Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Infecção pelo HPV é complexa e pode evoluir para câncer de colo de útero

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/11/2020 - Data de atualização: 25/11/2020


O HPV (Papilomavírus Humano) é um vírus com mais de 150 tipos diferentes, sendo que 12 possuem a capacidade de levar ao câncer de colo e os demais tipos podem causar lesões genitais e na pele.

A infecção pelo HPV é a principal causa de câncer do colo do útero, o segundo câncer mais frequente entre as mulheres e a quarta maior causa de morte por câncer no Brasil.

O HPV geralmente é adquirido através de relações sexuais que podem ser por contato oral-genital, genital-genital, mão-genital. A estimativa é que, no mundo, de 25% a 50% das mulheres e 50% dos homens estão infectados pelo HPV.

A infecção pelo HPV é muito complexa e geralmente não persiste, quando se mantém pode ficar por anos sem se manifestar e até mesmo evoluir para uma alteração no colo do útero que pode, em seguida, regredir espontaneamente, porém em algumas mulheres ele pode evoluir para câncer do colo do útero.

Isso explica a importância do Papanicolau anual, assim essa alteração pode ser diagnosticada mais precocemente e o tratamento feito mais rapidamente possível.

No homem, a maioria das infecções não leva a lesões visíveis e o diagnóstico delas pode ser feito pela peniscopia, exame que faz a visualização do pênis com lente adequada.

Para as mulheres, o Papanicolau tem o objetivo de detectar alterações nas células do colo do útero. O grande causador dessas alterações é o HPV e, muitas vezes, esse tipo de alteração não traz mudanças que possam ser percebidas pela própria pessoa, até que se não for acompanhada poderá evoluir para câncer de colo do útero e diagnosticada em fases mais avançadas.

Hoje o que podemos fazer para diagnóstico é o já conhecido Papanicolau, Colposcopia com biópsia no caso de leão suspeita, captura híbrida e PCR que avaliam diretamente o vírus.

Para prevenção, a vacina é uma das melhores opções para evitar infeções graves causadas pelo HPV. Ela é fornecida no SUS (Sistema Único de Saúde) para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos e pode ser tomada em clínicas em outras idades, mas não trata pessoas que já tenham a infecção pelo HPV.

Até pouco tempo acreditava-se que não existia uma cura para o HPV, apenas tratamento para as lesões. Entretanto, vem se estudando a hipótese de que, para alguns tipos mais frequentes, exista uma cura espontânea, principalmente nas adolescentes.

O que podemos fazer para evitar a progressão da infecção, no caso das verrugas é utilizar medicamentos para sua eliminação, eletrocauterização, laser, cauterização a frio, retirada cirúrgicas, métodos químicos, quimioterápicos e imunoterápicos.

No caso de lesões que afetem o colo, é de extrema importância que a pessoa realize acompanhamento com Papanicolau anual e, dependendo do grau da alteração no colo do útero, parte da lesão pode ser retirada cirurgicamente.

Para muitas mulheres com HPV a gravidez se torna um momento de grande ansiedade, a mudança de imunidade deste período pode levar a um aumento ou surgimento de verrugas genitais. Existe o medo de transmitir para o feto, ponto que ainda não foi bem estabelecido porque a infecção pode ocorrer na gravidez, no parto e no pós-parto. Por este motivo, o parto não precisa ser por cesariana caso não exista nenhuma outra contra-indicação.

O HPV possui muitas formas de contágio e sua infecção é complexa, assusta, mas passado o susto, é sempre importante lembrar que a maioria das pessoas com a infecção vai evoluir bem e sem persistência. Para quem já se infectou, seguir o controle com Papanicolau é a forma mais segura de evitar evoluções graves e para quem puder, a melhor prevenção permanece sendo a vacina.

Fonte: Viva Bem

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive