Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Falta e desigualdade de tratamento no SUS motiva ação do MPF

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 04/12/2019 - Data de atualização: 04/12/2019


O que houve?

O Ministério Público Federal (MPF) do Rio Grande do Sul propôs uma Ação Civil Pública (ACP), a fim de sanar impropriedades protagonizadas pela União, no processo de seleção e financiamento dos medicamentos oncológicos fornecidos pelo Sistema Único de Saúde. O MPF entende que tais práticas violam os direitos fundamentais dos usuários do SUS. 

A ação tem como objetivo compelir a União a pactuar, no âmbito da Comissão Intergestores Tripartite, o financiamento dos novos medicamentos oncológicos incorporados ao SUS, compelindo, também, o exercício pelo Ministério da Saúde, da atribuição legal de seleção dos medicamentos a serem disponibilizados pelo sistema.

Na petição inicial, o MPF cita o estudo realizado pelo Instituto Oncoguia “Diferenças no tratamento sistêmico do câncer no Brasil: meu SUS é diferente do teu SUS”, publicado em 2017, na revista Brazilian Journal of Oncology, oportunidade em que, segundo o Ministério Público, foi descortinada a realidade de uma diversidade inconfessável de tratamentos quimioterápicos no âmbito do SUS, conforme o local em que o paciente vem a ser tratado. 

A ação se propõe, justamente, para impedir que a desigualdade de acesso retratada no estudo se perpetue.

E agora?

Na ação o Ministério Público Federal pleiteia a condenação do Ministério da Saúde a:

  • selecionar diretamente os novos medicamentos oncológicos a serem fornecidos pelo SUS, abstendo-se de delegar esta competência, expressa ou implicitamente, aos estabelecimentos de saúde habilitados na atenção especializada em oncologia no âmbito do Sistema Único de Saúde

  • subsidiariamente, compartilhar as decisões referentes à seleção dos medicamentos oncológicos fornecidos pelo SUS e institua mecanismos que, tendo em vista a significativa diferença de oferta de medicamentos oncológicos entre os estabelecimentos habilitados perante o Ministério da Saúde, promovam o acesso igualitário a tais medicamentos no âmbito do SUS.

  • realizar a compra direta ou pactuar, no âmbito da Comissão  Intergestores Tripartite, o financiamento dos novos medicamentos oncológicos incorporados ao SUS.

  • subsidiariamente, instituir procedimento para que unidades e centros de alta complexidade em oncologia habilitados, em face de novas decisões de incorporação de medicamentos oncológicos, demonstrem positivamente a imperatividade da suplementação do financiamento pelo Ministério da Saúde. 

A ACP foi proposta na Vara Federal de Porto Alegre e recebeu a numeração 5092135-70.2019.4.04.7100. A Ação seguirá para as fases de defesa e instrução (apresentação de provas e oitiva de testemunhas). Sua tramitação pode ser acompanhada aqui. 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive