top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[ENTREVISTA] Mamografia dói, mas é possível minimizar o desconforto

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


Sim, esse é um fato: A mamografia causa certa dor e incômodo na maioria das mulheres, pois para a sua realização comprime-se as mamas, que normalmente são muito sensíveis. Mas a dor não pode, de forma alguma, impedir as mulheres de realizarem o exame! Afinal, a mamografia é o único método capaz de detectar o câncer de mama em estágio inicial, quando o tumor ainda é pequeno, e com uma maior chance de cura.

O Dr. Waldemir Rezende, especialista em Obstetrícia, Ginecologia e Mastologia, conversou com o Portal Oncoguia sobre as maneiras possíveis de minimizar a dor ocasionada pela compressão das mamas. Optar pela realização do exame fora do período menstrual é uma saída, diz o médico. "Quanto mais próxima do ciclo menstrual, por retenção de líquido ou por uma questão hormonal, a mulher pode sentir-se mais desconfortável”.

Leia a entrevista na íntegra e multiplique a informação!

Instituto Oncoguia: A mamografia causa mesmo dor, ou é mais um preconceito, um medo, assumido pelas mulheres?

Dr. Waldemir Rezende – O exame em si, a técnica do exame, exige que haja uma compressão do tecido mamário. Então, se eu falar que não dói é uma inverdade. A sensibilidade é individual, ou seja, algumas pacientes sentirão mais e outras menos dor. Isso dependerá também de alguns fatores, como a faixa etária e o período menstrual. Quanto mais jovem a mulher, maior o seu tecido glandular e, portanto, a dor pode ser mais intensa; quanto mais próxima do ciclo menstrual, por retenção de líquido ou por uma questão hormonal, a mulher pode sentir-se mais desconfortável. Ainda mais se a retenção de líquido coincidir com a presença de cistos, ou seja, a retenção ocasionando a formação de pequenas bolinhas de água na mama (alteração fibrocística), o que pode provocar uma dor significativa. No entanto, há algumas alternativas para que se possa reduzir essa dor.

Instituto Oncoguia: E quais são elas, Dr. Waldemir?

Dr. Waldemir Rezende – Fazer o exame sempre após o período menstrual; quando possível realizar uma ultrassonografia antes da mamografia, para verificar a presença e o tamanho dos cistos - e se forem maiores que 2 cm esvaziá-los antes da mamografia - e fazer uso de um medicamento antinflamatório ou analgésico duas horas antes de realizar o exame, algo que não existe contraindicação, para as mulheres que tem uma sensibilidade importante. Essas são algumas medidas.

Instituto Oncoguia: O Sr. citou que o uso de antinflamatório ou analgésico pode ser interessante às mulheres mais sensíveis. Mas elas podem usar, também, posteriormente à realização do exame, caso a dor persista, ou apenas antes?

Dr. Waldemir Rezende – Na realidade a dor não deve persistir, já que é causada pela compressão das mamas. Se acontecer, o que é difícil, uma bolsa de gelo pode aliviar. Na realidade, o processo do exame é muito simples e a dor é passageira.

Instituto Oncoguia: Mais alguma sugestão para o alívio da dor e desconforto às mulheres muito sensíveis?

Dr. Waldemir Rezende – Pode ajudar, também, a alimentação rica em ácido linoleico e gamalinoleico, que estão presentes em alimentos como salmão, sardinha, castanha do Pará, e azeite extra virgem, 2 meses antes da realização do exame. Com a presença desses ácidos é possível observar-se a redução do efeito dos hormônios das mamas, o que pode atenuar a dor. Mas é fundamental, também, que o equipamento e a técnica utilizada para a realização do exame estejam adequados.

Instituto Oncoguia – Como, Dr. Waldemir?

Dr. Waldemir Rezende - Em mama jovem, obrigatoriamente a mamografia deveria ser digital. O equipamento da mamografia digital é mais moderno, exige menor compressão mamária e a imagem é obtida com maior facilidade, sendo praticamente desnecessário realizar compressões adicionais das mamas. Na mamografia digital, a imagem obtida permanece armazenada em computador, permitindo ao radiologista ampliar ou mudar a posição da imagem, contrastar as cores e comparar com exames anteriores.

Instituto Oncoguia – Mas o equipamento de mamografia digital é amplamente acessível no Brasil?

Dr. Waldemir Rezende - A mamografia digital é uma realidade inevitável. Os laboratórios e mesmo as unidades do SUS estão adquirindo esses equipamentos e, com isso, esta modalidade de exame está disponível tanto na rede pública quanto privada. Mas a prioridade de uso da mamografia digital são as mulheres com idade menor do que 50 anos, por conta da densidade da mama que faz com que a mamografia convencional não consiga detalhá-la de forma conveniente.

Instituto Oncoguia – E há muitos casos em que o exame dá falso negativo?

Dr. Waldemir Rezende - Tem uma frase que é importante frisar: melhor não fazer a mamografia a fazê-la da forma incorreta. Isso porque, a mulher fica com a falsa sensação de estar "protegida” por aderir ao rastreamento corretamente. Mas se o equipamento não estiver adequado, o técnico que o utiliza não estiver preparado para realizar o exame e o médico que interpreta as imagens não for atento aos detalhes e classificar a mamografia adequadamente, confirmando a sua validade, pode haver resultados falso negativos.

Instituto Oncoguia – Isso é algo que íamos mesmo perguntar, sobre a qualidade dos exames de mamografia praticados no país. Como uma mulher pode ter certeza que está realizando o exame com qualidade? Há um padrão de qualidade monitorado no país?

Dr. Waldemir Rezende - Teoricamente, tanto o equipamento quanto as unidades que realizam o exame são monitorados por Órgãos Públicos como ANVISA e Vigilância Sanitária, além da Sociedade Brasileira de Radiologia (SBR) conferir um selo de qualidade para esses serviços. Qualquer pessoa pode, inclusive, encontrar na internet informações sobre o serviço de radiologia onde realizará o exame.

Instituto Oncoguia – Aliás, Dr. Waldemir, um equipamento mal calibrado pode ser, também, a razão de uma dor muito intensa?

Dr. Waldemir Rezende - Na realidade, quanto mais moderno o equipamento e melhor treinado o técnico, melhor, mais fácil e mais acurado será o exame. Existe, com certeza, uma relação.

Instituto Oncoguia – E como a mulher pode estar mais segura de que está realizando a prevenção corretamente, sendo que pode haver problemas com o mamógrafo?

Dr. Waldemir Rezende - Sim. Isso é importante. É importante lembrar que a mamografia é um exame complementar, assim como a ultrassonografia. Existe uma média de 15% a 20% de exames de mamografia aparentemente normais, mas que na realidade são falsos negativos, principalmente em mulheres muito jovens, com as mamas densas. O exame físico, em casos como esses, muitas vezes é mais importante que a mamografia. É importantíssimo o mastologista realizar o exame físico detalhado, para garantir que não haja falsos negativos e falsos positivos – um nódulo que na verdade é um cisto, e que gera uma notícia de um tumor.

Instituto Oncoguia - Falando sobre os mitos que ainda estão atrelados à realização do exame. Muita mulher afirma não fazer a mamografia porque aumentaria a sua chance de ter um câncer. Existe alguma relação?

Dr. Waldemir Rezende - A dose de radiação da mamografia não é suficiente para desencadear o câncer de mama. Nós estamos em uma fase em que, cada vez mais, realiza-se o exame mais precocemente, por conta de antecedentes familiares, fatores de risco genéticos, identificação de câncer em mulheres com menos de 30 anos (...) com isso, há uma preocupação em proteger a glândula da tireoide, que é sensível à radiação. Isso acontece hoje. É obrigatório que as unidades que realizam o exame protejam a glândula. Eu desconheço qualquer trabalho científico que ligue a mamografia ao risco de desenvolvimento de um câncer de mama, ou a qualquer outro tipo de neoplasia. Agora, se uma mulher realiza sempre o exame em local onde o mamógrafo não é calibrado, o técnico não é habilitado e que, por isso, ela tem que repeti-lo por diversas vezes, pode haver problemas futuros.

Instituto Oncoguia - Como nunca é demais repetir, qual a importância de se fazer a mamografia?

Dr. Waldemir Rezende - Uma regra básica é que o início da mamografia de controle deve ser por volta dos 40 anos de idade, ou, uma regra prática, dez anos antes que o câncer de mama foi diagnosticado em parente de primeiro grau (mãe ou irmã). A importância da mamografia é a redução da mortalidade pelo diagnóstico precoce. A mamografia identifica alterações iniciais do câncer de mama, permitindo a realização do tratamento em fase muito precoce, ideal, de forma a obter a cura (...), com estadiamento inicial, o que significa um tumor com menos de 2 cm. E a mamografia consegue identificar microcalcificações, nódulos ou características desse nódulo que podem permitir o tratamento precoce e a cura. Infelizmente, no Brasil, o número de mamógrafos digitais parece não ser ideal, e a mamografia convencional ainda é realizada tardiamente em muitos casos. E assim aparecem tumores de 4, 5, 10 cm, os quais até mesmo o autoexame poderia identificar. Com isso, o diagnóstico tardio mantém a mortalidade por câncer de mama elevada. Por fim, sempre é importante ressaltar que a mamografia aumenta as chances de cura, pois promove o diagnóstico precoce.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive