top
Pacientes

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

H1N1 e o paciente com câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 05/04/2016 - Data de atualização: 05/04/2016


Cuidado! É a palavra de ordem. Se para uma pessoa com saúde considerada normal contrair o vírus H1N1 Influenza A já é extremamente perigoso, com altos índices de mortalidade se considerada a relação diagnóstico/óbito, o mesmo vírus, caso venha a ser contraído por quem enfrenta o câncer, potencializa (e muito!) os riscos de evolução para um quadro grave e maior risco de pior cenário.

Não, não estou aqui para alimentar estigmas ou profetizar pessimismo. Muito pelo contrário. Até porque como paciente já enfrentei com galhardia 2 diagnósticos de H1N1. Tem gente até dizendo que se contrair por uma vez mais, pedirei música no Fantástico! No meu caso, se passar um vírus lá no Rio Amazonas, e se ele tiver que pegar alguém, estarei no topo da lista! Rsrs

Bom, tentando adivinhar a sua pergunta, a resposta é sim! É possível contrair H1N1 por mais de uma vez, pois o vírus passa por um processo de mutação, e as nossas células que deveriam estar prontas para não mais desenvolver o vírus, são surpreendidas pelas mudanças em seu código genético, que passa a não ser mais combatido por nosso sistema imunológico. E esse novo vírus ano 2015 modelo 2016 parece ser, inclusive, mais perigoso do que aquele do grande surto de 2009, quando lideramos os casos da doença no mundo. Esse ano veio até fora de hora, antes do inverno.

Também poderá estar se perguntando: por que quem tem câncer corre mais riscos? Fácil essa, não? Em razão de sua imunidade deficitária, que possui contagem de células de defesa inferior a de uma pessoa normal, e que, por isso, se torna alvo fácil não só de vírus como o H1N1, mas de bactérias, fungos e outras patologias.
Bom, já passamos pelo susto, agora vamos trabalhar com as soluções disponíveis.

Hoje o nosso foco vai para os que enfrentam o câncer e demais pacientes hematológicos, mas os cuidados são os mesmos para todos aqueles que estão em grupos considerados de maior risco para desenvolvimento da doença (gestantes, idosos, obesos e outros com problemas respiratórios). Vamos primeiramente aos sintomas:

  • Febre alta
  • Tosse
  • Dor de cabeça
  • Dores musculares
  • Falta de ar
  • Espirros
  • Dor na garganta
  • Fraqueza
  • Coriza
  • Congestão nasal
  • Náuseas e vômitos
  • Diarréia

Tive a maioria deles. A febre, assim como o Rio, era de 40 graus. Como diria o poeta em seu novo hit filosofal, "Tá quente, tá quente” (TELÓ, Michel). Para evitar a visita indesejada do vírus (um dos poucos que não podemos culpar o Sr. Aedes ou mesmo o Lula), existem medidas simples que devemos tomar. Peço, desde já, que leiam esse post na linha de que façam o que eu digo, e não façam o que faço:

  • Evite contato com pessoas infectadas;
  • Lave sempre as mãos com e não leve as mãos ao rosto e à boca;
  • Mantenha hábitos saudáveis. Coma verduras e frutas. Beba bastante água;
  • Não compartilhe utensílios de uso pessoal, como toalhas, copos e talheres;
  • Se achar necessário, utilize uma máscara para proteger-se de gotículas infectadas que possam estar no ar. Para o paciente com câncer, isso é uma regra muito importante.
  • Evite frequentar locais fechados ou com muitas pessoas

Falo isso principalmente pela mania de coçar os olhos, que já me rendeu H1N1 e Herpes Zóster no olho esquerdo. Também me serviu a carapuça ao ler outras recomendações. Sim, sou o cara de pau que sabe o que tem que ser feito, mas que volta e meia se pega afrouxando a vigilância. Não faça isso!

Mas não acabou. A consolidação da prevenção se dá, na maioria dos casos, com a vacinação. Quer então se livrar dessas más "Influenzas”, não deixe de se vacinar, especialmente se você está nos grupos de maior risco para contrair a doença. Em qualquer caso, procure o seu médico antes de receber a dose, pois em algumas situações a vacina pode não ser recomendada se a imunidade estiver em nível muito baixo.

A vacina já está disponível na rede particular, e a campanha nacional programada para 30 de abril (em razão do surto, São Paulo já começou). Abra os olhos, ao invés de coçá-los! Lembrando: como o vírus muda de um ano para o outro, você só terá essa proteção caso se imunize todos os anos, pois a vacina acompanha essas mutações do vírus.

Não é só isso. Não esquecer que o vírus Influenza A H1N1 deixa o nosso organismo muito fraco, o que se torna uma porta de entrada para infecções e doenças ainda mais graves, principalmente respiratórias (pneumonites, pneumonias, insuficiência respiratória, embolia pulmonar, etc).

O tratamento é feito com um antiviral comercialmente chamado de Tamiflu, já fornecido pelo SUS, além de analgésicos. Todo cuidado é pouco!

E aí, vamos aproveitar o embalo da luta contra o Aedes Aegypti, e também declarar guerra ao H1N1? Se não sabe muito bem o que fazer, comece protegendo a você mesmo e à sua família com muitas lavagens diárias das mãos, evitar contato com pessoas diagnosticadas com o vírus, evitar coçar os olhos ou levar as mãos à boca e, sobretudo, VACINAÇÃO!

E você que tem câncer e outras doenças hematológicas que derrubam a imunidade, não abrir mão da máscara! É simples. Para dirigir o carro e voar de avião, precisamos do cinto, para pilotar motos, do capacete. E para enfrentar o câncer, a máscara é o nosso EPI (Equipamento de Proteção Individual) mais eficaz. Tenha orgulho dela. Isso eu posso dizer que sempre tive!

 

União #salvemaisum e #oncoguia, por um mundo melhor! Obrigado a todos e até as próximas novidades.
Gabriel Massote



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive