Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudo mostra que exame de sangue pode detectar câncer de pulmão

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/06/2018 - Data de atualização: 08/06/2018



Exame pode identificar doença no início e aumentar as chances de cura
David Silverman/Getty Images


De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de pulmão é o mais comum entre todos os tumores malignos. A cada ano, mais de um milhão de pessoas são diagnosticadas com a doença em todo o mundo.

No Brasil, a expectativa é que em 2018, 31.270 pessoas descubram que têm câncer no pulmão – entre estes pacientes, estão 18.740 homens e 12.530 mulheres.

Ainda segundo o Inca, este é um tipo de câncer altamente letal, que no fim do século XX, se tornou uma das principais causas de morte evitáveis.

Como todos os tipos de câncer, no de pulmão a expectativa de cura ou de maior tempo de sobrevida depende, principalmente, do momento em que a doença é descoberta.

Novo exame para diagnóstico precoce

Atualmente, o diagnóstico de câncer de pulmão é feito por meio de uma tomografia, que deve ser feita anualmente em pacientes que apresentam risco para a doença, como os fumantes – de acordo com o Inca, 90% dos casos estão associados ao consumo de derivados de tabaco.


Cerca de 90% dos casos de câncer de pulmão estão relacionados ao tabaco
Reprodução/Facebook


Sem este controle, o diagnóstico costuma aparecer apenas quando surgem os primeiros sintomas, o que, segundo o oncologista Jacques Tabacof, do Centro Paulista de Oncologia, só acontece quando a doença já está em um estágio mais avançado.

Além disso, o diagnóstico por meio de tomografia não é 100% assertivo, é comum que aconteçam os chamados resultados "falsos-positivos”.

"Na tomografia podem aparecer nódulos pequenos, que nem sempre são tumores malignos, mas precisamos investigar, fazer biópsia, colocar uma agulha no pulmão do paciente”, explica o oncologista.

Um estudo apresentado no Asco 2018 – o congresso da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, que terminou na terça-feira (5), em Chicago, nos Estados Unidos – mostrou que nos próximos anos a tomografia pode deixar de ser a única ferramenta para o diagnóstico.

Depois de analisar amostras de sangue de mais de 1.700 voluntários, pesquisadores dos Estados Unidos e do Canadá desenvolveram um sofisticado exame de sangue capaz de identificar a presença de fragmentos de DNA do tumor de pulmão em fase inicial na corrente sanguínea.

Estamos um passo mais perto de sermos capazes de detectar o câncer de pulmão precoce a partir de um simples exame de sangue
        David Graham

"Estamos animados porque os resultados iniciais do estudo mostram que é possível detectar câncer de pulmão em estágio inicial a partir de amostras de sangue usando o sequenciamento genômico", disse o principal autor do estudo, Geoffrey R. Oxnard, professor associado do Instituto do Câncer Dana-Farber e da Escola de Medicinal de Harvard.

Oxnard também afirma que um exame sanguíneo capaz de identificar a doença "pode ser facilmente implementado por sistemas de saúde".

O exame não está aprovado para uso clínico porque o estudo ainda não foi totalmente concluído. Neste momento, os pesquisadores estão desenvolvendo uma segunda etapa com outros mil voluntários.

Mas, especialistas já começam a ter esperanças de que esta nova possibilidade possa fazer parte da rotina clínica nos próximos anos.

"Estamos um passo mais perto de sermos capazes de detectar o câncer de pulmão precoce a partir de um simples exame de sangue. Embora ainda haja um caminho a percorrer antes que o DNA livre de células do sangue possa ser usado para a detecção do câncer em larga escala, essa pesquisa serve como um alicerce para o desenvolvimento de testes futuros ”, afirma David Graham, diretor médico do Levine Cancer Institute, em Charlotte, na Carolina do Norte.

O oncologista Jacques Tabacof acompanhou a divulgação do estudo e também se mostra esperançoso:

"Eu fiquei muito animado em ver como a tecnologia chegou em um ponto onde este exame está muito mais perto do que podíamos imaginar. Embora seja uma inovação para daqui a alguns anos, parece totalmente possível”.

Fonte: R7

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive