Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

II Fórum Temático sobre Câncer de Pulmão

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 31/10/2018 - Data de atualização: 31/10/2018


No dia 27 de novembro, aconteceu em São Paulo, o II Fórum Temático Oncoguia sobre Câncer de Pulmão. 

Na primeira parte, o evento teve como foco um workshop especial para jornalistas com quatro pacientes de câncer de pulmão com diferentes perfis. 

Na segunda parte, especialistas debateram os principais desafios enfrentados no Brasil e na América Latina para a prevenção, diagnóstico e tratamento da doença que afeta mais de 1 milhão de pessoas em todo o mundo, além dos desafios enfrentados pelo SUS e pela rede de saúde privada quando o assunto é câncer de pulmão.

Abaixo você acompanha os principais destaques do Fórum, confere o conteúdo de cada palestra e ainda pode assistir ao evento na íntegra.

  • Abertura institucional - Luciana Holtz, fundadora e presidente - Instituto Oncoguia

Luciana Holtz abriu o evento com uma apresentação sobre o cenário do câncer de pulmão no Brasil, doença com mais de 31 mil novos casos no país, e no mundo. Luciana ainda abordou alguns aspectos da pesquisa realizada pelo Oncoguia com pacientes com câncer de pulmão. Confira.

  • Cenário do câncer de pulmão na América Latina - Apresentação do Relatório The Economist (acesse o relatório na íntegra aqui)

Infraestrutura de qualidade, acesso de pacientes à especialistas, treinamento de profissionais da saúde e informação da população. Estes sãos os principais desafios da América Latina na realização do diagnóstico precoce do câncer de pulmão. O levantamento foi apresentados pelo diretor do Economist Intelligence Unit (EIU) para o Brasil, Márcio Zanetti, com base no estudo realizado pelo EIU em 2017. A pesquisa avaliou os sistemas de saúde para atender e tratar pacientes com câncer em 12 países da América Latina, região que apresenta uma média de 70 mil mortes por câncer de pulmão. Outro desafio destacado por Zanetti é a falta de ações para a prevenção do câncer de pulmão com foco em pessoas não-tabagistas. O estudo apontou ainda que entre os principais avanços apresentados por estes países no que se refere ao câncer de pulmão, está o controle do tabagismo. Confira.

Assista a entrevista do palestrante aos nossos parceiros do Oncologia Brasil

  • Combate ao tabagismo no Brasil: Desafios e avanços

Com foco no trabalho de promoção de políticas públicas para o combate ao tabagismo, Mônica Andreis, diretora executiva da Aliança de Controle do Tabagismo (ACT Promoção da Saúde), destacou a importância de medidas preventivas, educativas legislativas e regulatórias conjuntamente para um melhor combate ao tabagismo. Segundo Mônica, o consumo do tabaco gera um custo de 57 bilhões por ano ao País entre gastos diretos e indiretos. Embora o Brasil apresente boas conquistas no combate ao tabagismo, ainda são desafios importantes para o País o aumento na quantidade de produtos com aditivos de aromas e sabores, a exibição dos cigarros em pontos de vendas e a criação de embalagens padronizadas que reduzam a atratividade e o apelo do cigarro. Saiba mais.

  • Cenário do Câncer de Pulmão no Brasil

No Brasil, apenas 8,8% dos pacientes com câncer de pulmão recebem o diagnóstico precoce da doença. Isso se deve em parte à baixa quantidade de tomografias computadorizadas disponíveis principalmente no sistema público de saúde: 4,9 máquinas para cada 1 milhão de habitantes. No setor privado, esse número é de 30,8 equipamentos para cada milhão de pessoas. Os dados foram apresentados pela oncologista e diretora da América Latina na Association for Study on Lung Cancer (IASL), Clarissa Mathias, que também destacou como preocupante a baixa taxa de realização de testes moleculares em pacientes com a doença no País: cerca de 60% dos pacientes testados na saúde privada e cerca de 30% no SUS. Apesar de o Brasil ter uma das melhores políticas antitabagistas do mundo, reduzindo em 50% as mortes relacionadas ao cigarro, ainda há muito que se discutir sobre outros fatores de risco para o câncer de pulmão e uma das preocupações apresentada pela especialista é o retorno do hábito de fumar principalmente entre jovens, que são muito atraídos por cigarros com sabor e cigarros eletrônicos. Acompanhe outros dados.

Clarissa Mathias falou mais sobre esse tema para o Oncologia Brasil. Assista:

 

  • Diagnóstico Precoce do Câncer de pulmão - A realidade no Brasil com mediação de Alfredo Scaff, Consultor médico da Fundação Ary Frauzino para Pesquisa e Controle do Câncer (Fundação do Câncer)

O cenário brasileiro apresenta uma triste realidade para o diagnóstico do câncer de pulmão. Mais de 90% dos diagnósticos são feitos com a doença já em estágio avançado. Isso significa que menos de 3 mil pacientes são passíveis de cirurgia, que ainda é o tratamento com maior chance de cura para a doença. Com a tomografia de baixa dose sendo a melhor forma de detecção precoce, reduzindo a taxa de mortalidade de pacientes com câncer de pulmão, a baixa quantidade de tomógrafos no Brasil contribui para que os diagnósticos sejam tardios, conforme destacou em sua palestra Ricardo Santos, professor da Pós-Graduação Multidisciplinar e pesquisador no Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa (IIEP)

Acompanhe mais informações no vídeo:

Mauro Musa Zamboni, do comitê científico da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), apontou em sua palestra a importância do rastreamento do câncer de pulmão como importante estratégia para reduzir a mortalidade e identificar a doença em fase inicial e assintomática. O especialista apresentou dois estudos que reforçam o papel do rastreamento no diagnóstico precoce e também destacou qual o perfil de pessoas que se beneficiariam deste rastreamento, que inclui pacientes com alto risco para o desenvolvimento do câncer de pulmão. Dentre os desafios enfrentados pelo Brasil para a realização deste rastreamento, constam a falta de equipamentos adequados, o treinamento de especialistas para a realização dos exames e a insuficiência na quantidade de grupos multidisciplinares para o acompanhamento dos pacientes. Saiba mais sobre o rastreamento.
 
Christina Shiang, Médica Patologista do Laboratório de Anatomia Patológica do Hospital Albert Einstein abordou a patologia dos carcinomas de pulmão e a correlação com os exames de imagem. A patologia determina os tipos histológicos do tumor apresentado na biópsia, o que contribui para a determinação do diagnóstico e do melhor procedimento que será adotado para cada paciente. Confira os detalhes.

Alfredo Scaff, Consultor médico da Fundação Ary Frauzino para Pesquisa e Controle do Câncer (Fundação do Câncer), que mediou o debate, ainda destacou que, o tabagismo, principal fator de risco para o câncer de pulmão, não é uma questão simples. Há diferentes fatores que levaram diferentes gerações a fumar e é preciso combater o tabagismo como uma doença, um vício e não apenas como um hábito.

  • Novidades e desafios no tratamento de câncer de pulmão

A imunoterapia é uma forma de tratamento que auxilia na qualidade de vida dos pacientes com câncer de pulmão, além de ajudar no controle da doença por mais tempo. No entanto, o alto custo aos imunoterápicos e a dificuldade de acesso aos pacientes ainda são desafios para os pacientes brasileiros, como destacou a diretora de Integração Oncológica Oncologia D'Or e membro da diretoria do Grupo Brasileiro de Oncologia Torácica (GBOT) e da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), Clarissa Baldoto. Clarissa ainda apontou dados importantes sobre a eficácia da imunoterapia no tratamento do câncer de pulmão. Confira.

Marcelo Cruz, Oncologista do Programa de Desenvolvimento Terapêutico de Hematologia/Oncologia, apontou a importância das terapias alvos para o tratamento de pacientes com câncer de pulmão. Segundo ele, a medicina de precisão garante maior sobrevida de pacientes com a doença livre de progressão, no entanto para que este tratamento ocorra, um dos fatores fundamentais é o maior conhecimento da doença, principalmente com base na identificação de mutações genéticas, o que ainda é um grande desafio no sistema de saúde brasileiro, mesmo que já existam locais que realizem estes testes genéticos por valores relativamente baixos, que variam entre mil e três mil reais. Saiba mais.

Confira a entrevista que o palestrante deu ao Oncologia Brasil:

 

  • Prioridades e desafios dos gestores para combater e tratar o câncer de pulmão

- Desafios do Hospital de Barretos

O tratamento personalizado de pacientes com câncer de pulmão é uma realidade já colocada em prática no Hospital de Barretos. Segundo Pedro De Marchi, coordenador do departamento de oncologia clínica do hospital, a experiência local tem comprovado a melhoria nos resultados dos tratamentos com base nessa personalização do paciente que é cuidado por um grupo multidisciplinar composto por especialistas de diferentes áreas e que busca, conjuntamente, por melhores práticas para cada caso. O oncologista contou em sua palestra como que o Hospital de Barretos conseguiu ser o primeiro a oferecer imunoterapia para pacientes com câncer pelo SUS e ainda contou a experiência do hospital com estudos clínicos. Acompanhe a palestra no vídeo da transmissão online e saiba mais sobre a experiência do hospital.

- Desafios do gestor privado

Manoel Carlos Libano dos Santos, Diretor Técnico do Núcleo de Perícias e médico-legais de São José do Rio Preto e gestor da Unimed São José do Rio Preto apontou que o diagnóstico precoce e a disponibilização de tratamentos para pacientes com câncer de pulmão também é um desafio no sistema de saúde privado. Um dos exemplos citados pelo palestrante é a regência da ANS que é atualizada a cada dois anos, o que acaba atrasando a disponibilização de novidades terapêuticas para pacientes. Outro desafio apontado por Manoel, é como acabar com o desperdício em procedimentos que poderiam ser evitáveis facilitando a sustentabilidade dos planos de saúde. Confira.

- O custo das novas tecnologias

Felipe Roitberg, Titular do Centro de Oncologia Hospital Sírio Libanês e Médico Assistente do ICESP/FMUSP abordou os principais custos das novas tecnologias para o diagnóstico e o tratamento do câncer. Entre 2010 e 2017, os gastos do SUS com serviços oncológicos praticamente dobrou, basicamente destinados a cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Felipe fez uma importante análise sobre o custo efetivo da inserção de novas tecnologias, considerando diferentes fatores em diversas etapas da jornada dos pacientes, e sobre o uso inteligente das verbas. Saiba mais.

Saiu na mídia: confira a cobertura da imprensa sobre o evento.

Câncer de pulmão é o que mais mata na América Latina, diz estudo - Globo News

No Dia de Combate ao Câncer, Hospital de Barretos lança campanha para arrecadar fundos - Globo News

Mulheres têm duas vezes mais chance de ter câncer de pulmão - R7

Fórum Temático discute principais desafios para pacientes - Folha de Boa Vista

Câncer de Pulmão é o que mais mata na América Latina - Folha de Boa Vista

Queimadas podem influenciar na ocorrência de câncer pulmonar - Folha de Boa Vista

Fórum alerta para câncer de pulmão no Brasil  - Folha de Londrina

Com 82% de mortalidade, câncer de pulmão é o que mais mata no Brasil - O Dia

Apesar de campanhas educativas, jovens estão voltando a fumar - O Dia

5% das pessoas com câncer de pulmão não são fumantes - O Povo

 

Confira as fotos do evento abaixo.

II Fórum Temático Oncoguia Sobre Câncer de Pulmão

 

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive