Tipos de Câncer

Câncer de Próstata

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Estadiamento do Câncer de Próstata

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/06/2014 - Data de atualização: 09/07/2017


O estadiamento descreve aspectos do câncer, como localização, se disseminou, e se está afetando as funções de outros órgãos do corpo. Conhecer o estágio do tumor ajuda na definição do tipo de tratamento e a prever o prognóstico do paciente.

O estadiamento do câncer de próstata é baseado nos resultados da biópsia, incluindo a pontuação ou escore de Gleason, nível do PSA e quaisquer outros exames de laboratório ou de imagem que foram realizados.

Sistema de Estadiamento TNM

O sistema de estadiamento mais utilizado para o câncer de próstata é o sistema TNM, da American Joint Committee on Cancer (AJCC), que está baseado em 5 critérios:

  • Extensão do tumor primário (T).
  • Se o tumor se disseminou para os linfonodos próximos (N).
  • Ausência ou presença de metástases à distância (M).
  • Nível do PSA no momento do diagnóstico.
  • Pontuação de Gleason, com base na biópsia ou cirurgia da próstata.

Na verdade, existem dois tipos de estadiamento para o câncer de próstata:

Estadiamento Clínico. É a melhor estimativa da extensão da doença, com base nos resultados do exame físico (incluindo toque retal), exames de laboratório, biópsia e quaisquer exames de imagem realizados.

Estadiamento Patológico. Se a cirurgia foi realizada, seu médico também pode determinar o estágio patológico, que é baseado na cirurgia e análise do tecido retirado. Isto significa que após a cirurgia, o estadiamento da doença pode mudar. O estadiamento patológico é provavelmente mais preciso do que o estadiamento clínico, pois permite que o médico tenha realmente a ideia da extensão da doença. Esta é uma possível vantagem de fazer a cirurgia em vez da radioterapia ou vigilância ativa.

  • Tumor Primário (T)

T1. O médico não pode palpar o tumor ou vê-lo num exame de imagem.
T1a. O tumor é diagnosticado por acaso, durante uma ressecção transuretral da próstata, realizada para a hiperplasia prostática benigna. O tumor não representa mais do que 5% do tecido retirado.
T1b. O tumor é diagnosticado durante a ressecção transuretral da próstata, mas representa mais do que 5% do tecido retirado.
T1c. O tumor é diagnosticado por biópsia de agulha realizada devido a um aumento do PSA.

T2. O médico pode palpar o tumor durante o exame de toque retal ou visualizá-lo num exame de imagem, mas ainda parece estar confinado à próstata.
T2a. O tumor está ocupando apenas a metade ou menos de um dos lados da próstata.
T2b. O tumor ocupa mais da metade de apenas um dos lados da próstata.
T2c. O tumor está ocupando ambos os lados da próstata.

T3. O tumor se desenvolveu e começou se disseminar para além da próstata, podendo chegar nas vesículas seminais.
T3a. O tumor se estende além da próstata, mas não para as vesículas seminais.
T3b. O tumor se disseminou para as vesículas seminais.

T4. O tumor se desenvolveu nos tecidos próximos à próstata, como esfíncter uretral, reto, bexiga, e/ou parede da pelve.

  • Linfonodos Regional (N)

NX. Ausência de linfonodo comprometido.

N0. O tumor não se disseminou para os linfonodos.

N1. O tumor se disseminou para um ou mais linfonodos da pelve.

  • Metástase à Distância (M)

M0. O tumor não se disseminou para os linfonodos próximos.
M1. O tumor se disseminou para os linfonodos.
M1a. O tumor se disseminou para os gânglios linfáticos distantes.
M1b. O tumor se disseminou para os ossos.
M1c. O tumor se disseminou para outros órgãos.

  • Estágios do Câncer

Estágio I. Tis, N0, M0, graduação de Gleason até 6, PSA menor que 10; ou T2a, N0, M0, pontuação de Gleason até 6, PSA menor que 10.

Estágio IIA. T1, N0, M0, graduação de Gleason até 7, PSA menor que 20; T1, N0, M0, pontuação de Gleason até 6, PSA entre 10 - 20; ou T2a ou T2b, N0, M0, pontuação de Gleason até 7, PSA menor que 20.

Estágio IIB. T2c, N0, M0, qualquer pontuação de Gleason, qualquer PSA; T1 ou T2, N0, M0, qualquer pontuação de Gleason, PSA superior a 20; ou T1 ou T2, N0, M0, pontuação de Gleason 8 ou maior, qualquer PSA.

Estágio III. T3, N0, M0, qualquer pontuação de Gleason, qualquer PSA.

Estágio IV. T4, N0, M0, qualquer pontuação de Gleason, qualquer PSA; qualquer T, N1, M0, qualquer pontuação de Gleason, qualquer PSA; ou qualquer T, qualquer N, M1, qualquer pontuação de Gleason, qualquer PSA.

Categorias de Risco D’Amico

O sistema D'Amico não é usado para o estadiamento de todos os casos de câncer de próstata, como o sistema TNM. Às vezes é usado para avaliar o risco de um tumor de próstata se disseminar. Este sistema utiliza o nível do PSA, a pontuação ou escore de Gleason e o estágio do tumor (T), para classificar os homens em três grupos de risco: baixo, intermediário e alto.

Fonte: American Cancer Society (11/03/2016)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive