Dor Oncológica

Controle da Dor Oncológica


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Gerenciando a dor oncológica em casa

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/06/2015 - Data de atualização: 18/03/2020


Cada paciente precisa de um esquema individual de controle da dor oncológica e esse esquema precisa ser útil tanto para ele como para seus familiares.

Quando os pacientes dizem que estão com dor, geralmente significa que têm algum ponto de dor física em seu corpo. Mas também pode significar que simplesmente não se sentem confortáveis. Eles podem estar se sentindo mal em geral e não em algum local específico. A dor pode piorar se o paciente estiver triste, ansioso ou deprimido. Alguns pacientes têm dificuldade em expressar sua dor. É importante informar ao paciente para que fale sobre sua dor e descreva-a da melhor maneira possível.

Mesmo a dor severa pode ser bem controlada com combinações de medicamentos administrados por via oral. Os medicamentos contra a dor respondem melhor se forem tomados regularmente, antes que a dor aumente de intensidade. Se a causa da dor é, também, tratada com outras opções terapêuticas, a necessidade de medicamentos diminui ou desaparecerá lentamente a medida que a causa é tratada.

Se você apresenta dores devido à disseminação da doença ou outras dores com muita duração, isso pode esgotá-lo física e mentalmente. Pode impedir que você realize suas atividades rotineiras. Embora a dor oncológica nem sempre possa ser totalmente aliviada, existem maneiras de torná-la menos severa e permitir que você execute a maioria de suas atividades do dia a dia.

Não se surpreenda se você precisar de mais de 2 medicamentos para controlar sua dor. Sempre relate ao seu médico a intensidade da sua dor e como ela está sendo controlada para que os medicamentos e doses possam ser ajustados conforme necessário.

O que procurar:

  • Dor que não desaparece ou vai e volta antes da próxima dose do medicamento, isso pode significar que o esquema do medicamento precisa ser ajustado.
  • Problemas para dormir.
  • Falta de interesse nas coisas que você antes apreciava.
  • Novas áreas de dor ou uma alteração na intensidade da dor.
  • Perda da capacidade em se movimentar ou fazer as atividades do dia a dia.

O que o paciente com câncer pode fazer:

  • Conversar com ser médico sobre a sua dor: falar sobre a localização da dor, quando começou, quanto tempo dura, a intensidade, o que a melhora, o que a piora e como isso afeta sua rotina.
  • Informar o médico, se os analgésicos prescritos não fizerem o efeito esperado.
  • Classificar a dor usando a escala de classificação de dor, por exemplo: 0 = sem dor e 10 = dor severa.
  • Tomar seu medicamento contra a dor conforme prescrição.
  • Conforme a dor for aliviada com os medicamentos, aumentar o nível de atividades diárias.
  • Não esperar até que a dor se torne intensa para tomar o medicamento contra dor.
  • Evite interromper repentinamente qualquer medicamento contra a dor. A dose dos medicamentos para dor devem ser reduzidos lentamente à medida que a dor diminui. Pergunte ao seu médico antes sobre essa possibilidade e nunca aumente ou deixe de tomar seus medicamentos por conta própria.
  • Alguns pacientes sentem náuseas mesmo quando estão tomando a dose certa do medicamento contra a dor. Se o seu medicamento provocar qualquer desconforto, informe seu médico.
  • Alguns medicamentos contra dor provocam sonolência ou tonturas. Isso geralmente melhora após alguns dias de uso. Não se recomenda dirigir, trabalhar com máquinas ou fazer atividades bruscas até ter certeza que esses efeitos cessaram, devido ao perigo para si e para os outros que isso representa.
  • Se observar qualquer outro efeito colateral, informe, imediatamente, seu médico.
  • Não amasse ou quebre seus medicamentos, a menos que seja orientado pelo seu médico.
  • Se os medicamentos prescritos não estiverem controlando sua dor, informe imediatamente seu médico. Se você continuar apresentando os mesmos sintomas apesar dos medicamentos, solicite a indicação de especialista em dor.
  • Mantenha pelo menos um suprimento de uma semana de medicamentos contra a dor disponível e de fácil acesso. A maioria desses medicamentos, geralmente, precisa de receita para serem comprados e outros são medicamentos controlados que necessitam prescrição e receitas especiais.

O que os cuidadores podem fazer:

  • Observar o paciente quanto aos sinais de dor. Perguntar ao paciente sobre sua dor se notar caretas, gemidos, tensão ou relutância em se mover de uma determinada posição ou na cama.
  • Tentar dar um banho quente ou colocar panos quentes nas áreas doloridas. Se isso não ajudar, tentar utilizar compressas frias ou geladas. Massagem ou pressão suave também podem ajudar em alguns tipos de dor.
  • Verificar se há confusão e tontura, principalmente após iniciar um novo medicamento ou alterar a dose. Ajude o paciente a andar até saber que ele pode fazer isso sozinho e com segurança.
  • Sugira atividades agradáveis ​​para distrair o paciente.
  • Planeje atividades para quando o paciente estiver se sentindo mais confortável e acordado.
  • Oferecer bastante líquido e alimentos com fibras.
  • Se o paciente esquecer, ajude-o a lembrar de tomar os medicamentos contra a dor nos horários prescritos para evitar a sobre-dosagem ou sub-dosagem.
  • Lembrar o paciente de tomar os medicamentos prescritos para prevenir a constipação.
  • Se o paciente tiver problemas para ingerir os comprimidos, converse com o médico sobre a opção de medicamentos em outras formas de administração, como líquidos, pastilhas, supositórios, adesivos ou injetáveis.
  • Verificar com o médico a possibilidade de amassar ou dissolver os analgésicos para facilitar a ingestão. Alguns comprimidos podem provocar efeitos colaterais digestivos importantes  e ainda overdose se quebrados.
  • Conversar com o médico para saber quais medicamentos são indicados para dor e como cada um deve ser administrado.
  • Verificar se o paciente tem uma lista completa de todos os medicamentos que está tomando, incluindo os medicamentos contra dor.
  • Se ajudar o paciente a usar os adesivos contra a dor, certifique-se que sabe como evitar retirar a peça com o medicamento acidentalmente e como descartar com segurança os adesivos usados.
  • Manter os medicamentos contra a dor longe de outras pessoas, especialmente crianças e animais de estimação.
  • Quando estiver cuidando de alguém com dor, planeje um tempo para suas próprias atividades e se cuide. O cuidador que não se cuida, não cuida de ninguém.

Ligar para a equipe médica se o paciente:

  • Apresentar uma dor nova em outro local ou piorar a antiga.
  • Não conseguir tomar nada por via oral, incluindo os medicamentos contra a dor.
  • Não obtém alívio da dor ou se o alívio não durar o tempo suficiente.
  • Tem problemas para acordar ou se você tiver problemas para mantê-lo acordado.
  • O paciente está constipado, enjoado ou confuso.
  • Tem alguma dúvida sobre como tomar os medicamentos.
  • Apresentar uma nova queixa, por exemplo, não é mais capaz de andar, comer ou urinar.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive