Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudo relaciona consumo de gorduras trans a risco de ter câncer de ovário

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 07/07/2020 - Data de atualização: 07/07/2020


Os ácidos graxos trans, encontrados em alimentos industrializados e processados, podem estar associados ao maior risco de desenvolver câncer de ovário. A informação da Iarc (Agência Internacional de Pesquisa do Câncer) foi divulgada, na última quinta-feira (2), pela revista especializada Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention. A agência faz parte da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Segundo o estudo, a maior ingestão de ácidos graxos trans, como os encontrados em frituras, podem estar associados a um maior risco de desenvolver câncer de ovário.

Para chegar a esse resultado, os pesquisadores analisaram uma pesquisa de fatores de risco na qual isolaram 1.486 casos de câncer de ovário para investigar a associação entre ingestão individual de ácidos graxos e o risco de desenvolver a doença.

Os ácidos graxos trans industriais já eram conhecidos por causar obesidade e à inflamação. Condições de fatores de risco para o câncer de ovário. Daí, os pesquisadores creem que essa relação pode explicar, pelo menos em parte, a associação entre esses ácidos graxos e o tipo de câncer.

Em 2018, foi confirmado um total de 295.414 novos casos e 184.799 mortes em todo o mundo. O câncer do ovário é o oitavo mais comum e a oitava maior causa de morte de mulheres.

Prevenção

De acordo com a Iarc, devido ao aumento da incidência de câncer de ovário em todo o mundo "são urgentemente necessárias estratégias de prevenção". Mas até o momento foram identificados poucos fatores que podem ser evitáveis.

Para o chefe da seção de nutrição e metabolismo da Iarc, Marc Gunter, essas novas descobertas estão alinhadas com a recomendação da OMS de eliminar os ácidos graxos trans industriais dos alimentos.

O especialista defende que o novo estudo fornece novas evidências de que a redução no consumo de alimentos industrializados, incluindo a chamada fast food, poderia ajudar a baixar o risco de câncer de ovário e várias outras doenças crônicas.

Fonte: ViveBem Uol

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive