Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudo coloca dúvidas sobre a forma de diagnóstico do câncer de tireoide

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/05/2020 - Data de atualização: 27/05/2020


Um estudo da agência contra o câncer da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostrou que cerca de 1 milhão de pessoas foram diagnosticadas com essa doença na tireoide, mesmo sem chances de ter sintomas ao longo da vida ou do câncer provocar a morte do paciente. O sobrediagnóstico, como é chamado esse tipo de equívoco, afeta principalmente as mulheres de meia-idade e às expõem a males desnecessários, como a extração completa da glândula e tratamentos permanentes.

O estudo, publicado na "The Lancet Diabetes & Endocrinology", envolveu 26 países e foi dirigido por cientistas do Centro Internacional de Pesquisas sobre o Câncer (Circ/Iarc), com sede em Lyon, França, em colaboração com o Instituto Nacional do Câncer de Aviano, na Itália. Mais de 1 milhão de pessoas podem ter sido sobrediagnosticadas com câncer de tireóide entre 2008 e 2012 nestes 26 países.

A proporção estimada de casos de câncer de tireoide entre mulheres atribuível a um sobrediagnóstico entre 2008 e 2012 foi de 93% na Coreia do Sul, 91% em Belarus, 87% na China, 84% em Itália e Croácia e 83% em Eslováquia e França. Entre 2008 e 2012, os sobrediagnósticos entre as mulheres afetariam 390 mil na China, 140 mil na Coreia do Sul, 120 mil nos Estados Unidos (EUA), 31 mil na Itália e 25 mil na França. Segundo o estudo, a incidência do câncer de tireóide seguiu aumentando entre 1998-2002 a 2008-2012 em todos os países estudados.

Os resultados do estudo "apontam fortemente que a grande maioria dos diagnósticos de câncer de tireoide no mundo se deve a um sobrediagnóstico", assinala o médico Salvatore Vaccarella, do Circ, que conduziu o trabalho. O especialista destacou a necessidade urgente de acompanhar de perto a evolução mundial do sobrediagóstico, visto o seu alcance, e "o impacto das diretrizes recentes, que, agora, recomendam explicitamente que não se detecte este tipo de câncer em pessoas assintomáticas".

Em estudo anterior, o Circ estimou em mais de meio milhão o número de pessoas que teriam recebido um sobrediagnóstico de câncer de tireoide entre 1988 e 2007 em 12 países ricos.

Fonte: GaúchaZH

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive