top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudos contra o câncer focam em ‘jogadas’ genéticas e terapêuticas para aumentar sobrevida

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/01/2018 - Data de atualização: 10/01/2018


Berlim - "É preciso jogar xadrez com o câncer”, afirmou Dieter Weinand, presidente farmacêutico da Bayer, durante o encontro anual da empresa com a mídia, no fim do ano passado, na Alemanha. A frase tenta resumir o foco dos estudos voltados para o tratamento da doença hoje no mundo: o máximo controle possível do câncer, até em estágios mais avançados. Assim, mesmo quando não há uma cura à vista — o que já ocorre em mais de 50% dos casos no Brasil, segundo a Fundação do Câncer —, o objetivo é sempre aumentar a sobrevida.

— Fazer uma jogada terapêutica, muitas vezes, é o caminho para driblar a doença. Há casos em que você estende a vida por 4, 5 anos, quando esse prazo antes era de, no máximo, seis meses — disse a gerente médica da Bayer no Brasil, Fabíola Puty, ressaltando que, para isso, é preciso estudar e entender a assinatura genética dos tumores, o que é bem complexo.

Para o cirurgião oncológico e diretor executivo da Fundação do Câncer, Luiz Augusto Maltoni, o câncer já deve ser considerado uma doença crônica, e não aguda:

— Com os estudos de biologia molecular, de genética e de oncogenética sabemos que, quando falamos de câncer de mama, por exemplo, há diversos subtipos moleculares diferentes e, com esse conhecimento, é possível sintetizar medicamentos para essas alterações genéticas.

Maltoni ressalta ainda que os desafios da cura do câncer hoje estão relacionados, principalmente, a acesso ao diagnóstico e à informação.

— Nos países em desenvolvimento há muita desinformação, muitos mitos. O diagnóstico não é um atestado de óbito. Também é fundamental lembrar da importância de cuidar da própria saúde, de se alimentar adequadamente, evitando consumo excessivo de carnes vermelhas e bebidas alcoólicas, e não fumar. Quanto mais precocemente conseguimos detectar, melhor a chance de tratar de maneira adequada.

A jornalista viajou a convite da Bayer.

Fonte: Jornal Extra

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive