Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Hospital de SP vê queda de quase 50% dos diagnósticos de câncer colorretal

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/02/2021 - Data de atualização: 01/02/2021


Segundo dados apresentados no periódico British Journal ofSurgery, focados em um hospital de São Paulo, os casos diagnosticados de câncer colorretal (intestino grosso e reto) —doença que representa 9% dos tumores malignos no país— reduziram quase pela metade durante a pandemia do coronavírus no Brasil.

O estudo "Impact of COVID-19 on colorectal cancer presentation" é uma análise transversal e observacional, que comparou os novos casos de câncer colorretal admitidos entre 1 de março e 31 de julho de 2020 com o mesmo período de 2019, no A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo —um dos maiores centros de referência em oncologia do país. O número de pacientes diagnosticados caiu de 108 no período referente a 2019 para 58 em 2020, compreendendo uma redução de 46,3%.

Segundo o artigo, como o hospital não suspendeu novas consultas para pacientes com câncer confirmado, a diminuição pode ser explicada pela dificuldade em realizar a colonoscopia.

"Outro fator pode ter sido o medo de ser submetido a investigação hospitalar durante a pandemia, que segue em andamento", afirma Samuel Aguiar Junior, autor principal, membro do Comitê de Cirurgia Minimamente Invasiva da SBCO (Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica) e diretor de Cirurgia Colorretal do A.C.Camargo.

Outra razão para a diminuição de novos diagnósticos de câncer, acreditam os autores, é o colapso dos sistemas de saúde, especialmente na saúde pública. Este efeito pode ser demonstrado indiretamente pela diminuição do encaminhamento de pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) na instituição, de 21% em 2019 para 14% em 2020.

Mais um dado preocupante é o aumento da proporção de pacientes sem cobertura (de 12,4% para 22%). Este subconjunto de pacientes reflete a perda de cobertura de seguro como reflexo da queda na renda familiar e barreiras para acessar o superlotado, porém, universal, sistema público brasileiro.

"É muito comum que os pacientes busquem os hospitais privados para obter acesso ao diagnóstico e tratamento, mas que acabam voltando para o já congestionado SUS, pois não podem pagar o custo integral do tratamento privado", aponta Samuel Aguiar Junior. Este dado é ilustrado pelo aumento na proporção de pacientes privados que fizeram uma ou duas consultas e que não continuaram o tratamento pelo particular (de 18,5% para 28%).

Como consequência de todas essas barreiras, afirmam os autores, houve uma piora do estágio clínico na apresentação, especialmente para tumores localmente avançados. Diagnóstico tardio e, eventualmente, os maus resultados do câncer durante a pandemia, devem ser reconhecidos e tratados pelos provedores de políticas de saúde.

O texto é assinado por uma equipe interdisciplinar de cuidados ao paciente com câncer colorretal, composta por profissionais das áreas de cirurgia oncológica, oncologia clínica, radioterapia e epidemiologia.

O autor principal alerta que a pandemia continuará influenciando os resultados oncológicos, como consequência de apresentação tardia da doença e dificuldade em fornecer investigação diagnóstica e tratamento neste momento em que o país se encontra na segunda onda e os hospitais estão sobrecarregados por conta da necessidade de cuidados com os pacientes com covid-19.

Atenção aos sinais do corpo
Ao analisar os dados apresentados por seus colegas, o cirurgião oncológico e presidente da SBCO, Alexandre Ferreira Oliveira, ressalta a importância de intensificar o diálogo com a sociedade para que as pessoas, respeitando as diretrizes de distanciamento social, se mantenham atentas aos sinais do corpo e prossigam com a rotina de prevenção, diagnóstico e tratamento.

"Serviços de referência estão estruturados para receber os pacientes com um fluxo seguro, reduzindo os riscos de contaminação por covid-19", afirma.

Fonte: Viva Bem

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive