Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

“Fui cobaia e deu certo”, diz paciente tratado contra o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/10/2018 - Data de atualização: 03/10/2018


CÉLULA CANCERÍGENA: No Brasil, os primeiros tratamentos de imunoterapia só foram aprovados pela Anvisa no ano passado (cgtoolbox/Thinkstock)

São Paulo – Os pesquisadores James P. Allison, dos Estados Unidos, e Tasuku Honjo, do Japão, receberam nesta segunda-feira, dia 1º, o prêmio Nobel de Medicina ou Fisiologia por pesquisas que levaram ao desenvolvimento da imunoterapia contra o câncer.

Trabalhando de forma independente, os dois imunologistas identificaram maneiras de liberar o sistema imune das artimanhas das células cancerígenas e permitir, dessa forma, que ele possa atacar tumores.

No Brasil, os primeiros tratamentos de imunoterapia só foram aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no ano passado. Caros, ainda não são oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas vêm fazendo a diferença para muitos pacientes.

Artur Katz, diretor do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, explica que o tratamento inicialmente era voltado a pacientes com doença mais avançada, mas entram cada vez mais cedo. Nem todos os cânceres, porém, podem ser tratados com a imunoterapia e há contraindicações. Ao tirar o freio do sistema imune, ele pode ficar hiperativo, levando a doenças autoimunes.

“Em alguns casos, a imunoterapia é capaz de controlar a doença a longo prazo. Vários pacientes têm um controle duradouro já há 4, 5 anos”, diz Katz, comemorando o Nobel.

O aposentado Augusto José de Andrade, de 67 anos, também ficou animado com o prêmio. Ele fez imunoterapia no AC Camargo Cancer Center contra um câncer de pulmão, depois de ter passado por químio. “Cheguei ao médico falando que queria morrer. A porcaria da químio ataca a doença e a gente também. Ele sugeriu a imunoterapia. Não tinha nada a perder. Fui cobaia e deu certo”, comemorou.

Fonte: EXAME

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive