Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Especialistas divergem quanto a parâmetros para rastreio do câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/11/2020 - Data de atualização: 16/11/2020


No Brasil, a taxa de mortalidade do câncer de mama está na média internacional, 13 casos para cada 100 mil habitantes. Porém as mortes e a incidência têm crescido ano após ano. O Inca (Instituto Nacional de Câncer) projeta, para 2020 e os dois anos seguintes, mais de 66 mil novos casos anuais.

Para reduzir essas estatísticas, é necessário ofertar prevenção, diagnóstico precoce e tratamento adequado.

Especialistas consultados pela Folha são unânimes em dizer que aderir a hábitos saudáveis reduz em até 28% as chances de desenvolver câncer de mama - entre os principais fatores que aumentam o risco, estão sedentarismo e sobrepeso.

Contudo, mesmo mulheres que não se enquadram nessas condições devem ficar atentas a sinais ou sintomas, como caroços palpáveis no seio ou axila, secreção nos mamilos e alterações na pele da mama.

O Ministério da Saúde e o Inca recomendam a mamografia de rastreio para mulheres de 50 a 69 anos, com baixo risco e sem sinais da doença, a cada dois anos.

Mulheres mais jovens também podem ter acesso ao exame pelo SUS (Sistema Único de Saúde), mas é exigido encaminhamento médico.

Já a SBM (Sociedade Brasileira de Mastologia) e a Frebasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) indicam o rastreio anual a partir dos 40.

A justificativa é que, nesta faixa etária, as chances de malefícios, como intervenções desnecessárias ou erros de diagnóstico, sãoo bem inferiores aos benefícios.

"Dentre as mulheres que forem desenvolver o câncer de mama, pelo menos 20% deixam de falecer por fazer o exame uma vez ao ano", aponta o mastologista e pesquisador Ruffo de Freitas Júnior, da SBM.

Além de mais eficazes, os tratamentos em fase inicial são menos agressivos. "Pelo menos 40% dos tumores pequenos não necessitam de quimioterapia", frisa Freitas Júnior.

Mas é baixo o número de cânceres de mama identificados pelo SUS em fase inicial. Mais de 50% dos casos são detectados em estágios mais avançados, o que também onera o orçamento público.

Dados de 2016, levantados pelo Observatório de Oncologia, apontam que, na paciente pré-menopausa, o tratamento no SUS para câncer de mama em estágio um demandou R$ 11.373. No estágio três, o custo foi de R$ 55.125.

Entre pacientes pós-menopausa, em estágio um, o tratamento custou R$ 49.488. Nos quadros em estágio três, foram investidos R$ 93.241.

A sanitarista e doutora em Saúde Pública Mônica de Assis, do Inca, confirma que o rastreio do câncer de mama pelo SUS é baixo, mesmo entre o público-alvo, por diversos entraves. Mas sugere que os riscos e benefícios do exame de imagem sejam discutidos.

"Rastreando mais, a curva de casos sobe, mas isso não implica redução da doença metastática na mesma proporção", diz.

Ela frisa que, sem fatores de risco e sem sintomas, mulheres que realizam muitos exames ficam mais suscetíveis a tratarem lesões que não progrediriam.

Elas também podem passar por cirurgias, químio e radioterapias para eliminar tumores que não ameaçam a vida.

De 1.000 mulheres de 40 a 49 anos rastreadas para câncer de mama ao longo de sete anos, sem terem sintomas ou alto risco para a doença, 294 terão diagnóstico falso positivo.

A estimativa, feita no Canadá, prevê ainda que 43 mulheres farão biópsias sem necessidade e somente 7 terão diagnóstico correto.

"A principal questão ética na prática de saúde é não causar mal. Depois, que traga benefício. Sempre que houver uma zona de incerteza sobre riscos e ganhos, deve-se envolver a paciente para que possa, com apoio profissional, exercer sua autonomia e tomar a melhor decisão para si", reforça Assis.

Os especialistas são unânimes quanto à importância de hábitos saudáveis na prevenção. "Precisamos pensar na saúde como forma de viver, e isso envolve políticas públicas. Devemos lembrar o papel da mulher de observar seu corpo e torná-la bem informada sobre as formas de prevenção, que vão além da mamografia", finaliza a sanitarista.

Fonte: Folha de S.Paulo



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive