Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

HC da Unicamp realiza cirurgia inédita de remoção de tumor

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/06/2022 - Data de atualização: 22/06/2022


A equipe da Radiologia Intervencionista do Departamento de Radiologia do Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp realizou a remoção de um tumor de fígado por meio da técnica de ablação por micro-ondas. A ablação por micro-ondas é uma técnica com alto potencial no tratamento de pacientes com câncer. A técnica chegou ao Brasil em 2019 e é usada com sucesso em vários hospitais privados, entretanto, essa foi a primeira vez que esse procedimento foi usado num hospital público do interior do Estado de São Paulo.

A técnica foi aplicada no final de março em um paciente de 57 anos natural de Salinas, MG, mas morador da cidade de Americana, SP, e que faz acompanhamento no HC da Unicamp desde 2017. O procedimento durou duas horas. Após a ablação por micro-ondas, de acordo com a equipe médica, o paciente não apresentou queixas significativas e ficou em observação por 24 horas, até ter alta hospitalar.

De acordo com médico radiologista Thiago José Penachim, coordenador do grupo de Radiologia Intervencionista do HC Unicamp e líder da equipe que realizou o procedimento, a ablação por micro-ondas é indicada para alguns tipos de câncer primários ou secundários de fígado, rim, pulmão, adrenais, ossos e musculoadiposas, e é considerada uma excelente opção para o tratamento de lesões de uma forma menos invasiva e mais rápida, sem a necessidade de incisões ou cortes na pele.

“Para alguns tipos de câncer, as técnicas ablativas demonstram resultados semelhantes àqueles obtidos através de cirurgias, com a vantagem do paciente ter rápida recuperação com alta após um dia de internação na maioria dos casos, além de preservar a função dos órgãos nos quais o tumor está alojado. A menor invasividade deste tratamento permite que o procedimento seja repetido, caso necessário, em situações como o ressurgimento de novas lesões ou tumores residuais”, explica Thiago.

Como funciona o procedimento

O procedimento é realizado com o paciente sob anestesia geral ou em alguns casos apenas com sedação consciente. O médico, então, introduz uma agulha, cuja extremidade deve ficar posicionada no interior do tumor. Para a inserção da agulha, utiliza-se de métodos de imagem como ultrassom e tomografia computadorizada que permitem guiar o especialista por meio de imagens em tempo real, com a visualização da posição da agulha e da lesão.

Após confirmação do adequado posicionamento da agulha de maneira precisa no interior da lesão, um gerador é acionado, levando a emissão de micro-ondas na ponta da agulha, que por sua vez provoca a movimentação de moléculas de água, com elevação local da temperatura acima de 70ºC e destruição da lesão pelo calor em poucos minutos, sem a necessidade de removê-lo cirurgicamente.

Apesar das indicações dos procedimentos ablativos serem bastante amplas, nem todos os pacientes com câncer podem se beneficiar da nova técnica, uma vez que condições como o tipo e natureza do tumor, seu tamanho e localização influenciam diretamente na escolha do tipo terapia oncológica, que deve ser individualizado para cada paciente.

“A decisão do melhor tipo de terapia a ser instituído deve ser feita através de discussão multidisciplinar entre diferentes especialidades médicas envolvidas no tratamento – oncologista, cirurgião, radioterapeuta e radiologista intervencionista – e, principalmente, pelo paciente”, ressalta Thiago.

Procedimento não é disponível pelo SUS

Apesar dessa técnica fazer parte dos procedimentos autorizados pela Agência Nacional de Saúde (ANS) do setor privado de saúde, a ablação por micro-ondas ainda não tem regulamentação no Sistema Único de Saúde (SUS). O procedimento realizado no HC da Unicamp só foi possível devido à doação do material pela empresa Angiodynamics. 

Fonte: Band Multi Campinas



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive