Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Incidência do câncer ligado ao consumo de fast food aumenta no Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/03/2020 - Data de atualização: 24/03/2020


O consumo de alimentos industrializados e fast food é uma das realidades da vida moderna. Mas o preço para a saúde é alto. Além de obesidade, hipertensão e diabetes, o câncer de cólon e reto é uma das doenças que podem ser desencadeadas a partir de uma alimentação desequilibrada.

No geral, alimentos como hambúrguer, batata frita, salgado frito, bacon e linguiça são ricos em açúcar, sal, gordura e conservantes. Quando são consumidos com muita frequência, em detrimento de frutas, verduras e legumes, aumentam o risco de desenvolver tumor colorretal.

“É comum retirar dos alimentos industrializados substâncias que reduzem seu tempo de validade, como as fibras. Isso pode levar ao aparecimento de doenças, como o câncer colorretal”, explica o radio-oncologista Carlos Rebello, diretor do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV).

“Além de reduzir o consumo de fast food, carne vermelha e produtos industrializados, faz parte de uma boa dieta acrescentar verduras, legumes, frutas e alimentos integrais no cardápio”, completa o médico.

No Março Azul Escuro, mês dedicado à prevenção do câncer colorretal, dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) revelam que a incidência de tumores de cólon e reto aumentou no Brasil: saltou de 36.360 novos casos em 2019 para 38.230 em 2020.

O câncer colorretal se desenvolve no intestino grosso, isto é, no cólon ou em sua porção final, o reto. A prevenção pode ser feita por meio de exames de rastreamento, como a colonoscopia, que tem como objetivo detectar pólipos antes que eles se tornem tumores malignos.

Em geral, a doença causa sintomas apenas em estágios mais avançados, sendo que as principais alterações são: presença de sangue nas fezes, diarreia crônica com pouco volume fecal, constipação e cólicas com inchaço abdominal.

Pessoas acima de 50 anos são mais propensas a desenvolverem a doença. De acordo com Carlos Rebello, fatores hereditários também contam, além de obesidade, tabagismo, sedentarismo e consumo constante de bebidas alcóolicas.

O tratamento é feito com intervenção cirúrgica, quimioterapia e radioterapia, dependendo do estágio e localização do câncer. Segundo Carlos Rebello, a radioterapia é indicada para tumores no canal anal e de reto médio e baixo, podendo ser associada à cirurgia e à quimioterapia.

Fonte: Folha Vitória

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive