Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estudo amazonense investiga amido de mandioca e fungos locais para tratar o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/06/2022 - Data de atualização: 27/06/2022


Um estudo investiga o uso de amido extraído da mandioca aliado a fungos amazônicos no tratamento do câncer de pele. Com apoio do Governo do Estado via Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam), a pesquisa pretende criar curativos para liberação controlada de medicamentos que serão aplicados na pele e terão atividades anticâncer e cicatrizante. O projeto deve ser concluído no segundo semestre de 2023.  

O projeto de pesquisa é realizado de forma colaborativa entre a Fapeam e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), via Chamada Pública nº 01/2020 – Programa Fapesp-Fapeam – sob a coordenação da doutora em Química, Patrícia Melchionna, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e da doutora em Engenharia Química, Mariana Agostini, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).  

Segundo a pesquisadora Patrícia Melchionna, no projeto, é proposto o desenvolvimento de membranas de amido extraído da mandioca, que possam atuar como dispositivos de liberação controlada de fármacos com efeito cicatrizante e anticancerígeno, sendo estes produzidos por fungos isolados das seguintes espécies vegetais da região amazônica: Myrcia guianensis (Myrtaceae) e de Piper hispidum (Piperaceae), conhecidas popularmente com “pedra-ume-caá” e “aperta-ruão”, respectivamente.  

“Os dispositivos que serão desenvolvidos neste projeto possuem potencial de substituição de filmes e patches transdérmicos, que utilizam materiais sintéticos em sua composição, utilizando materiais oriundos da biodiversidade amazônica (extratos fúngicos, com atividade citotóxica e amido de mandioca), os quais poderão auxiliar no tratamento do câncer de pele”, complementa a pesquisadora.  

Ainda, conforme a coordenadora do estudo, os curativos transdérmicos podem auxiliar no tratamento de lesões ocasionadas pelo câncer de pele, uma vez que a liberação controlada de fármacos utilizando esse tipo de dispositivo garante que o princípio ativo passará para a pele de forma lenta e contínua.

“Os extratos fúngicos amazônicos já foram preparados, o amido da mandioca já foi extraído e o filme de amido preparado. A incorporação dos extratos fúngicos nos filmes já foi realizada. Neste momento, está sendo iniciada a concentração dos compostos bioativos no sistema de extração com líquidos pressurizados (PLE – pressurized liquid extraction), bem como a caracterização dos filmes de amido produzidos. A conclusão está prevista para agosto de 2023”, reforça Patrícia Melchionna.  

Apoio e colaboração 

Para a pesquisadora, a parceria Fapeam e Fapesp foi muito importante para a aproximação dos pesquisadores da UEA e da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) com os cientistas da Unifesp. O projeto representa a integração das áreas do conhecimento de biologia, biotecnologia, química e engenharia. A integração multidisciplinar entre os pesquisadores dos dois estados possibilita a promoção do desenvolvimento científico e tecnológico de ambas as regiões.  

“O apoio da Fapeam é fundamental para o desenvolvimento do estudo, pois possibilitou a aquisição de equipamentos para o Laboratório da UEA, bem como de material de consumo para que a pesquisa seja realizada. Além disso, a Fapeam concedeu bolsa de apoio técnico, que nos auxilia com a produção dos extratos fúngicos na UEA e com a realização dos ensaios de atividade biológica na Ufam”, finaliza Patrícia.  

Integram o grupo de pesquisa os docentes do Departamento de Engenharia Química (DEQ) da Univesp: Priscilla Carvalho Veggi e Juliane Viganó; da Ufam, Pedro Henrique Campelo Felix e Marne Carvalho de Vasconcellos; e a bolsista de apoio técnico, Anne Terezinha Fernandes de Souza, graduanda em ciências biológicas da UEA.  

Fonte: Agência Amazonas



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive