Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Filho de Bruno Mendes, ex-Botafogo, supera câncer raro no fígado um ano após diagnóstico

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 12/08/2021 - Data de atualização: 12/08/2021


Em entrevista ao 'ge', Bruno Mendes retratou o drama familiar vivido no último ano. Durante a pandemia da Covid-19, o ex-jogador do Botafogo resgatou forças para, junto com a esposa, Larissa, tratar o câncer no fígado do pequeno Miguel, na época com dois anos. A criança foi diagnosticada do outro lado do planeta. No Japão, onde o atacante atuava pelo Cerezo Osaka, Bruno Mendes precisou fazer as malas e retornar às pressas ao Brasil para iniciar o tratamento.

O grave diagnóstico foi apresentado em fevereiro de 2020, duas semanas antes da Organização Mundial de Saúde (OMS) declarar a pandemia. Era a segunda temporada do jogador de 24 anos no Japão. Bruno e Larissa ainda se acostumavam com a vida de estrangeiro quando perceberam um inchaço na barriga de Miguel. Sem sintomas, os pais seguiam vida normal.

O caso chegou a uma pediatra, que recomendou exames para analisar o quadro da criança de dois anos. Em março, o inchaço era mais aparente. A médica confirmou o pior.

- Na hora da consulta, a Larissa entrou e eu sentei num banquinho atrás da porta. E ela conversando com a Larissa, eu escuto: "Ele deve estar com um tumor". Assim, curto e grosso. E eu do lado de fora, sem ver nada, fiquei assustado, disse "Nossa..." - contou Bruno.

A grande massa no abdômen preocupava especialistas. O tumor poderia ser maior do que o imaginado. Após exames de sangue e uma ultrassonografia, o diagnóstico: Miguel apresentava um hepatoblastoma, raro tumor maligno no fígado que atinge crianças.

Com o aval do clube japonês, Bruno Mendes precisou escolher entre duas opções divergentes. Permanecer no Japão diante da possibilidade de um colapso hospitalar no Brasil devido à complicações da pandemia, ou retornar para ter o apoio familiar e não depender de tradutores.

- A gente conversou em casa, vimos a melhor situação e falei: "A gente vai para o Brasil, eu tento fazer um acordo com eles aqui. Primeiro quero pensar no meu filho, depois penso em mim, nas outras coisas". Era o melhor para ele, a saúde dele é o principal. Aí conversei com o clube, o clube entendeu e liberou um mês, pois já os jogos já tinham pela pandemia - disse.

Embarcaram rumo a São Paulo dias após o diagnóstico. A rapidez foi essencial. Com voos internacionais sendo cancelados, o casal teve sua única chance em mãos.

- Estávamos no aeroporto em Londres, os voos todos foram cancelados. O único que foi confirmado foi o nosso. Aí, pensamos: "Estamos no caminho certo" - contou Larissa.

A cura de Miguel foi concentrada no Graacc - Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer. O tratamento foi pautado em idas e vindas ao hospital. A criança revezou entre sessões de quimioterapia e dias em casa até a cirurgia para retirada do tumor ser marcada. Seriam seis longos meses de medicamentação.

- A gente comemorava cada dia, vivia cada dia. Ele chegava um dia em casa do tratamento, depois de vomitar um monte... Mas se ele estava bem, brincando sorrindo, a gente agradecia por ter passado mais um dia - relembra Larissa.

Em 3 de junho, Miguel seria operado. A cirurgia durou mais de quatro horas e retirou 70% de seu fígado. O tumor não havia se espalhado. Era o início de uma caminhada mais serena.

Bruno Mendes precisou retornar ao Japão para jogar futebol. Ao total, foram quatro meses longe de Miguel e Larissa.

- O clube, quando a gente conversou, me liberou um mês. Mas pela pandemia estavam fechadas todas as fronteiras, até para residente. E nisso eu consegui ficar mais um mês, consegui ficar na cirurgia, deu tudo certo. E aí depois da cirurgia, após duas semanas, eu voltei para o Japão. Mas agradeço muito ao clube, que foi muito solícito com a gente. Eles pensaram muito no Miguel, disseram "Fica tranquilo, pode ir com sua família". Tenho que agradecer bastante a eles - afirmou o jogador.

- Foram quatro meses muito difíceis. Mas coloquei na minha cabeça "Tenho que seguir, já deu tudo certo. Deus está no comando, no controle. O Miguelzinho está bem, e eu tenho que estar bem também - destaca.

A última quimioterapia do forte Miguel foi em julho de 2020. No dia 24 de julho deste ano, o casal comemorou um ano da cura do filho.

A tranquilidade se refletiu em campo. Bruno Mendes marcou12 gols em 28 jogos, sendo o artilheiro do Cerezo Osaka no Campeonato Japonês. O clube garantiu uma vaga para a Liga dos Campeões da Ásia.

- Hoje o Miguel é nosso milagre, nossa força diária - conclui Larissa.

Fonte: Terra



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive