Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

HPV: como prevenir a infecção que pode causar câncer de útero

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/11/2021 - Data de atualização: 30/11/2021


Com o avanço da vacinação em massa contra o coronavírus no Brasil, a atenção com outros tipos de doenças e imunizações voltou à tona. O papilomavírus humano, conhecido popularmente por HPV, está, depois do câncer de mama, no topo das preocupações relacionadas à saúde feminina. Não é à toa: essa é a IST (infecção sexualmente transmissível) que mais afeta as mulheres e, segundo dados do Ministério da Saúde, em algum momento da vida 75% da população feminina sexualmente ativa no país vai entrar em contato com o vírus. É uma informação preocupante, uma vez que o HPV pode provocar câncer de útero.

É válido ressaltar que muitas pessoas - homens também podem contrair o vírus - com HPV não desenvolvem nenhum sintoma, mas ainda assim podem infectar outros indivíduos pelo contato sexual. A principal forma de contágio é pela via sexual, que inclui contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital. Assim sendo, o contágio com o HPV pode ocorrer mesmo na ausência de penetração vaginal ou anal. A transmissão do vírus se dá por contato direto com a pele ou mucosa infectada, mas é bom destacar que também pode haver transmissão durante o parto. Quem apresenta sintomas normalmente percebe verrugas nos órgãos genitais ou na pele circundante, que podem desaparecer por conta própria. 

Vacina contra HPV

A vacinação contra o HPV é indicada antes do início da vida sexual. Por essa razão, a vacina faz parte do calendário do Ministério da Saúde para crianças e adolescentes. A recomendação é que as meninas recebam as duas doses entre 9 e 14 anos e os meninos entre 11 e 14 anos. Se seu filho(a) está nessa faixa etária, basta procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da sua casa. 

Quanto antes o imunizante for aplicado, maior será a chance de se precaver e não desenvolver o tumor quando adulto. De acordo com um estudo inglês publicado pela revista científica The Lancet, as chances de uma pessoa quando recebe a imunização desenvolver qualquer tipo de tumor é bem menor quando comparado com pessoas que não foram vacinadas.

A oncologista Marcela Bonalumi explica que, além de prevenir o câncer de colo de útero,  a imunização contra o HPV combate também o de vulva, de ânus e vagina nas mulheres. No entanto, outras maneiras de prevenção e acompanhamento também são fundamentais. "Combinada à vacinação, a realização do exame de rotina ginecológica Papanicolau dos 25 aos 64 anos de idade é um meio importante para tratar as lesões pré-cancerosas ou agir rapidamente contra o câncer do colo do útero", explica.

Ainda que as mulheres estejam vacinadas é necessário fazer o Papanicolau pelo menos uma vez ao ano, pois a vacina não protege contra todos os tipos oncogênicos de HPV. "A proteção vacinal cobre os papilomavírus humanos dos tipos 6 e 11, que causam verrugas genitais, e 16 e 18, responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero", completa a especialista.

Fontes: Saúde em Dia, Marcela Bonalumi, oncologista do CPO Oncoclínicas, The Lancet, INCA (Instituto Nacional do Câncer) e Ministério da Saúde.

Fonte: Terra



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive