Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Gene ligado ao câncer pode ser resposta para curar doenças cardíacas

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/04/2020 - Data de atualização: 16/04/2020


Pesquisadores da Universidade de Cambridge tiveram uma surpresa enquanto tentavam desligar um gene que permite que o câncer se espalhe. Ao tomarem os genes hiperativos e funcionais no coração de um rato, eles deram início à recuperação das células cardíacas.

Como um coração adulto não pode regenerar a si mesmo depois de danificado, este pode ser um primeiro passo em direção a um tratamento genético para doenças cardiovasculares. O resultado deste estudo foi publicado na terça-feira (14), na revista "Nature Communications".

"Isto é realmente animador. Os cientistas têm tentado fazer com que as células do coração se proliferem há um bom tempo. Nenhum dos tratamentos atuais é capaz de reverter a degeneração do tecido cardíaco —eles apenas diminuem o avanço da doença. Agora, nós achamos um jeito de fazer isso", disse a doutora Catherine Wilson, que liderou o estudo do departamento de Farmacologia da universidade britânica.

O que rolou?

Nos mamíferos, o ciclo celular é bastante controlado. O câncer se desenvolve quando as células começam a se replicar de forma incontrolável, e o oncogene Myc tem um papel fundamental neste processo.

Este gene é conhecido por ativar a replicação celular na maioria dos cânceres. Por isso a maioria dos estudos foca em tentar controlar o Myc para desenvolver uma cura ou terapia.

Quando os pesquisadores liderados pela doutora Catherine Wilson fizeram o gene se tornar hiperativo em um rato de laboratório, o resultado foi o esperado: as células começaram a se multiplicar em alguns dias e vários órgãos desenvolveram câncer, inclusive fígado e pulmões. Mas, nada aconteceu no coração.

Eles descobriram que, nas células cardiovasculares, a atividade do oncogene depende de uma proteína chamada Ciclina T1, codificada pelo gene CCNT1 dentro das células. Somente quando esses dois genes são ativados juntos, o coração entra em estado regenerativo e as células começam a se replicar.

Por que isso é importante?

Estima-se que, todo ano, cerca de 23 milhões de pessoas no mundo todo tenham problemas de insuficiência cardíaca e atualmente não há cura. Depois de um infarto, um coração humano chega a perder até 1 bilhão de células musculares. 
Ao contrário de outros órgãos, o coração adulto não pode regenerar a si mesmo, então essas células nunca são repostas. A perda delas reduz a força do coração, formando cicatrizes e levando à insuficiência cardíaca e até mesmo à morte.

Usando uma tecnologia de sequenciamento genético chamada ChIP, o estudo foi capaz de observar a ação do Myc nas células do coração e espera ser capaz de controlá-lo para desenvolver uma terapia genética.

"Nenhum dos tratamentos atuais pode reverter a degeneração do tecido cardíaco. Nós descobrimos que, mesmo quando o Myc está ativo no coração, as outras ferramentas que o fazem funcionar não estão ativas. Esta pode ser uma das razões para que o câncer de coração seja extremamente raro. Agora, nós sabemos o que estava faltando", afirmou Catherine Wilson.

Fonte: Uol

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive