Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudos concluem que uso de celular não causa câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/02/2020 - Data de atualização: 17/02/2020


Arquivo/Pixabay

Entre 2008 e agosto de 2019, cientistas mediram os efeitos da radiofrequência emitida por celulares e sua relação com o surgimento de câncer. A conclusão de que “não existem padrões consistentes” que liguem a exposição ao aparelho à doença.

De acordo com a FDA, agência de administração de drogas e alimentos, dos EUA, foram 125 experimentos realizados em animais e 75 em humanos durante mais de 10 anos.

A pesquisa ajudou a FCC, Comissão Federal de Comunicação, dos EUA, a delimitar a taxa máxima de exposição a esse tipo de radiação, medida que torna legal redes que circulam abaixo das frequências perigosas.

De acordo com a nota publicada pela comissão, o corpo humano pode ser exposto com segurança a taxas entre 300 kHz a 100 GHz.

Atualmente, o 5G, a quinta geração de internet móvel, usa frequências entre 25,250 GHz e 100 GHz e, por isso, estaria de acordo com as regras de segurança estipuladas pela FCC.

O estudo apresentado pela FCC, afirma que “As evidências epidemiológicas existentes indicam que, se houver algum risco, ele é extremamente baixo comparado à incidência natural da doença e aos fatores de risco controláveis ​​conhecidos."

Porém, o MIT, Instituro de Tecnologia de Massachusetts, questiona os critérios científicos usados na pesuquis para concluir que o uso de celulares não teria nenhuma relação com casos de câncer.

O MIT aponta que o uso de ratos para medir como o corpo humano responde às ondas é falho. Os estudo com os animais expuseram a radiação em todo o corpo do animal e em níveis muito superiores aos usados no smartphones, o que não condiz com a realidade.

Além disso, os testes com humanos feitos na pesquisa se baseiam apenas em questionários realizados com as famílias e o uso do smartphone e dados observacionais, em que não existem experimentos específicos e ambientes controlados para conclusões. A instituição pede mais pesquisas para afirmar sobre os efeitos do uso prolongado de celulares no corpo humano.

Fonte: R7

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive