Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudo identifica subtipos agressivos de câncer de mama entre mulheres jovens

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/10/2019 - Data de atualização: 30/10/2019


Entre as mulheres diagnosticadas com câncer de mama invasivo antes dos 40 anos, quase metade apresentou os subtipos mais agressivos da doença – triplo negativo e HER2 positivo. A informação é parte de um estudo inédito da AFIP Medicina Diagnóstica. Foram analisadas as biópsias de mama realizadas entre os anos de 2015 a 2017, de mulheres com idade igual ou inferior a 40 anos, atendidas em um centro de referência em saúde da mulher, que pertence a rede pública da cidade de São Paulo.

Das 714 biópsias analisadas, encontrou-se 255 amostras positivas para câncer de mama invasivo (35,7%). Dessas, 58 pacientes (22,7%) apresentaram diagnóstico de tumor triplo negativo, um subtipo do câncer de mama maligno, agressivo, de rápida evolução, maior chance de recidiva e de difícil tratamento devido à sua baixa resposta às terapias. No mesmo estudo, foram encontradas 52 pacientes (20,39%) com o tumor HER2 positivo, também agressivo, porém, já com tratamento específico.

O subtipo triplo negativo representa, segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), cerca de 15% do total de casos de câncer de mama. No estudo realizado pela instituição filantrópica, na faixa etária entre 19 a 40 anos e no período de 2015 a 2017, observou-se um alto número de casos desse subtipo, o que indica que muitas jovens mulheres estão sendo acometidas por esse câncer grave.

A pesquisa é um recorte populacional focado em exames realizados em São Paulo. A amostra aponta para a necessidade de atenção aos exames preventivos em mulheres que fazem parte do perfil de risco para o câncer de mama. Quanto mais cedo é identificado o tumor, melhor é a resposta ao tratamento. O estudo foi realizado pelo biomédico Guilherme Moreno, colaborador da AFIP, sob orientação de Marcia Feres, pesquisadora – PhD, coordenadora de Desenvolvimento Científico e Estágio da AFIP Medicina Diagnóstica.

“Realizar estudos com foco populacional em escala regional ou nacional, é de grande importância para que possamos entender a realidade que as pessoas estão inseridas. No caso deste estudo, foi importante compreender a quantidade de mulheres jovens que estão sendo acometidas pelo câncer de mama, sobretudo por um subtipo conhecido por ser o mais agressivo. Isso nos deixa mais alerta para o desenvolvimento de novos métodos diagnósticos mais eficazes, rápidos e de maior acessibilidade, assim como tratamentos mais específicos”, comenta o autor da pesquisa.

“A frequência de câncer em mulheres abaixo de 40 anos é extremamente relevante, por isso pesquisas como esta mostram que aquelas com histórico familiar positivo precisam começar cedo a sua investigação. Além disso, é necessário compreender a importância de cada exame preventivo ao longo da vida da paciente, como o ultrassom e a mamografia. Esta pesquisa é também uma forma da AFIP contribuir para que a prevenção do câncer de mama seja cada vez mais debatida e compreendida pela sociedade”, explica a biomédica Marcia Feres.

Exames preventivos

Os exames de imagem mais importantes para o diagnóstico precoce de lesões mamárias são a ultrassonografia e a mamografia. De acordo com a Dra. Ana Carolina Paniza, médica patologista, responsável pelo setor de Biologia Molecular da AFIP Medicina Diagnóstica, esses exames sinalizam alterações que podem ser encaminhadas para biópsia.

Outro exame que pode complementar o rastreio do câncer de mama é o teste genético para busca de mutações nos genes BRCA1 e BRCA2. Esse teste analisa o DNA da paciente para encontrar alterações que possam aumentar suas chances de desenvolver câncer de mama ou ovário em algum momento da vida.

“O teste genético é uma opção de alta precisão, recomendado para aquelas mulheres que tiveram casos de cânceres agressivos na família e querem saber se possuem os marcadores genéticos da doença. Ele é essencial para o aconselhamento genético e tomada de decisão referente a medidas de prevenção” explica a médica.

O procedimento da retirada preventiva das mamas ganhou destaque quando a atriz Angelina Jolie fez o exame genético e decidiu retirar as mamas, em 2013, para evitar o surgimento da doença que vitimou a mãe aos 56 anos.

“Por isso, informar e conscientizar a população é uma forma de ajudar nesta tomada de decisão. Existem recomendações e elas podem ser discutidas entre paciente e médico. Quando a paciente tem a informação, ela também ganha mais autonomia para compreender e decidir sobre o seu tratamento”, finaliza Dra. Ana Carolina.

Fonte: Assessoria de imprensa Health Branding and Business

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive