Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Governo diz que acesso a remédios para câncer e diabetes segue normal

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/07/2019 - Data de atualização: 18/07/2019



O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Denizar Vianna, garantiu que a suspensão dos 19 remédios não afetará a população atendida. Em entrevista à emissora GloboNews, nesta quarta-feira 17, Vianna afirmou que o governo faz as aquisições destes medicamentos por outras vias, por isso, a distribuição continua normal.

Na última terça-feira 16, o Ministério da Saúde havia suspendido contratos para fabricar 19 remédios para quem sofre de câncer, diabetes e transplantados. A ação gerou incertezas a pacientes que são tratados gratuitamente por medicamentos no Sistema Público de Saúde (SUS), porém, o secretário afirma que não haverá interrupção. O que houve, na verdade, foi uma reavaliação dos processos. Segundo Vianna, boa parte destas parcerias nem forneciam remédios ainda.

“O Ministério da Saúde tomou uma decisão que faz parte do processo natural, que é uma reavaliação dessas parcerias. Vamos reavaliá-las conforme a necessidade de produção. A maioria dessas parcerias ainda não estão fornecendo medicamentos. O Ministério da Saúde já adquire esses medicamentos por outras vias, dentro da lei”, declarou. “Esses pacientes continuarão tendo acesso a esses medicamentos, sem nenhuma descontinuidade no tratamento.”

O secretário citou o pregão como uma das vias possíveis para aquisição dos remédios. Segundo Vianna, estas parcerias suspensas preveem a transferência de tecnologia de medicamentos para o Brasil, e uma etapa específica deste processo está sendo readequada, para atender demandas de órgãos de controle. Ele chamou de “ruído de comunicação” a suspeita sobre o cancelamento da distribuição de remédios aos pacientes e salientou que o acesso permanecerá regular.

Fonte: Carta Capital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive