Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Grande maioria dos pacientes com câncer do SUS em Minas Gerais já descobre a doença em fase avançada

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/06/2019 - Data de atualização: 24/06/2019


No dia 13 de junho, o Instituto Oncoguia realizou o primeiro Fórum Sudeste de Políticas de Saúde em Oncologia na cidade de Belo Horizonte. O evento reuniu cerca de 100 pessoas e 12 palestrantes e debatedores entre especialistas em oncologia, gestores públicos  e organizações de classe para discutirem os principais problemas enfrentados por pacientes com câncer que dependem do SUS e da saúde suplementar. A dificuldade de acesso ao diagnóstico precoce se destacou entre os  principais problemas apontados por praticamente todos os palestrantes.

"Hoje garantir o diagnóstico precoce de um câncer é sabidamente relacionado a maiores chances de cura e melhores resultados dos tratamentos. E para que isso aconteça, as fases iniciais de descoberta da doença precisam ser primordialmente rápidas: a realização de exames, o acesso ao especialista e o início do tratamento", pondera Luciana Holtz, , presidente e fundadora do Instituto Oncoguia, ONG organizadora do Fórum Sudeste de Políticas de Saúde. 
 
O Presidente da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), Clóvis Klock, ressaltou o problema no acesso a anatomia patológica e à biópsia, etapas fundamentais  para o diagnóstico do câncer, dados também comprovados pela sindicância do TCU (Tribunal de Contas da União). “A biópsia para ser de qualidade precisa respeitar processos: o material coletado precisa ser fixado em formol 10% em frasco tamponado e enviado ao laboratório de patologia em no máximo 72 horas. Mas temos uma grande defasagem de patologistas e laboratórios de patologia em muitas cidades do Brasil, principalmente no interior, e assim, o que vemos são materiais que precisam viajar para outras cidades e até estados e que demoram meses e às vezes até anos para serem examinados”, comenta Klock.

Geovani Ferreira Guimarães, 2º vice-presidente regional do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS) e Hermógenes Vanelli, Vice-Presidente do Conselho de Secretários Municipais da Saúde de Minas Gerais (COSEMS-MG), gestores ligados à atenção primária e secundária da saúde, mencionaram o desafio do financiamento. A falta de profissionais capacitados, as filas de espera e cotas de exames também foram citados por outros especialistas como responsáveis pelo desafio do acesso ao diagnóstico precoce. “Existe muito equívoco na distribuição de equipamento e de verbas advindas de emendas impositivas que nem sempre correspondem às reais necessidades dos municípios”, apontou Hermógenes Vanelli. 

Sérgio Dias Henriques, Diretor Administrativo do Hospital do Câncer de Muriaé, destacou o quanto a dificuldade de acesso ao diagnóstico prejudica o tratamento. “Hoje, a maioria dos nossos pacientes chega para receber cuidados paliativos.” Sérgio apresentou dados do registro hospitalar da sua instituição que mostram a realidade dos casos avançados. "Todos os dados a seguir representam pacientes que já foram diagnosticados nas fases 3 ou 4 da doença: 82% dos casos de câncer de pulmão e 52% dos casos de câncer colorretal, por exemplo".  
 
O cenário se confirma também pelos dados apresentados pelo responsável técnico pela Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia de Poços de Caldas (UNACON MG), Tobias Engel. “Em 2016, 45,9% dos pacientes oncológicos recebiam o diagnóstico já em estágios avançados, três e quatro, segundo dados do Datasus. Se considerarmos tipos específicos de câncer, como pulmão e próstata, esses números sobem para 82,6% e 55,4% respectivamente.”
 
E como melhorar este cenário? “Faltam planejamentos e definição de prioridades no universo do câncer. Ao promover esses debates regionais e locais ficam ainda mais evidentes a urgente necessidade de educarmos a população com informação de qualidade, intensificarmos a promoção e prevenção, adotarmos planejamentos estratégicos baseados em evidências reais ou seja, conhecer os dados e focar nos problemas  enfrentados pelos pacientes”, conclui Luciana Holtz.

O canal Ligue Câncer do Oncoguia realizou 340 atendimentos procedentes de Minas Gerais nos últimos três anos. Destes, 27% eram pacientes de câncer de mama, 11% de próstata e 6,7% de colorretal. Os principais temas abordados nas ligações foram: 51,3% dúvidas sobre direitos sociais, 11,4% conhecer o Oncoguia , 5,3% dúvidas referentes ao tratamento , 3,6% dificuldades para realizar exames e 3,3 % dificuldades de acesso a imunoterapia . Em direitos sociais, 16% dos atendimentos foram sobre isenção de impostos, 10% sobre isenção de IPTU, 9,3% sobre auxílio doença, 8,9% dúvidas sobre o SUS, 8,9% sobre isenção de imposto de renda e 7,5% dúvidas sobre transporte coletivo urbano para pacientes. 

Para conferir o que mais rolou no fórum, acesse oncoguia.org.br 
 
Informações para imprensa
Francine Estevão – francineestevao@oncoguia.org.br
Natália Gonzales – nataliagonzales@oncoguia.org.br
Telefone: (11) 5171-7950 / (11) 98790-0241



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive