Tipos de Câncer

Doença de Castleman

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Imunoterapia para Doença de Castleman

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/06/2014 - Data de atualização: 11/10/2017


A imunoterapia é um tratamento que tem o objetivo de aumentar o sistema imunológico, utilizando anticorpos produzidos pelo paciente ou em laboratório.

Anticorpos Monoclonais

Anticorpos são proteínas produzidas pelo sistema imunológico do corpo para ajudar a combater infecções

  • Siltuximabe

O siltuximabe é um anticorpo monoclonal recentemente aprovado pela agência de regulação americana (FDA), para o tratamento da doença de Castleman multicêntrica. Os pacientes com doença de Castleman multicêntrica têm altos níveis da proteína IL-6. O siltuximabe se liga à IL-6, que mantém a ação da proteína. O medicamento não parece se ligar à IL-6, produzida a partir de vírus, de modo que este medicamento não é utilizado em pacientes com doença de Castleman que estão infectados com HIV ou HHV-8.

Este medicamento é administrado como perfusão intravenosa, geralmente a cada 3 semanas.

Os efeitos colaterais podem incluir coceira, inchaço, ganho de peso, rubor na pele com uma sensação de calor, dor, náusea e problemas cardíacos.

  • Rituximabe

O rituximabe é um anticorpo monoclonal amplamente utilizado para linfomas, que também pode ser útil no tratamento da doença de Castleman. Ele se liga à proteína CD20 que se encontra na superfície de alguns linfócitos, levando as células à morte.

O rituximabe é administrado por perfusão intravenosa, do mesmo modo que para os linfomas, sendo frequentemente usado junto com a quimioterapia.

Os efeitos colaterais do rituximabe são mais comuns durante a infusão, podendo incluir calafrios, febre, náuseas, erupções cutâneas, fadiga e dores de cabeça. Raramente, ocorrem efeitos mais severos, como dificuldade respiratória e diminuição da pressão arterial. Este medicamento também pode aumentar o risco de infecções. Ao contrário da quimioterapia padrão, o rituximabe não provoca diminuição das taxas sanguíneas ou perda de cabelo.

Em pacientes infectados com o vírus da hepatite B, este medicamento pode, às vezes, reativar a infecção. O seu médico pode suspeitar de hepatites e solicitar exames específicos para o diagnóstico  de hepatite B antes de iniciar o tratamento com este medicamento.

Novos anticorpos que atacam outros alvos também estão sendo estudados.

  • Medicamentos Imunomoduladores

Os medicamentos como a talidomida e lenalidomida são usados para tratar determinados tipos de  câncer de células do sistema imunológico, como mieloma múltiplo e alguns tipos de linfoma, sendo útil para alguns pacientes com a doença de Castleman.

Os efeitos colaterais podem incluir sonolência, fadiga, constipação, diminuição das taxas sanguíneas e neuropatia. Existe também um risco aumentado de formação de coágulos sanguíneos. Este tende a ser mais provável com a talidomida.

Esses medicamentos não devem ser administrados em mulheres grávidas.

  • Interferon

O interferon é uma proteína similar ao hormônio produzido pelos glóbulos brancos para combater infecções do sistema imunológico. Alguns pacientes com a doença de Castleman melhoram ao receber tratamento com interferon produzido em laboratórios.

O interferon é administrado por via intravenosa ou subcutânea, por alguns dias ou semanas.

Os efeitos colaterais deste tratamento podem incluir fadiga, febre, calafrios, dores de cabeça, dores musculares e articulares e alterações de humor. Devido a esses efeitos colaterais, esse medicamento não é utilizado com muita frequência. Ele pode ser administrado a alguns pacientes, em adição à quimioterapia.

Fonte: American Cancer Society (23/05/2016)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive