Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Evento discutiu gratuidade no transporte público para paciente com câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/09/2019 - Data de atualização: 18/09/2019


A possibilidade de se assegurar a gratuidade do transporte público para pacientes em tratamento de câncer, em Belo Horizonte, foi debatida, nesta terça-feira (17/9), durante seminário da Comissão de Orçamento e Finanças Públicas requerido pela vereadora Marilda Portela (Republicanos). A parlamentar é autora do PL 55/17, que visa à conceder isenção tarifária para paciente submetido à radioterapia, quimioterapia e a qualquer outro tratamento complementar contra o câncer quando nas viagens entre a residência e o local de tratamento. O objetivo é reduzir a interrupção no acesso a serviços médicos a pacientes oncológicos que, por falta de recursos para arcarem com as despesas de transporte, não comparecem às unidades de saúde. O projeto, que recebeu pareceres favoráveis das Comissões de Legislação e Justiça; Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário; e de Saúde e Saneamento, encontra-se concluso para discussão e votação em Plenário em 1º turno.

De acordo com a gerente de oncologia da Santa Casa de Misericórdia, Lorena Lima, o hospital onde trabalha contou 1.855 casos de absenteísmo em tratamentos de câncer entre janeiro e julho deste ano. Deste total de ausências, segundo ela, estima-se que 30% tenham ocorrido por conta da falta de acesso a transporte entre a residência do paciente e a unidade hospitalar. Ela também explicou que dos 2.461 pacientes oncológicos tratados pela Santa Casa, em 2017, 51,2% moram em Belo Horizonte e, portanto, estariam aptos a se beneficiar da isenção de tarifa no transporte gerenciado pela BHTrans.

Durante a audiência, especialistas no assunto explicaram que um tratamento oncológico, quando interrompido, torna-se mais caro no momento do retorno ao serviço de saúde, gerando custos altos para a sociedade. Desse modo, os gastos do erário com a isenção tarifária no transporte coletivo poderiam vir a ser compensados pela redução de custos aos cofres públicos em decorrência da adequada assiduidade do paciente ao tratamento contra o câncer.

Segundo a gerente do Centro Municipal de Alta Complexidade da Secretaria Municipal de Saúde, Márcia Dayrell, em torno de 15% dos tratamentos de quimioterapia, em Belo Horizonte, não foram realizados em 2018. De acordo com ela, tais dados não se referem apenas a casos de absenteísmo, mas também a pacientes que não estavam em condições clínicas de receberem o tratamento. Apesar de a gerente não ser capaz de precisar a percentagem exata de absenteísmo nos tratamentos oncológicos na Capital, o recurso financeiro que precisa ser dispendido pelo paciente com o transporte entre a sua residência e a unidade hospitalar acaba, de acordo com a gerente, por fazer com que pessoas em situação de alta vulnerabilidade socioeconômica, por vezes, descontinuem o tratamento.

Nessa perspectiva, entusiastas da ideia da isenção tarifária garantem que seria mais barato assegurar a gratuidade do transporte para o paciente oncológico e seu acompanhante do que arcar com os custos da interrupção do tratamento decorrente da falta de dinheiro para acesso ao transporte público.

Isenções em outras cidades

Cássia Montouto, que é representante do Instituto Oncoguia, uma ONG voltada para a qualidade de vida do paciente com câncer, explicou que, na cidade de São Paulo, o paciente oncológico já está isento do pagamento das tarifas de transporte público durante a vigência de tratamento de quimioterapia e ou radioterapia. Ela explica que tal política é meritória, uma vez que pacientes de baixa renda, por vezes, descontinuavam o tratamento, tendo em vista que o dinheiro que precisariam destinar ao pagamento da tarifa de ônibus faria falta para o seu próprio sustento e o de sua família.

Além de São Paulo, a cidade de Curitiba também assegura a isenção tarifária no transporte público coletivo aos pacientes com câncer em tratamento de quimioterapia ou radioterapia. Para acessar a gratuidade na capital paranaense, é necessário que a pessoa em tratamento resida em Curitiba ou em sua região metropolitana e detenha renda familiar de até três salários mínimos mensais.

A representante do Instituto Oncoguia também afirma haver jurisprudência estabelecendo que a competência de autorizar isenções é tanto do Poder Executivo, quanto do Legislativo. Nesse sentido, o PL 55/17, que tramita em Belo Horizonte, não seria prejudicado por se tratar de uma iniciativa parlamentar.

Números da gratuidade em BH

A representante da BHTrans, Juliana Vidigal, explicou que o transporte público gerenciado pela empresa levou, em média, no ano de 2018, 31 milhões de passageiros por mês. A média mensal de viagens gratuitas na Capital, segundo a empresa, é de 3,4 milhões. Atualmente, a gratuidade contempla idosos acima de 65 anos; agentes de inspeção do Ministério do Trabalho; oficiais da Justiça do Trabalho e da Justiça Federal; carteiros e mensageiros da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos; pessoas com deficiência física, auditiva, visual, mental e doentes renais em terapia renal substitutiva.

Apenas para pessoas com deficiência, há, hoje, cerca de 34 mil cartões de gratuidade ativos em Belo Horizonte. A representante da BHTrans afirmou ser necessário apresentar a estimativa de custos bem como a fonte de custeio para a extensão da gratuidade a um maior número de pessoas e se prontificou a disponibilizar os dados que possam vir a ser necessários para que tal tarefa seja cumprida.

Conheça o PL 55/17

O PL 55/17 determina que o paciente em tratamento de câncer e seu acompanhante fiquem isentos do pagamento de tarifa de ônibus quando nas viagens entre a residência e o local de tratamento. O texto da proposição estabelece que seja expedido bilhete eletrônico credencial para pessoas submetidas à radioterapia, quimioterapia e a qualquer outro tratamento complementar contra o câncer, bem como seu acompanhante, de maneira que seja possível, para ambos os indivíduos, realizar a viagem gratuitamente entre os locais de residência e de tratamento.

A psicóloga Raquel Simplício, que é autora do livro “Mochila de Perguntas”, destinado a auxiliar na tarefa de responder às indagações das crianças sobre o câncer, defende que se não há como o paciente chegar ao hospital em decorrência da falta de recursos financeiros próprios para isso, o direito a acessar o serviço de saúde lhe está sendo negado. Nessa perspectiva, a autora defende a importância da proposição de Marilda Portela e afirma que se não for possível estender a gratuidade a todos os pacientes em tratamento contra o câncer, que a isenção tarifária beneficie, ao menos, os pacientes de baixa renda. Ela explica que hoje há pacientes que deixam de comparecer ao tratamento porque o dinheiro da passagem de ônibus faz falta para a compra de alimento para si e para sua família. Com a garantia da gratuidade, tal situação deixaria de existir.

Próximas ações

A psicóloga e autora Raquel Simplício afirmou que o seminário cumpriu o objetivo de sensibilizar e informar sobre as necessidades dos pacientes com câncer. Ela explica que esse é um momento propício a garantir a disponibilização de dados e a assegurar o diálogo necessário entre sociedade civil e poder público com vistas a promover direitos aos pacientes com câncer.

A vereadora Marilda Portela, autora do PL 55/17 e requerente do seminário, explicou que, com o objetivo de viabilizar a aprovação do projeto de lei, promoverá novas ações. Entre as possibilidades em análise estão o agendamento de uma visita ao Executivo para demonstrar à Prefeitura a necessidade de se garantir a isenção tarifária, bem como o requerimento de audiência pública ou de um novo seminário sobre o tema.

Matéria publicada no portal da Câmara Municipal de Belo Horizonte em 17/09/2019



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive