cruz, que a orientou a procurar a ouvidoria da Unicamp e a Defensoria Pública para fazer com que a lei fosse respeitada.

Três dias após entrar em contato com o nosso programa, mãe e filha foram a uma consulta. Na ocasião, Sueli cobrou da médica o início do tratamento, porém a especialista disse que nada poderia ser feito, pois não havia vaga disponível.

Sueli então solicitou para a médica uma cópia do prontuário da mãe. “Nesse momento a médica saiu da sala e voltou com a radioterapia e com a quimioterapia já agendadas”, conta. Ela conclui deizendo que

Já havia dito para minha mãe que se não houvesse esse agendamento, sairíamos dali direto para a Defensoria Pública. Mas como eu estava bem orientada depois de falar com vocês, essa orientação serviu para me dar segurança ao falar com a médica. Acho que ela percebeu que estávamos bem-informadas e acabou conseguindo agendar os tratamentos.

No dia 9 de abril, cinco dias após a consulta, dona Zenaide passou pela primeira sessão de radioterapia e de quimioterapia.

Importância das consultas de rotina

Antes de ser diagnosticada com câncer de vulva, dona Zenaide apresentou coceiras e alguns caroços. Porém ela não fazia consultas ginecológicas de rotina. “Minha mãe já tem uma certa idade e não fazia exames preventivos regularmente. Além disso, quando os sintomas começaram, ela escondeu de nós, filhos, e só foi contar quando começou a sentir dores mais intensas.”

Ao contar para Sueli sobre os sintomas, dona Zenaide foi levada ao médico e passou por uma tomografia. Inicialmente, o oncologista considerou a realização de cirurgia para tratar o caso, porém o tumor acabou evoluindo e assim o tratamento indicado foi a realização de radioterapia e quimioterapia.

A realização de exames pélvicos de rotina por um ginecologista e observar o próprio corpo são medidas importantes para o diagnóstico de alguns tipos de câncer como o de vulva. Ao notar algo diferente, é importante sempre procurar o médico para exames mais aprofundados que poderão diagnosticar ou descartar a presença de tumor.

E se você, assim como a Sueli, tiver alguma dúvida ou precisar de alguma informação e orientação a respeito de algum caso de câncer, saiba que você não está sozinho! Entre em contato com o Oncoguia pelos nossos canais: Ligue Câncer – 0800 773 1666 ou Fale Conosco.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive