Tipos de Câncer

Câncer de Próstata

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Hormonioterapia para Câncer de Próstata

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/06/2014 - Data de atualização: 25/06/2020


A terapia hormonal, também denominada terapia de privação de andrógeno ou terapia de supressão androgênica, tem o objetivo de reduzir o nível dos hormônios masculinos (andrógenos), no corpo.

Os principais andrógenos são a testosterona e a diidrotestosterona (DHT). A maioria dos andrógenos do corpo são produzidos pelos testículos, mas as glândulas suprarrenais, também produzem uma pequena quantidade. Os andrógenos estimulam as células do câncer de próstata a crescerem. Reduzir os níveis de andrógenos ou impedi-los de atuar nas células cancerígenas da próstata muitas vezes faz com que os tumores diminuam de tamanho ou cresçam mais lentamente por um tempo. No entanto, apenas a hormonioterapia não cura o câncer de próstata.

A terapia hormonal pode ser utilizada em várias situações:

  • Se o paciente não pode realizar cirurgia ou radioterapia, ou se a doença não pode ser curada por estes procedimentos, pois o câncer já se disseminou além da próstata.
  • Se o câncer não foi totalmente retirado ou recidivou após a cirurgia ou radioterapia.
  • Junto com a radioterapia como tratamento inicial, se o paciente tem um alto risco de recidiva após o tratamento, com base na pontuação de Gleason, nível do PSA e/ou desenvolvimento do tumor fora da próstata.
  • Antes da radioterapia para tentar reduzir o tamanho do tumor e tornar o tratamento mais eficaz.

Tipos de terapia hormonal

Existem vários tipos de terapia hormonal para tratar o câncer da próstata:

  • Tratamentos para diminuir os níveis de andrógenos

Orquiectomia (Castração cirúrgica). Consiste na remoção cirúrgica de ambos os testículos. Embora seja um procedimento cirúrgico, seu principal efeito é hormonal. Nesse procedimento são retirados os testículos, onde são produzidos a maioria dos andrógenos (testosterona e DHT). Isso faz com que a maioria dos cânceres de próstata pare de crescer ou encolher por um tempo. Isso é feito como um procedimento ambulatorial. É provavelmente a forma mais barata e simples de hormonioterapia. Mas, diferentemente de outros tratamentos, ela é permanente e muitos homens têm dificuldade em aceitar a remoção de seus testículos. Alguns homens submetidos a essa cirurgia se preocupam com a aparência após o procedimento. Se desejado, testículos artificiais que se parecem muito com os normais podem ser inseridos no escroto.

Agonistas do LHRH (Castração química). Essa terapia consiste da administração de uma droga denominada agonista do receptor do hormônio liberador do hormônio luteinizante, o que leva a uma queda no nível de testosterona. Os análogos do LHRH são injetados ou colocados em pequenos implantes sob a pele. Dependendo do medicamento utilizado, podem ser administrados mensalmente ou anualmente. Os análogos de LHRH disponíveis incluem leuprolide, goserelina, triptorrelina e histrelina.

  • Antagonista da LHRH

Degarelix. É um antagonista da LHRH, que age como os agonistas da LHRH, mas reduz os níveis de testosterona mais rapidamente e não causa a exacerbação do tumor como os agonistas da LHRH. O tratamento com esse medicamento também pode ser considerado uma forma de castração médica. É usado para tratar o câncer de próstata avançado. É administrado como uma injeção sob a pele mensalmente. Os efeitos colaterais mais comuns são problemas no local da aplicação (dor, vermelhidão ou inchaço).

Possíveis efeitos colaterais. Orquiectomia e agonistas e antagonistas do LHRH podem provocar efeitos colaterais semelhantes em função das alterações nos níveis de hormônios. Esses efeitos podem incluir:

  • Diminuição ou ausência da libido.
  • Disfunção erétil (Impotência).
  • Diminuição dos testículos e do pênis.
  • Ondas de calor.
  • Sensibilidade e crescimento do tecido mamário.
  • Osteoporose.
  • Anemia.
  • Diminuição da agilidade mental.
  • Perda de massa muscular.
  • Ganho de peso.
  • Fadiga.
  • Aumento do colesterol.
  • Depressão.

Algumas pesquisas sugeriram que o risco de hipertensão arterial, diabetes, acidentes vasculares cerebrais, infarto e até morte por doença cardíaca é maior em homens tratados com hormonioterapia, embora nem todos os estudos concordem com isso.

Muitos dos efeitos colaterais da hormonioterapia podem ser evitados ou tratados, por exemplo:

  • Ondas de calor podem ser tratadas com determinados antidepressivos ou outros medicamentos.
  • Radioterapia das mamas pode prevenir a hipertrofia, mas não é eficaz quando o aumento já ocorreu.
  • Vários medicamentos estão disponíveis para prevenir e tratar a osteoporose.
  • A depressão pode ser tratada com antidepressivos e/ou psicoterapia.
  • Exercícios ajudam a reduzir os efeitos colaterais, como fadiga, ganho de peso e a perda de massa óssea e muscular.

Existe uma crescente preocupação de que a hormonioterapia no câncer de próstata possa provocar problemas de concentração ou memória. Ainda assim, a terapia hormonal parece levar a problemas de memória em alguns homens. Esses problemas raramente são importantes e, na maioria das vezes, afetam apenas alguns tipos de memória. Mais estudos estão em andamento.

  • Medicamentos para diminuir o nível dos andrógenos das glândulas suprarrenais

Abiraterona. Esse medicamento bloqueia uma enzima (proteína) denominada CYP17, que impede que essas células produzam andrógenos. É utilizado em homens com câncer de próstata avançado de alto risco (pontuação de Gleason alta, disseminação para os ossos ou outros órgãos) e resistente a castração (tumor em ainda está crescendo, apesar dos baixos níveis de testosterona do agonista da LHRH, antagonista da LHRH ou orquiectomia). É administrado por via oral, diariamente. Isso não impede que os testículos produzam testosterona; portanto, homens que não fizeram orquiectomia precisam continuar o tratamento com um agonista ou antagonista da LHRH. Como a abiraterona também reduz o nível de outros hormônios, um corticosteroide precisa ser administrado durante o tratamento, para evitar determinados efeitos colaterais.

Cetoconazol. Utilizado anteriormente no tratamento de infecções fúngicas, bloqueia a produção de determinados hormônios, como os androgênios, de forma similar à abiraterona. É mais frequentemente utilizado no tratamento de homens diagnosticados com câncer de próstata avançado, por permitir a redução dos níveis de testosterona mais rapidamente. Também pode ser administrado quando outras formas de hormonioterapia não estão respondendo. Pacientes tratados com cetoconazol muitas vezes precisam tomar um corticosteroide, para evitar os efeitos colaterais causados ​​pela diminuição do nível do cortisol.

Possíveis efeitos colaterais. A abiraterona pode provocar dor nas articulações ou nos músculos, aumento da pressão arterial, retenção de líquido no corpo, ondas de calor, dor abdominal e diarreia. O cetoconazol pode provocar aumento dos níveis de enzimas hepáticas, náuseas, vômitos, ginecomastia e erupção cutânea.

  • Medicamentos que bloqueiam a função dos andrógenos

Antiandrógenos. Para que a maioria das células do câncer de próstata cresça, os andrógenos precisam se ligar a uma proteína na célula denominada receptor de andrógeno. Os antiandrógenos são medicamentos que se conectam a esses receptores, impedindo que os andrógenos provoquem o crescimento tumoral. Os antiandrógenos também são chamados de antagonistas do receptor de andrógeno. Os medicamentos desse tipo, incluem a flutamida, bicalutamida e nilutamida e são administrados via oral diariamente. O tratamento com antiandrógeno pode ser combinado ao tratamento se a orquiectomia ou um agonista ou antagonista da LHRH não estiver respondendo. Às vezes, um antiandrógeno também é administrado por algumas semanas, quando um agonista da LHRH é administrado inicialmente para evitar o crescimento do tumor. Um antiandrógeno também pode ser combinado com orquiectomia ou um agonista da LHRH como terapia hormonal de primeira linha (bloqueio androgênico combinado). Em alguns homens, se um antiandrógeno não estiver mais respondendo, interromper o antiandrógeno pode fazer com que o tumor pare de crescer por um curto período de tempo (efeito antiandrogênico da abstinência).

Possíveis efeitos colaterais. Os antiandrógenos têm efeitos colaterais similares aos agonistas do LHRH, antagonistas do LHRH e orquiectomia, mas podem ter menos efeitos colaterais sexuais. Quando esses medicamentos são usados ​​isoladamente, o desejo sexual e as ereções geralmente são preservadas. Quando esses medicamentos são administrados em homens em tratamento com agonistas da LHRH, o principal efeito colateral é a diarreia. Também podem ocorrer náuseas, problemas hepáticos e fadiga.

Enzalutamida, apalutamida e darolutamida. Esses medicamentos são novos tipos de antiandrógenos. Eles são administrados por via oral diariamente. Esses medicamentos podem ser úteis em homens cujo tumor não se disseminou, mas não está mais respondendo a outras formas de terapia hormonal (câncer de próstata não metastático resistente à castração). A enzalutamida pode ser usada tanto para câncer metastático, resistente à castração ou sensível à castração; enquanto a apalutamida é geralmente usada para câncer não metastático sensível à castração.

Efeitos colaterais. Podem incluir diarreia, fadiga, erupção cutânea e ondas de calor. Também pode provocar efeitos colaterais no sistema nervoso, incluindo tonturas e, raramente, convulsões. Os homens que tomam esses medicamentos são mais propensos a quedas da própria altura, o que pode provocar eventualmente lesões graves.

  • Outros medicamentos supressores de andrógenos

Estrogênios (Hormônios femininos). Foram a principal alternativa à orquiectomia para homens com câncer de próstata avançado. Mas, devido a seus possíveis efeitos colaterais estão sendo substituídos por outros tipos de hormonioterapia.

Discussão sobre hormonioterapia

Nem todos os médicos concordam sobre o melhor momento para começar ou interromper a hormonioterapia, bem como a melhor maneira de administração. Mais estudos estão em andamento para compreender melhor essa questão.

Tratamento do câncer em fase inicial. Alguns médicos utilizam a hormonioterapia em vez da conduta expectante ou vigilância ativa em homens com câncer de próstata em estágio inicial, que não querem fazer cirurgia ou radioterapia. Alguns estudos não mostraram que estes homens têm uma sobrevida maior comparados àqueles que não receberam qualquer tratamento inicialmente. Em função disso, a hormonioterapia geralmente não é indicada para o câncer de próstata em fase inicial.

Tratamento precoce x tratamento tardio. Para os homens que eventualmente precisem da terapia hormonal, como aqueles cujo PSA aumentou após a cirurgia ou radioterapia ou aqueles com doença avançada assintomáticos, alguns médicos acreditam que a hormonioterapia tem melhores resultados se iniciada o mais precocemente possível, mesmo para aqueles que não apresentam qualquer sintoma. Alguns estudos mostraram que o tratamento hormonal pode abrandar a doença e até aumentar a sobrevida.

Hormonioterapia intermitente x hormonioterapia contínua. A maioria dos tipos de câncer de próstata tratados com hormonioterapia se tornam resistentes ao tratamento ao longo do tempo. Alguns pesquisadores acreditam que a supressão androgênica constante pode não ser necessária, por isso, indicam o tratamento intermitente, acreditando que a pausa na supressão androgênica, também haverá uma pausa nos efeitos colaterais, como diminuição da energia, ondas de calor e problemas sexuais. Numa forma de hormonioterapia intermitente, o tratamento é interrompido quando o PSA cai para um nível muito baixo. Se o nível de PSA começar a subir, os medicamentos são reintroduzidos. Outra forma de terapia intermitente é a terapia hormonal por períodos fixos de tempo, por exemplo, 6 meses seguidos por 6 meses de descanso. No momento, não está claro como essa abordagem pode ser comparada à terapia hormonal contínua. Alguns estudos mostraram que a terapia contínua pode aumentar a sobrevida, mas outros estudos não encontraram essa diferença.

Bloqueio androgênico combinado. Alguns médicos tratam pacientes com privação de andrógenos mais um antiandrógeno. Nem todos os médicos concordam que isso possa ser mais útil do que a privação de andrógenos isolada. A maioria dos médicos não concorda que existam evidências suficientes de que a terapia combinada seja mais eficaz do que apenas um medicamento no tratamento do câncer de próstata metastático.

Bloqueio androgênico triplo. Alguns médicos sugerem realizar a terapia combinada, adicionando um inibidor chamado 5-alfa redutase, finasteride ou dutasteride. No entanto, atualmente, existem poucas evidências sobre os benefícios do bloqueio androgênico triplo.

Castração resistente x hormônio refratário. Esses termos são utilizados para descrever os cânceres de próstata que já não estão respondendo aos hormônios, embora sejam conceitualmente diferentes:

  • Sensível à castração. Significa que o câncer está sendo controlado, mantendo o nível de testosterona tão baixo quanto esperado se os testículos fossem removidos (nível de castração).
  • Castração resistente. Significa que o câncer ainda está evoluindo apesar dos níveis de testosterona estar abaixo do nível esperado.
  • Hormônio refratário. Se refere ao câncer de próstata que não está evoluindo adequadamente com nenhum tratamento hormonal, incluindo novos medicamentos.

Para saber se o medicamento que você está usando está aprovado pela ANVISA acesse nosso conteúdo sobre Medicamentos ANVISA.

Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 18/12/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive