Tipos de Câncer

Câncer de Mama Avançado


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Imunoterapia para Câncer de Mama Avançado

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/09/2014 - Data de atualização: 03/10/2020


A imunoterapia vem sendo usada como tratamento em vários tipos de câncer e podem ser uma opção no câncer de mama avançado. Os imunoterápicos são medicamentos que estimulam o sistema imunológico de uma pessoa a reconhecer e destruir as células cancerosas de forma mais eficaz.

Como funcionam?

O sistema imunológico humano tem a capacidade de impedir que o corpo  ataque as células normais do corpo. Para fazer isso, ele usa “pontos de verificação” - proteínas nas células imunológicas que precisam ser ativadas (ou desativadas) para iniciar uma resposta imunológica. As células do câncer de mama, usam esses pontos de controle para evitar serem atacadas pelo sistema imunológico. Os medicamentos que visam esses pontos de controle são conhecidos como imunoterapia e ajudam a restaurar a resposta imunológica contra as células do câncer de mama.

Medicamentos imunoterápicos

Existem diversos medicamentos imunoterápicos disponíveis no mercado. Alguns exemplos dessa classe de medicamentos são: atezolizumabe, pembrolizumabe e nivolumabe.

O câncer de mama PD-L1-positivo expressa a proteína de morte celular programada 1 (PD-L1), que é encontrada em algumas células tumorais e células imunológicas. Nos tumores de mama avançados do tipo triplo-negativo deve-se testar o status de PD-L1 para verificar se o atezolizumabe pode ser usado, um medicamento que tem como alvo o PD-L1.

O atezolizumabe combinado com o medicamento quimioterápico nab-paclitaxel está aprovado como primeiro tratamento em câncer de mama triplo negativo avançado nas pacientes nos quais o tumor que expressa PD-L1 positivo.

Em comparação com a quimioterapia isolada, o atezolizumabe combinado com nab-paclitaxel pode aumentar o intervalo para a doença se disseminar em pacientes com câncer de mama avançado triplo negativo.

Nas pacientes que não expressam PDL-1 esse tratamento não se mostrou eficaz.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais frequentes do tratamento de atezolizumabe  associado com nabpaclitaxel são: perda de cabelo, dor ou dormência nas mãos ou pés, fadiga, náusea, diarreia, anemia, constipação, dor de cabeça e vômitos e alterações na tireoide.

É importante relatar qualquer sintoma que apresentar rapidamente para o seu médico.

Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Imunoterapia.

Para saber se o medicamento que você está usando está aprovado pela ANVISA acesse nosso conteúdo sobre Medicamentos ANVISA.

Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.

Texto originalmente publicado no site da Susan G. Komen, em 14/08/2020, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive