Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

INCA lança cartilha contra alimentos ‘milagrosos’ e dietas que ‘curam’ o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/02/2019 - Data de atualização: 25/02/2019


MARCUS BUTT VIA GETTY IMAGES/O posicionamento do INCA alerta também para o risco de seguir dietas restritivas, como a chamada “dieta cetogênica”.

“Suco de graviola cura o câncer”. “Carboidratos alimentam o tumor”. “Carne vermelha agrava o câncer”. A lista de recomendações de terceiros para pacientes que tratam o câncer é extensa ― e, na maioria das vezes, mentirosa. 

Enfrentando um momento difícil e, muitas vezes, com a saúde mental abalada, muitos pacientes e familiares acabam acreditando cegamente nestas e em outras informações falsas compartilhadas aos montes nas redes sociais. O problema se tornou tão grande que o INCA (Instituto Nacional do Câncer) formulou a cartilha “Dietas Restritivas e Alimentos Milagrosos Durante o Tratamento do Câncer: Fique fora dessa!”.

A ideia é desmistificar muitas “fake news” e alertar a população sobre tais “alimentos milagrosos”, sobre os quais não há evidências científicas e que ainda podem atrapalhar o tratamento do paciente. 

Segundo Gabriela Villaça, nutricionista da unidade II do INCA, informações falsas sobre curas milagrosas do câncer sempre circularam. Nos últimos três anos, porém, a nutricionista diz que houve um grande aumento do compartilhamento destas fake news ― o que vem assustando os profissionais da saúde. 

“Pacientes vêm relatando que eles não comiam carboidratos porque eles ‘alimentavam’ o tumor”, disse. “Ao conversarmos com médicos de outros estados, vimos que a desinformação é generalizada no Brasil. Por isso, precisamos nos posicionar.”

A cartilha alerta também para o risco de seguir dietas restritivas, como a chamada “dieta cetogênica”. “Ela restringe carboidratos e isso pode deteriorar a saúde do paciente”, alertou a nutricionista. 

A dieta é procurada por pacientes por causa do mito que diz que carboidratos “alimentam o câncer” e “anulam” os efeitos da quimioterapia. Tais conselhos, no entanto, podem contribuir para a desnutrição do paciente e, consequentemente, atrapalhar o tratamento do tumor. 

“Sabemos que, quanto mais variado o consumo de frutas e grãos, melhor será a saúde de uma pessoa. O estado nutricional adequado está relacionado ao progresso do tratamento. Se o paciente deixa de comer carboidrato, ele pode perder o peso involuntariamente e ficar desnutrido”, alerta a especialista. 

Gabriela conta que há vários casos de pacientes desnutridos que, na esperança de encontrar a cura para sua doença, deixam de comer carboidratos e outras comidas “proibidas” durante o tratamento.

Outro alimento erroneamente considerado vilão do tratamento contra o câncer é a proteína de origem animal: carnes, laticínios e ovos. “Tudo isso [dietas restritivas] deixa de fornecer nutrientes importantes para o organismo”, disse.

Além de deteriorarem o estado nutricional de quem está em tratamento, essas fake news podem afetar a saúde mental do paciente. “Com certeza esse bombardeio de informações causa um estresse emocional”, afirma Gabriela. 

A nutricionista se recorda de um caso de um senhor que, por causa da quimioterapia, só conseguia comer polenta. Ele deixou de comer seu prato favorito porque a filha do paciente achava que carboidrato era ruim para o câncer, o que ocasionou em uma perda excessiva de peso e desnutrição.

“O paciente se culpabiliza por achar que tem uma alimentação errada e culpa o profissional de saúde por não tê-lo alertado”, disse Gabriela. 

Não compartilhe as informações de redes sociais 

Segundo a profissional do INCA, a primeira coisa a fazer é não compartilhar informações das redes sociais. “Sabemos que muita gente faz isso com intenção de melhorar a saúde de quem trata o câncer, mas acaba sendo um desserviço para a população e coloca vidas em risco”, alerta a nutricionista Gabriela. 

Se você tiver uma dúvida sobre um alimento “milagroso” ou dieta que promete “curar” o câncer, também pode procurar o canal Saúde Sem Fake News, criado pelo Ministério da Saúde para combater informações falsas relacionadas à saúde humana.

Pelo número de WhatsApp, qualquer um pode enviar mensagens sobre informações virais, que serão prontamente apuradas pelas áreas técnicas do Ministério e respondidas se são verdade ou mentira. 

O INCA disponibiliza ainda muitas informações sobre o tratamento do câncer e alimentação saudável em seu site. 

Por fim, a nutricionista lembra que alimentos não curam o câncer, mas alguns podem ajudar na prevenção e no tratamento. 

“Já é provado que alimentação saudável, exercícios físicos e estilo de vida saudável são fundamentais para qualquer pessoa, principalmente para quem está em tratamento e sobreviventes do câncer”, conta.

Aqui estão as recomendações: 

Manutenção do peso adequado.
Vida ativa. 
Manter um estilo de vida saudável.
Alimentação baseada em frutas, verduras, legumes e grãos.
Reduzir o consumo de carne vermelha (ideal é cerca de 500 gramas por dia).
Evitar carne processada como linguiça, salsicha e peito de peru.
Não fumar e não beber álcool. 
Evitar carboidratos ultraprocessados como salgadinho, refrigerantes, bolachas e congelados.

Fonte: Huffpost Brasil

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive