Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudo do Sírio-Libanês mostra o impacto da pandemia na Oncologia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/04/2021 - Data de atualização: 08/04/2021


O impacto da pandemia para as doenças crônicas, especialmente para o cuidado dos pacientes com câncer é uma preocupação global, e reconhecida pela OMS por meio da iniciativa “Building Back Better”. Nesta direção, o Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa, liderado pela Rachel Riera, numa colaboração com o Departamento de Doenças não Transmissíveis da OMS, mapeou e organizou as evidências científicas referentes aos fatores para disrupções e atrasos que a pandemia determina no cuidado dos pacientes com câncer.

Além dos pesquisadores do NAT Hospital Sírio-Libanês, a revisão sistemática publicada tem a participação de dois coautores do Departamento de Doenças Não Comunicáveis da OMS, incluindo o oncologista Felipe Roitberg. Num cenário colaborativo, ambos auxiliaram com o escopo do estudo, estruturado sob a ótica das demandas da saúde publica. A pesquisa foi publicada na última edição da revista JCO Global Oncology, da Sociedade Norte-Americana de Oncologia Clínica (ASCO, na sigla em inglês) e encontra-se entre os trabalhos mais citados da prestigiosa revista.

Foram avaliadas mais de 3.000 publicações, para que se chegasse a um conjunto de 62 estudos. “Esses estudos avaliaram a frequência e os tipos de atrasos e interrupções na prevenção ou no tratamento de pacientes com câncer em todo o mundo”, explica Rachel.

Mais de 50% dos pacientes com câncer atrasaram seu tratamento por conta da pandemia de COVID-19, segundo dados mensurados pelas pesquisas analisadas. O estudo também mostrou, por meio de levantamentos, que mais de 60% dos médicos reportaram atrasos no tratamento, sendo que 90% se referiam a radioterapia, 20% a quimioterapia e 76% a cirurgias.

De acordo com levantamentos analisados, 77,5% dos pacientes interromperam seus tratamentos durante a pandemia, inclusive cuidados paliativos. Cerca de 48% dos médicos relataram interrupção dessas terapias durante a pandemia. Cerca de 73% dos oncologistas relataram atrasos de transplantes de células-tronco por conta da COVID-19.

Mais de 88,5% dos centros oncológicos disseram que a pandemia causou atrasos na realização de exames laboratoriais para diagnóstico do câncer, 83,6% apontaram demoras nos exames de imagem. Consequentemente, registrou-se também 77% de queda nos diagnósticos de câncer desde o começo da pandemia.

Mais de 95% de pacientes, médicos e centros especializados reportaram cancelamentos nas consultas de acompanhamento de pacientes, sendo que 42,5% dos médicos e pacientes apontaram que muitos simplesmente não apareceram nas suas consultas já marcadas.

A revisão sistemática também levantou os principais motivos pelo atraso ou interrupção dos tratamentos oncológicos. Para os pacientes, medo de se infectar com a COVID-19 foi a principal causa. Já, segundo os médicos, os atrasos foram provocados pelo risco de contrair COVID-19, falta de medicamentos, falta de equipes e falta de serviços de apoio.

Os estudos avaliados reportaram dados de pacientes com câncer de mama (18%), cabeça e pescoço (11%), urológico (10%), colorretal (6%), pele (6%), hematológico (5%), ginecológico (3%), pediátrico (3%) e pulmão (2%). Cerca de 48% dos estudos consideraram diferentes tipos de câncer.

Segundo explica Rachel, essas análises são fundamentais para identificar de forma precisa o real impacto da pandemia nos cuidados relacionados ao câncer. A partir dessas informações, a OMS poderá tomar decisões referentes à mitigação dessas consequências de acordo com o seu impacto em cada país e para cada tipo de câncer. “A produção científica durante a pandemia está sendo intensa e crescente, o que possibilitou uma gama muito grande de estudos que pudessem ser incluídos na revisão sistemática. No entanto, isso também exige que a revisão seja atualizada frequentemente”, explica a médica.

Para o oncologista do Hospital Sírio-Libanês e consultor da OMS, Felipe Roitberg, o trabalho constitui o melhor nível de evidência possível para tomadas de decisão em saúde pública. “O principal objetivo agora é entender onde moram os elementos responsáveis pelos atrasos e disrupções no sistema de saúde mapeados pelo estudo publicado, mensurá-los por meio de modelos preditivos, e apontar soluções que minimizem os consequentes atrasos no atendimento aos pacientes de doenças crônicas, entre elas, o câncer. Desta forma, os países poderão mensurar as vidas salvas ao retomar os cuidados dos pacientes e salvar vidas”, conclui o especialista.

Fonte: HealthCare

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive