Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudo brasileiro avalia tratamento hormonal no câncer de próstata

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/07/2020 - Data de atualização: 28/07/2020


Com estimativa de mais de 65 mil novos casos a cada ano, conforme dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens. Quando diagnosticado em estágio avançado, as opções de tratamento são mais limitadas. Uma das mais efetivas é a castração, que, embora traga bons resultados no controle da doença, impacta na qualidade de vida masculina. O cenário levou um grupo de pesquisadores brasileiros a desenvolver um estudo para avaliar outras alternativas com efeitos colaterais menores.

Realizado em 14 centros, o estudo teve três braços: um grupo recebeu a castração combinada com comprimidos e os outros receberam apenas medicamentos  —  alguns pacientes tomaram dois e outros, apenas um.

—  O pilar do tratamento dos casos avançados é a castração, isto é, diminuir os níveis de testosterona. É uma medida extremamente efetiva em mais de 90% dos pacientes, mas carrega consigo muitos efeitos colaterais. O estudo quis avaliar a possibilidade de tratar pacientes só com agentes hormonais visando melhorar a qualidade de vida sem castração  —  explica  André Fay, coordenador médico do Centro de Oncologia Oncoclínicas- Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Embora os resultados obtidos não sejam uma resposta definitiva, ressalta Fay, o estudo levantou hipóteses importantes no que diz respeito ao tratamento da doença:

—  Não conseguimos provar que o uso da medicação é melhor do que a estratégia usada hoje em dia, mas vimos que é grande a proporção de pacientes que conseguiram reduzir a doença sem diminuir a testosterona. O grande resultado é mostrar que, de fato, existem pacientes que podem ter o câncer controlado sem redução de testosterona. Ele gera a hipótese de que o tratamento pode ser usado em uma população específica.

Por sua relevância, o estudo foi apresentado, em maio, na reunião anual da American Society of Clinical Oncology (Asco), que em 2020 foi realizada online.

— Isso mostra a capacidade dos nossos profissionais e do Grupo Cooperativo Latino-Americano de Pesquisa em Oncologia (LACOG) de liderar pesquisa de ponta e que possa impactar no cuidado médico em todo o mundo — avalia Fay.

Impacto na qualidade de vida 

Conforme o oncologista, a castração, apesar dos resultados mais efetivos, traz muitos impactos à qualidade de vida. Fora as questões socioculturais envolvendo o tema, o tratamento pode acarretar perda de libido, disfunção erétil, aumento de problemas cardiovasculares, perda de massa muscular e tendência ao ganho de peso.

Fonte: GaúchaZH

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive